TRANSLATE/TRADUTOR

terça-feira, junho 30, 2015

A INSANIDADE DAS LOMBADAS E TACHÕES

Lombadas e tachões dão a medida exata da predominância da estupidez no Brasil. E não há um miserável parlamentar com inteligência suficiente para apresentar um projeto de lei banindo essa praga das ruas e estradas brasileiras. Quem sabe por tras dessa insanidade possam existir "lombadões" e "tacholões" emulando o "petrolão".
Por Edson O. T. Goeldner (*)   
Vi há algum tempo, na televisão, uma reportagem sobre carros tunados, que foram apresentados em uma exposição no Centro Multiuso de São José, aqui na Grande Florianópolis, onde o repórter fazia uma entrevista. 
Tunar um carro é equipá-lo ao gosto do dono. Este pode gastar alguns reais em acessórios ou quantias muito acima do valor de mercado do veículo. Um dos exemplos é a substituição da suspensão original, com molas e amortecedores, pela pneumática, que custa 15, 20 mil reais. Se for adicionado um sistema de som de grande potência, o custo pode dobrar, chegando a quase 50 mil ou mais. Pode-se ainda, redecorar o interior, colocando bancos revestidos com couro, tapetes especiais, etc.. Como se vê, há “tunning” para todos os gastos e gostos. 
Mas, dizia eu, o repórter falava com o proprietário de um carro com suspensão pneumática, que permite, entre outras coisas, que o carro fique a alguns poucos centímetros do chão. “E tu consegues andar com a suspensão assim arriada, sem danificar nada?” pergunta o entrevistador. E vem a resposta: “bom, se fosse andar nos Estados Unidos ou na Europa seria possível, pois lá, as estradas e ruas são um verdadeiro tapete. Mas, aqui no Brasil não dá. Há lombadas, tachas, tachões e buracos demais.”
E eu completo o pensamento dele: “não é só ele, não. Os proprietários de Porsches, Ferraris e Lamborguinis também têm sérios problemas. E os de carros comuns também, pois as lombadas são feitas fora das normas, fazendo com que qualquer carro comum arraste o assoalho ou o escapamento. E as tachas e os tachões são proibidos por danificarem os veículos, conforme a Resolução 336/2009 do Contran. O meu Puma, por exemplo, tem 15 cm de altura do solo, conforme o manual da fábrica, já cotejados por mim, e, no entanto, vive se arrastando nos quebra-molas. Aliás, basta olhá-los – os quebra-molas -  para ver as marcas sulcadas pelos carros.” 
“Mas, tudo isso se resume no descaso e desrespeito do poder público para com o cidadão, seja ele quem for.”   
Não é a toa que o povo ordeiro e pacífico está indo às ruas, pois está cansado de ser espoliado pelo governo, seja ele de que nível seja.
“Basta um morador pedir à Prefeitura para colocar uma em frente de sua casa e, em seguida, nasce mais uma lombada. A individualidade vence o interesse coletivo. E, a partir de então, todo carro que venha em uma velocidade compatível com a via, que é a esmagadora maioria, freia, muda de marcha, ultrapassa a lombada, acelera e troca novamente de marcha. Essa operação toda faz com que o consumo de combustível aumente significativamente. E, não falei que, salvo raríssimas exceções, a pintura se desvanecerá com o tempo; ela, a lombada, passará a ser quase invisível. Isso quando não chegamos ao absurdo de termos, como por exemplo, na Avenida Ivo Silveira, em frente ao supermercado do Angeloni, duas lombadas distanciadas 50m, aproximadamente, uma da outra.” 
“Se levarmos em consideração que facilmente o cidadão passa por vinte lombadas por dia em seus deslocamentos, façamos a conta de quanto isso pesa no seu bolso, ao fim do mês, com o desgaste do carro e com o gasto desnecessário com combustível.” 
“Agora, pensemos grande, na macroeconomia. Quanto de divisas o país perde ao importar gasolina para queimar dessa forma?” 
Mas, acredito eu, a praga das lombadas acabaria se, por lei, o autor do pedido para a confecção de uma, tivesse que arcar com o custo de implantação e o da manutenção – pintura periódica, reposição de placas de advertência, etc. - fosse apenas um cidadão, uma associação de bairro, um vereador ou qualquer outra autoridade.
Quanto à praga de tachas e tachões, pela Resolução 336/2009 do Contran, que alterou a Resolução 39/1998, são proibidos de serem utilizados como redutores de velocidade por causarem danos aos veículos, ao serem dispostos transversalmente ao eixo da via. Só podem ser empregados para separar o tráfego de trânsito de fluxos contrários ao longo da via. Seu emprego como redutores de velocidade, entendo eu, é crime de lesa-cidadão ou contra a economia popular, passível de punição, na forma da lei, do responsável que autorizou mais este desrespeito ao cidadão. E o tão presente Ministério Público não diz nada a esse respeito.
(*) Edson O. T. Goeldner é arquiteto 

