TRANSLATE/TRADUTOR

quinta-feira, janeiro 17, 2013

LIVRO REVELA A LUTA DOS MILITARES CONTRA AS TENTATIVAS DE TOMADA DO PODER PELA SUBVERSÃO COMUNISTA NO BRASIL


Vendido em apenas quatro livrarias, mas lançado em clubes e círculos militares de 14 cidades, Orvil - Tentativas de Tomada do Poder, versão de oficiais do Centro de Informações do Exército (CIE) sobre a repressão, volta às prateleiras até o fim do mês com uma tiragem de mais dois mil exemplares. As três primeiras remessas, de mil exemplares cada uma, esgotaram-se em três meses. O livro é assinado pelo tenente-coronel reformado Lício Augusto Maciel e pelo tenente reformado José Conegundes Nascimento, que trabalharam sob a coordenação do general Agnaldo Del Nero Augusto, falecido em 2009. Outros oficiais que participaram do projeto não quiseram que seus nomes aparecessem.

Disponível pela internet no site da mulher do coronel reformado Carlos Alberto Ustra, que chefiou o DOI- Codi (órgão de informação e repressão do Exército, em São Paulo) e assina a apresentação, o texto original do Projeto Orvil ficou pronto em 1987, mas o então ministro do Exército, general Leônidas Pires Gonçalves, que havia autorizado o levantamento, não permitiu que fosse publicado. A iniciativa CIE pretendia ser uma resposta ao livro Brasil: Nunca Mais, de denúncias de prisões, torturas e assassinatos durante o regime militar, escrito por uma equipe ligada ao cardeal d. Paulo Evaristo Arns.

A publicação de Orvil (Editora Schoba, R$ 72,90), segundo o general reformado Geraldo Luiz Nery da Silva, autor do prefácio, é uma reação à criação da Comissão Nacional da Verdade. "Releva enfatizar neste prólogo", escreve o general, "que os revanchistas da esquerda que estão no poder -- não satisfeitos com as graves restrições de recursos impostas às Forças Armadas e com o tratamento discriminatório dados aos militares sob todos os aspectos, especialmente o financeiro - tiveram a petulância de criar, com o conluio de um inexpressivo Congresso, o que ousaram chamar de comissão da verdade".
Volume de 924 páginas, Orvil - livro, escrito ao contrário - destaca o golpe - ou contrarrevolução de 1964, como preferem seus autores - que derrubou o presidente João Goulart e a ação de organizações clandestinas que no período de 1966 a 1975 combateram o regime militar pela luta armada. A primeira parte trata da Intentona Comunista de 1935 e a quarta parte analisa a opção da esquerda por uma nova estratégia - a "doutrinação" pelos meios de comunicação, instituições de ensino, sindicatos e movimentos populares sobre a necessidade da revolução.

Dilma. A presidente Dilma Rousseff é citada três vezes e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso uma vez, no índice onomástico de mais de 800 nomes de militantes e teóricos do marxismo que se envolveram direta ou indiretamente na luta armada. Dilma Vana Rousseff Linhares aparece como membro do setor de logística do Colina (Comando de Libertação Nacional), depois na VAR-P (Vanguarda Armada Revolucionária-Palmares), sempre em notas de rodapé. O livro informa que a ex-presidente foi presa.

"No Centro Brasileiro de Pesquisas (Cebrape) foram contatados Fernando Henrique Cardoso, José Artur Gianotti e outros elementos, em busca de inspiração", registram os autores, ao relatar a ação de Piragibe Castro Alves que viajou de Paris para São Paulo em busca de apoio para o Movimento Popular de Libertação (MPL). Esse grupo, liderado inicialmente por Miguel Arraes, então refugiado na França, tinha participação da Juventude Operária Católica e, segundo o CIE, de vários padres e religiosos, entre os quais o dominicano frei Tito de Alencar Lima, um dos frades que se envolveram no esquema de Carlos Marighella.

O livro descreve a agitação estudantil de 1968, citando o nome de José Dirceu de Oliveira e Silva, em rodapé, ao falar do congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE) em Ibiúna (SP), onde foram encontradas, segundo os arquivos, drogas, bebidas alcoólicas e grande quantidade de preservativos. "Alguns estudantes chegaram a declarar que havia, inclusive, uma escala de serviço de moças para atendimento sexual", afirma o texto. O deputado José Genoino é mencionado no episódio da guerrilha do Araguaia. Utilizava o codinome Geraldo e, ao ser preso na selva, teria dado "informações valiosas" sobre o armamento, nível de instrução e de suprimento dos "terroristas".

