TRANSLATE/TRADUTOR

segunda-feira, abril 24, 2017

O JOGO TERÁ DE SER JOGADO: SÓ MARINE LE PEN LIVRARÁ A FRANÇA DE SE TORNAR O PRIMEIRO CALIFADO DA CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL.

A Frente Nacional da candidata presidencial Marine Le Pen teve o melhor resultado de sua história. Mas, ao que parece, os franceses querem mais do mesmo até que a França se transforme no primeiro Califado do Ocidente.
O assunto político deste início de semana é a eleição presidencial ocorrida neste domingo na França. O resultado não poderia ser outro. Com mais de uma dezena de candidatos presidenciais o vitorioso deste primeiro turno só poderia ser o candidato do establishment, o queridinho da grande mídia, da ONU, da União Europeia e de milhares de ONGs que pululam ao redor do planeta turbinadas pelo generoso aporte financeiro da Open Society Foundation, do mega investidor George Soros, da Ford Foundation e de outras menos votadas que zanzam como assombrações "empoderando" o movimento esquerdista internacional. A verdadeira "new left" é esta do século XXI, capaz de guindar ao pódio da política o desconhecido Emmanuel Macron, espécie de andróide gerado em laboratório.

Com mais de 90% de urnas apuradas Emmanuel Macron cravou 23,56% e Marine Le Pen da Frente Nacional, 21,94%. Os dois disputarão o segundo turno no dia 7 de maio próximo.

Todavia, já se antevê o que irá acontecer. Aquele montão de candidatos - na França também existem os candidatos de partidos nanicos e independentes, coisa meio parecida com o Brasil e demais republiquetas bananeiras, correrão para o abraço com Macron. Os franceses continuam com aquela pose e aquela empáfia mas estão em decadência. Degolaram tantos na guilhotina que acabarão degolados pelos islâmicos que infestam a Nação francesa e dos quais Emmanuel Macron está enamorado.

O segundo turno, portanto, não deverá ter surpresas. Todos os demais candidatos correrão para abraço com Macron, ainda que seja o abraço de afogados.

A julgar pelo rolo compressor armado contra Marine Le Pen ela é uma vitoriosa. Pela primeira vez na história a Frente Nacional logrou seu melhor resultado eleitoral. Justamente quando teve contra si não apenas os candidatos rivais, mas todo o establishment em nível global que embala o movimento globalista urdido nos laboratórios da ONU, União Europeia e no famigerado Clube Bilderberg.

Na ponta, como os maiores operadores da lavagem cerebral das multidões, estão os jornalistas da grande mídia que, cevados pelas portentosas União Europeia, ONU mais aquela teia de ONGs esquerdistas. Pespegaram ao nome de Marine Le Pen a pecha de "extrema-direita". De graça é que não é. Anotem aí: mais adiante, sem qualquer dúvida, a verdade de tudo isso virá à tona. Lembram da Carta Capital?

Mas não deixa de ser estranho o fato de que os franceses em maioria continuam apostando em propostas que, no final das contas, são mais do mesmo, ou seja, a manutenção do obeso Estado socialista. Chega um momento - exemplos não faltam - que o troço explode sobrando a miséria por todo lado.

Aliás, este é o retrato da velha e carcomida Europa, locus por excelência da geração das mais nefastas ideologias: nazismo, fascismo, comunismo (que são verso e anverso da mesma medalha estatista totalitária) e finalmente, o anti-semitismo. A Europa não conseguiu até hoje desvencilhar-se do passado e a França é um emblema dessa coisa velha e com cheiro de mofo. 

Estive duas vezes na Europa há alguns anos, um pouquinho antes de ser batido martelo pela camorra de Bruxelas. Já naquela época constatei a presença de muitos forasteiros das arábias desde motoristas de táxi a garços e garçonetes em restaurantes e bares. Nem que me paguem a viagem em primeira classe e hotel cinco estrelas irei novamente a Europa. Primeiro porque o cheiro de mofo me causa alergia...

