TRANSLATE/TRADUTOR

sábado, outubro 01, 2016

REPORTAGEM-BOMBA DE "ISTOÉ" REVELA TUDO SOBRE O PETISTA ANTONIO PALOCCI, O HOMEM DE R$ 200 MILHÕES.

O texto que segue abaixo é parte da reportagem-bomba da revista IstoÉ que chega às bancas neste sábado. Revela em detalhes a trajetória de um integrante do dito 'núcleo duro' do PT: Antonio Palocci, que ficou mais conhecido com o denominado escândalo Francenildo, o caseiro de uma casa misteriosa que também ficou conhecida como a "mansão dos prazeres", em Brasília, locus onde grandalhões (hoje nanicos) do PT armavam os esquemas que pretendiam eternizar o partido vermelho no poder. O caseiro Francenildo abriu o bico e a casa caiu. Palocci caiu também e passou a agir nas sombras. Sombras escuras sobre as quais a Operação Lava Jato lançou um facho de luz devastador.
A reportagem de IstoÉ faz um inventário do que se sabe até agora. Segue a parte inicial da reportagem com link ao final para leitura completa. Leiam:  
Preso na última segunda-feira 26, Antonio Palocci atravessou a recepção da Superintendência da Polícia Federal do Paraná meio sorumbático. Cabisbaixo, mal conseguiu reparar no quadro que adorna a entrada da carceragem em Curitiba com a imagem de uma onça agressiva – “a fera”, como costumam dizer os agentes penitenciários. Seu semblante abatido em nada lembrava o impávido ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma, protagonista do Petrolão, responsável por gerenciar negociatas que renderam cifras extraordinárias ao PT. Tampouco fazia jus ao physique du rôle do consultor milionário investigado pelo Ministério Público Federal. Pela primeira vez, em muitos anos, Palocci estava mais para Antonio, o médico sanitarista boa praça de Ribeirão Preto que debutou para a política em 1981 vendendo estrelinha do PT. De lá para cá, realmente, muita coisa mudou em sua vida. Preso pela Lava Jato, o petista é o retrato mais bem acabado do político que enriqueceu no poder – e graças ao poder.
Embarcando para a cadeia: Palocci sobe a escada de acesso à aeronave da Polícia Federal que o transportou à carceragem da Polícia Federal em Curitiba.
O 'MODUS OPERANDI' DO PT
No início dos anos 2000, antes de se eleger deputado, Palocci tinha um patrimônio que somava R$ 295 mil. Sua conta-corrente no Banco do Brasil apresentava um saldo de R$ 2.300. No Banespa, seus depósitos somavam R$ 148. A ascensão patrimonial foi colossal. Na última semana, o juiz Sérgio Moro bloqueou das contas pessoais – físicas e jurídicas – do petista um total de R$ 30,8 milhões. Entre os bens adquiridos por Palocci nos últimos anos figuram um apartamento nos Jardins, área nobre de São Paulo, avaliado em R$ 13 milhões e um escritório na mesma região, que hoje vale pelo menos R$ 2 milhões. A movimentação bancária do ex-ministro entre 2010 e 2015, a qual ISTOÉ teve acesso, revela números ainda mais exuberantes. Neste período, R$ 216,2 milhões passaram pelas contas de Palocci e de sua empresa de consultoria, a Projeto. Os serviços contratados, acreditam os procuradores, iam além dos conselhos. Muitas vezes, os serviços de consultoria propriamente ditos nem eram prestados. Traduziam-se em lobby. Em português claro: tráfico de influência em favor de grandes empresas junto aos governos petistas.
O enriquecimento e os valores movimentados pela firma de consultoria de Palocci acenderam o sinal de alerta entre os investigadores. Fundada em 2006, a Projeto recebeu R$ 52,8 milhões entre junho de 2011 e abril de 2015. Só em 2010, quando Palocci coordenava a campanha de Dilma, o ex-ministro teve ganhos de R$ 12 milhões. É um faturamento infinitamente maior do que o de prestigiadas assessorias de negócios do País. Conforme ISTOÉ adiantou com exclusividade em seu site, na última semana, duas novas investigações a respeito da evolução patrimonial foram abertas pala Procuradoria da República do Distrito Federal. As autoridades possuem fortes indícios de que os serviços oficialmente contratados pela Caoa e pelo Grupo Pão de Açúcar não foram prestados.
CONLUIO EMPRESARIAL
A primeira das apurações mira em valores recebidos do Grupo Pão de Açúcar. Ao todo, a firma de Palocci amealhou R$ 5,5 milhões do conglomerado varejista. O dinheiro era repassado pelo ex-ministro da Justiça falecido Márcio Thomaz Bastos. Chama a atenção o fato de os depósitos terem começado logo após Palocci ser anunciado ministro da Casa Civil da ex-presidente Dilma. O que por si só configuraria um conflito de interesses. As irregularidades se acumulam. Sequer há um contrato formal entre as partes. O próprio Grupo Pão de Açúcar reconheceu, depois de uma auditoria interna sob nova administração, não ter identificado qualquer serviço prestado pela Projeto. Na prática, acreditam os procuradores, a verdadeira razão dos pagamentos não podia ser registrada em papel: propina para Palocci defender os interesses da empresa.
A segunda apuração do MPF contra Palocci esquadrinha as suas relações com o grupo Caoa. A empresa automobilística aparece como a segunda principal cliente da Projeto. Pagou R$ 10 milhões à firma do petista. Uma parte dos depósitos ocorreu durante a primeira campanha de Dilma. Seria, de acordo com o contrato selado, para Palocci identificar e auxiliar em negócios na China. Não é o que acreditam os investigadores. “Aventou-se que o presente contrato destinar-se-ia, em verdade, a acobertar a prática do crime de tráfico de influência, ocorrido no processo de edição de medidas provisórias que, ao concederem benefícios fiscais à indústria automobilística, favoreceram sobremaneira a Hyundai-Caoa”, afirmou o procurador Frederico Paiva em despacho. A medida provisória, de fato, atendeu aos interesses da Caoa ao prorrogar as vantagens tributárias para montadoras instaladas nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste. O grupo comanda uma fábrica da Hyundai em Anápolis (GO). Por contratar “consultorias” similares, a Caoa se tornou alvo das operações Zelotes e Acrônimo. Em uma delas, há suspeitas de que teria pago R$ 10 milhões a Fernando Pimentel, então ministro da Indústria e Comércio de Dilma. Em troca, teria recebido benefícios fiscais. Clique AQUI para ler a reportagem completa e ver infográficos