Outros episódios destacados, além do Araguaia, são a deserção, luta e morte do capitão Carlos Lamarca, a ação de Carlos Marighella e o caso Vladimir Herzog, sempre na versão oficial divulgada na época. Lamarca teria morrido num tiroteio no interior da Bahia, Marighella teria levado um tiro ao resistir a agentes de segurança na Alameda Casa Branca, em São Paulo, e Herzog se teria suicidado numa cela do DOI-Codi. Foram os frades dominicanos que entregaram Marighella, reitera o livro.

Os adeptos da teologia da libertação apoiaram a subversão e a luta armada, afirmam os autores. ao descrever o papel da Igreja Católica no período militar. O cardeal d. Paulo Evaristo Arns (São Paulo), os bispos d. Helder Câmara (Olinda e Recife), d. Waldir Calheiros (Volta Redonda-RJ) e d. Antônio Fragoso (Crateús-CE) e numerosos padres, muitos estrangeiros, são citados como líderes de uma corrente aliada dos subversivos.

Os autores de Orvil atribuem à censura dos meios de comunicação "a falta de conhecimento e de convicção que predisporiam a população a aceitar como verdade os fatos que lhe fossem oferecidos de forma racional ou emocional". Daí, segundo os militares, as repercussões negativas do Ato Institucional nº 5 (AI-5), a apresentação do regime como "brutal ditadura militar latino-americana" e a afirmação de que os órgãos de segurança e informações vinham sendo os algozes dos subversivos, "atingindo-os de forma sistemática e permanente". É uma referência à tortura, embora não se use a palavra. Do site do jornal O Estado de S. Paulo

18 comentários:

HD disse...

Mais um lixão tendencioso escrito apenas para agradar o ego dos incompetentes que faliram o Brasil, levaram o país à hiperinflação, ao FMI e extinguiram os partidos politicos tradicionais substituindo-os pelo esquema "Ou você é a meu favor e recebe as benesses do estado (ARENA) ou você não é meu favor e não recebe as benesses do estado (MDB)". Até hoje pagamos muito caro pelo esquema ARENA e MDB montado pelos egocêntricos que não admitiam que alguém pensasse diferente deles!!!

Anônimo disse...

Acompanhei os trâmites finais da publicação do livro aqui:
www.grupoinconfidencia.org.br.

A obra aprece tardiamente, mas é uma excelente pesquisa e fonte para esfregar nas caras sujas dos esquerdopatas de todas as matizes.

Lamentável é que militares da estirpe dos autores e colaboradores do livro, sejam tão poucos. Por isso a tal comissão da verdade anda tão à vontade.

Para dar uma "lavada" ainda maior nos esquerdopatas, Orvil deveria ter reservado passagens sobre o aspecto econômico daquele período.

So um fato: Com uma população bem menor que a de hoje, foram criados 45 milhões de empregos...e com carteiras assinadas...

Mas o povo prefere mesmo é ser filho de Luláticos. Escravos felizes.

Eduardo- MG

Anônimo disse...

Que serviço mal feito, hoje temos uma terrorista como presidente.

gutenberg disse...

É um excelente livro. Comprei da própria editora e já tinha, há tempos, a versão digital.
Desvenda muita coisa e é mais uma fonte a mostrar que a dita foi mole. Se tivesse sido como na Argentina é que o circo ia pegar fogo.
Embora tenham morrido quase quntas pessoas, sendo cerca de 130 mortaspelos terroristas, no Brasil houve pouquíssima violência, comparando-se ao banho de sangue cubano, à ditadura argentina, à uruguaia e à chilena. Só os terroristas do Sendero Luminoso (Partido Comunista Peruano) mataram mais de 45 mil pessoas!!!

Marconi disse...

Ah, o PT é campeão!
Consguiu colocar o Brasil vice campeão mundial do atraso na educação, só atrás da Indonésia.
Consegui fazer o Brasil crescer tanto que só ganha do Haiti, o mais miserável das Americas.
Campeão de corrupção de todos os tempos!

Anônimo disse...

Ao tal HD aí acima:

Os esquerdistas sempre tiveram como lema a "moralização" da política. Foram os que mais tiraram proveito das 1ªs CPIs nos anos 90, mas naquele mesmo momento, eles estavam criando o sistema que iria possibilitar o aparecimento do Mensalão.
Os comunistas/socialistas tiraram proveito da paz e da ordem (do período militar) e tiram, agora, proveito da baderna que eles mesmos instauraram.
Todo esquerdista tem a língua bifurcada e atitudes dúbias.
Nos 3 mandatos presidenciais do PT esquerdopata, aprofundou-se o foço político comprando apoio da "oposição" e partidos de aluguél, fazendo do tal esquema Arena x MDB brincadeira de criança.

E ninguém, que pense diferente dos movimentos esquerdistas, fica incólume diante de ataques de movimentos gayzistas, feministas, abortistas, tribalistas e tantos outros do inferno criados pela esquerdopatia. Isso sem falar da imprensa, quase toda ela amordaçada pelo vil metal PTralha.