7 comentários:

TERMINATOR disse...

Uai, normal. Isso tudo acontece porque no Brasil só tem trouxas e otários. O brasileiro comum (e são maioria também) são todos uns pobres coitados que já nasceram fracassados e não sabem. E não é por causa de explicações simplistas como ¨educação, berço¨, etc. É porque são lixos mesmo. O PT e toda a história de corrupção, roubalheira, caos moral, etc que vemos hoje é o reflexo direto deste fracasso como gente que se tornou o brasileiro. Tem conserto? Acho que só uma guerra violentíssima com dezenas de milhares de baixas para este povinho criar vergonha no focinho e ver que a vida é muito mais do que torcer para times de futebol, pular carnaval e assistir novelas.

Anônimo disse...

Moro em uma casa de esquina e presencio DIARIAMENTE motoristas passando por ali em alta velocidade, ignorando a sinalização de 'PARE'. Eu mesmo solicitei que fosse colocado lombadas no que, infelizmente, não fui atendido. Infelizmente em um país onde não há respeito e educação as pessoas só se 'educam' quando mexe se no bolso delas, seja colocando radares para multar ou colocando lombadas para diminuírem a velocidade. Engraçado ver o autor falar em egoísmo do indivíduo (ao solicitar uma lombada para evitar ter sua casa invadida por um irresponsável em alta velocidade), quando ele mesmo está sendo egoísta, pois as lombadas impedem que ele trafegue normalmente com seu 'puma'. CONCORDO COMO COMENTÁRIO ACIMA: ESSE PAÍS É UMA BOSTA.

Wanderley Camy disse...

Uma questão de falta de respeito, de políticos com falta de bom senso, com olho no umbigo, apupados por cidadãos conformados, uma lástima de povo!
Minha esposa teve lesão grave na coluna devido ao motorista de um ônibus não conseguir visualizar uma lombada sem qualquer sinalização, foi um crime sim!
Há normas técnicas para suas edificações, entretanto, solenemente desprezadas.
Quando não são as lombadas, são os inúmeros remendos mal-feitos que provocam trepidações horríveis que nos situa exatamente onde devemos estar, no 4º mundo, ainda por civilizar!
WSCamy

Anônimo disse...

Precisamos é de mais lombadas,tachões e tachinhas sim,com os motoristas irresponsáveis que temos,se acham donos das ruas.Quanto ao seu Puma, acho que dá para levantar a suspensaõ e estará resolvido o problema. Mauro Marques

Anônimo disse...

O articulista tem razão. Lombadas e tachões são uma insanidade. Entretanto, combina com o tipo de gente que predomina no Brasil. Um bando de idiotas mentidos a espertos.

Anônimo disse...

Lamento pelo teu Puma, Aluizio, mas acho que precisamos mesmo é de um sistema acionado por sensores que abrisse um alçapão e enviasse o motorista "piloto" diretamente para o inferno se ele ultrapasse a velocidade permitida para determinada pista...

se a ideia do alçapão soa muito radical, sugiro que uma placa cheia de pregos saísse de dentro de algum compartimento instalado no asfalto quando o elemento, digo, motorista, resolvesse dar uma de Nelson Piquet em via publica...

os motoristas no Brasil são um escândalo...

Anônimo disse...

sorry, o Puma nao é teu...

é de quem escreveu o texto...

só agora que vi...