10 comentários:

Anônimo disse...

sempre perguntei isso pela internet afora...

como que um medico sanitarista (nem pra cirurgiao o cara presta) conseguiu fazer uma carreira milionaria no ramo da consultoria financeira, acumulando patrimonio que nem mesmo especialista da area conseguem, nem em pouco tempo, ou em muitas vezes nem mesmo ao longo da propria vida profissional...

Anônimo disse...

COLOCAM UM PCC-CV-FARC-PT E ELEGEM MAIS CANDIDATOS DE PARTIDOS COMUNISTAS QUE SE ALIAM ENTRE SI; ESPERAREM DELES O QUÊ?
EVIDENTE, É SERMOS "GOVERNADOS" POR FACÇÕES DO CRIME ORGANIZADO, COMO TRAFICANTES!
Palocci era um gatuno de alto gabarito, embora se possa entender sem grandes atropelos que se juntou a uma sofisticada rede de bandidos e ladrões, reunidos numa sigla COMUNISTA política disfarçada de partido, denominada "Partido dos "Trabalhadores""!
Aliás, o comunista Crivella-PRB-Igreja Universal-Edir Macedo que se associou a esses meliantes vermelhos querendo ser prefeito do Rio; v tem coragem de votar nele?
E esse tal "Partido dos Trabalhadores" soube trabalhar bem o erario público em beneficio da quadrilha, até enquanto não levou o pé no rabo pelo povo, chutado para fora!
Apenas o chefão bandido-mor Lula foi mais esperto: teria muitos bilhões - Revista Forbes- e propriedades noutros países e aqui arranjou testas-de-ferro para atuarem em seu nome para disfarçarem posse de seus bens!
Quem votou no PT e em mais PCs e aliados deles, caso do PRB, PP, PDT, PC do B, PSOL, PSTU etc., são os responsaveis por descalabros no sofrido Brasil!