É ditadura disfarça, hoje; e explicita amanhã.

QUE VIVA OS MILITARES DE 64!!!!

Eduardo - MG

Anônimo disse...

Aluízio, veja vídeo de Chavez, em que ele já prometia deixar o governo (poder) em 2013:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=bzpOteeaBZg

Anônimo disse...

Aluízio! Coloque esse HD filho da puta, subversivo comunista no ANTI-SPAN. Esse verme é só um contratado pela trupe petralha que tenta por todas as formas tortas, defender a claque podre e corrupta que faliram o brasil por meio da incompetência e da falta de moral.

Anônimo disse...

é hd,até hoje o brasil vive da infraestrutura deixada pelos militares.
eu vivi essa epoca, ons tempos:segurança,saude.educação,emprego.
e hoje hein!!! onde tem esquerda só tem roubo e miseria.

Alexandre, The Great disse...

Pô, Aluízio! Vc deveria impedir que esse maconheiro delirante venha até aqui vomitar. Ninguém aguenta esse escroque...

HD disse...

Bom dia pessoal. Ao Eduardo:

De certa maneira você está certo. O PT foi a última grande decepção da politica brasileira. Creio que não haverá mais vida politica após o PT. Agora só mesmo se for desfeito o mal feito dos militares e voltarmos à UDN, PSD, PTB. Aí talvez a história seja retomada. A atual experiência politica já deu o que tinha que dar.

shamijacobus disse...

QUO VADIS
Alô Aluizio
Eu já estava na labuta de divulgar esta publicação,mas tem mais gente ajudando.
VEJA AQUI...ehehehe
http://www.spacewar.com/reports/Book_gives_Brazil_militarys_version_of_dictatorship_999.html

abraços

Anônimo disse...

É mesmo, Aluízio.. tudo bem, o Blog é democrático, mas esse HD não passa de um boca-de-porco!!!

Lucas disse...


"Outros oficiais que participaram do projeto não quiseram que seus nomes aparecessem"
É até escrito por covardes?
Pelo amor de Deus, né?
Não sou lulista, nem gramcista, nem stalinista, nem chavista, mas tampouco idiota.
Quem paga para escrever tantas besteiras, para os formadores de falsas opiniões?
Vamos...

Anônimo disse...

Ao HD

Haverá vida política, sim, depois que a esquerdopata sair o Brasil vai respirar melhor!!!!

Anônimo disse...

Parafraseando Dalai Lama: a esquerdopata e seus simpatizantes vivem como se nunca fossem morrer. E depois morrem como se nunca tivessem vivido.
E, quando eles "cantarem para descer" para onde será que eles vão?

Anônimo disse...

Para o HD bom deve ser o esquema PT-PSDB-PMDB et caterva que vai quebrar o Brasil para a implantação da "Pax Petralha".

Marcos Borkowski disse...

Militares culpados pela hiperinflação disse alguém desinformado da total história, provavelmente. Essa hiperinflação já havia antes de 64. Com o atendimento dos militares aos clamores populares, passaram a governar como se deve governar um país, a sua, a nossa Pátria, e realizaram incontáveis obras e planos sociais que elevaram o Brasil da 44ª economia mundial para a décima em curtíssimo espaço de tempo, ressaltando que tudo isso feito ainda tendo de combater guerrilhas comunistas assassinadas e movimentos sociais de desinformados e portanto, devidamente doutrinados e iludidos com um falso socialismo-comunismo. Não há nada de tendencioso em relatar a história a partir de documentos, de provas. Se há algo de tendencioso, é mentir para o povo, enganando-os de que a partir da implantação do regime comunista, todos conquistariam melhorias em suas vidas, ao qual qualquer um que já tenha se informado sobre esse regime totalitário, sanguinário, e assassino de milhões pelo mundo, sabe perfeitamente que não verdadeiro. Os brasileiros devem também agradecer e muito pelo apoio dado pelos Estados Unidos nessa empreitada que nos auxiliou em livrar o Brasil de uma desgraça quase que inimaginável. Os militares não agiram sozinhos, mas com o povo de bem, por isso devemos sempre prestrar-lhes homenagens em agradecimento, só lamentando que dentro da sua benevolência, permitiram que alguns quadrilheiros fugissem e depois retornassem para que ainda hoje façam o desserviço ao qual que prestem melhor, gerar o caos, doenças e a miséria popular, mas para todo o mal, há o seu remédio, dado no momento certo, assim o fez o nosso bom Deus dentro da sua incomparável sabedoria, e hoje, com certeza, o povo saberá reconhecer qual é o lado dos maus, e não permitirá que este escape impunemente, desta vez, esperemos, sem quaisquer anistias, inclusive com a aplicação do Código Militar em seus artigos do 357 ao 366, só isso proporcionará a total justiça ao povo brasileiro.