Fim do Foro de São Paulo disse...

Não esqueçamos jamais que o "povo brasileiro" apoiou a Orcrim, e os empresários deram suporte ao assalto ao Estado Brasileiro.

Anônimo disse...

O Sr. Palocci abocanhou só 200 milhões.Se um cidadão ganhar 10 mil reais por mês e não gastar nem um centavo,ele vai levar 1666 anos pra juntar uma grana desta magnitude.É revoltante pensar que temos hoje um país literalmente quebrado ocasionado por essa farra e o chefão de toda essa roubalheira,ainda continua livre e souto.

Túlio Xavier

Anônimo disse...

Renan Calhorda, com não sei quantos processos tem no STF, antes quase todo pró comunistas, não tinha nada sucedido com ele como foi com o nosso bandido-herói Cunha por aquele estar a serviço dos delinquentes incorrigiveis do PT!
Se acaso o Calhorda resolvesse mudar de direção como fez o Cunha, frouxo como é, vacilante, vai de acordo com o vento, já teria sido banido há muito tempo do Senado!
Nem de longe encararia uma situação dessa de ser prensado na parede ou também é peitudo como o Cunha!

Flailton Araujo Soares disse...

Ladrão matou milhares devido seu ato. Ele como médico sabe do fracaso na saúde brasileira devido a corrupção.

Antonio disse...

Do PT pode-se esperar de tudo, de roubo da merenda escolar ao sumiço de grandes fortunas surrupiadas de qualquer estatal. Eu só não esperava era que, algum dia, quando surgisse um juiz retado de competente e macho para botar essa cambada na cadeia, surgisse um jornalista da VEJA (REINALDO AZEVEDO)acusando esse mesmo juiz de autoritário e arbitrário, eu não entendo o motivo de tanta implicancia do referido jornalista com o juiz Moro.

Cactus disse...

Antônio -
.
A implicância de Reinaldo Azevedo com o juiz Sérgio Moro é pelo fato que ele está demonstrando que esta democracia é uma mentira, não existe, os políticos estão mancomunados com os empresários que surrupiam a grana dos pagadores de impostos, através de projetos públicos e projetos em outros países, envolvendo todos os partidos, inclusive o seu preferido e protegido P. S. D. B.
.
Está aí o seu desespero, principalmente quando viu o S. T. F. estuprar a Constituição, ele pouco falou nesse assunto, colocando a culpa unilateralmente em Lewandowsk, como se este fosse o único culpado. Cadê o seu partido para protestar? Ninguém protesta, nem ele, afinal isto é uma democracia, ele só protesta quando é de seu interesse! Sabe como é...
.

Anônimo disse...

o companheiro..... palofffi ta na jaula, - finalmente teremos justiça

Anônimo disse...

Não vejo ninguém comentar como a Receita Federal, tão voraz com os aposentados e cidadãos comuns, por mixarias, descumpriu seu papel fiscalizador com os tubarões do dinheiro público. Com a resposta A Receita Federal. Esses caras não faziam demonstrativos de ganhos? Não eram notificados? Quem prevaricou na função pública? E Ae Receita Federal? Não vai falar nada? Leão ou gazela?