Na segunda parte desta postagem transcrevo um texto que postei aqui no blog há algum tempo que oferece um perfil de Emmanuel Macron. Trata-se de uma tradução de reportagem do site norte-americano Breitbart que postei aqui no blog em 02 de março deste ano de 2017. Leiam:
Macron: a personificação do nefasto globalismo.
A FORÇA DA CRUELDADE
Afirmando que a migração em massa é inescapável e só vai acelerar, o ex-banqueiro de investimento Emmanuel Macron afirmou durante sua campanha que os imigrantes são bons para a França e trazem "rajadas de criatividade e inovação" para a sociedade.
O candidato do establishment na corrida presidencial francesa também afirmou que os problemas nas comunidades migrantes não têm nada a ver com as ondas de migração em massa, mas são devido ao fracasso da França em integrá-los adequadamente. Ele também expressou apoio à discriminação positiva no emprego e "misturando" a demografia do bairro nas cidades.
Ao notar que a França recebeu menos imigrantes no ano passado do que outros países da Europa, Macron disse que "o tema da imigração não deve, portanto, preocupar a população francesa" em sua resposta a uma pergunta do presidente da ONG pró-migração Cimade sobre sua posição sobre Questões de política de migração.
"Então por que o [francês] debate? Porque [a migração] é a fonte de confusões e mal-entendidos. É uma forma de ansiedade ou, como dirão alguns autores, insegurança cultural.
"Mas as raízes de tais sentimentos reside na questão da integração, não em fato migratório", acrescentou o ex-banqueiro de investimentos, insistindo que a migração em massa é a "realidade" para "todas as democracias de hoje".
Macron também fez eco aos comentários feitos na semana passada, em que anunciou que o mundo entrou em uma era de migração em massa que será inescapável para a Europa. Ele afirmou que grandes ondas de migração de pessoas do terceiro mundo para a Europa só se acelerarão nos próximos anos como resultado de "incertezas geopolíticas e desestabilização climática"
A MENTIRA COMO ARMA
"Não devemos mentir aos nossos concidadãos - a imigração não é algo que possamos evitar", disse o candidato presidencial. Mas ele insistiu que o movimento de pessoas para a França oferece "oportunidades econômicas, culturais e sociais".
"Em todas as teorias do crescimento, [a imigração] é um dos determinantes positivos. Mas só desde que você sabe como cuidar dele. Quando sabemos como integrá-los e treiná-los, mulheres e homens renovam nossa sociedade, dando-lhe um novo ímpeto e novas explosões de criatividade e inovação ", disse.
Mas Macron observou que "a integração permanece um problema em France". Afirmando que o país "concentrou todas as dificuldades, culturais, econômicas e sociais, nos mesmos bairros", o candidato independente argumentou: "Não podemos mais descartar a desconfiança dos migrantes".
Propondo uma "regeneração urbana mais forte" para os subúrbios em conflito, dominados pelos migrantes na França, Macron elogiou o forçar de uma "mistura social" mais diversificada nos bairros e dividindo estudantes problemáticos entre uma gama mais ampla de escolas como suas soluções preferidas.
"A discriminação positiva no campo do emprego deve ser encorajada", acrescentou.
"Quero ajudar cada pessoa a integrar e combater as práticas discriminatórias nas empresas".
Proclamando que "o verdadeiro desafio reside no retorno às [fronteiras nacionais]", o líder presidencial atacou os candidatos nas eleições passadas e presentes que "prometeram fazer cumprir a lei de imigração e deportar estrangeiros irregulares" alegando que é quase impossível enviar migrantes ilegais de volta para Suas terras.
CAPACHO DO GLOBALISTAS
O sociólogo e escritor Mathieu Bock-Côté advertiu passada que Macron encarna "tudo de que a França quer se livrar".
"O globalismo excessivo e o esquerdismo cultural estão em contradição com as aspirações que parecem vir das profundezas do país", escreveu em Le Figaro.
Wikileaks revelou que Macron trabalhou numa aliança com Hillary Clinton no ano passado antes de sua derrota nas eleições presidenciais dos EUA.
O candidato globalista havia pedido a presença do candidato presidencial democrata em um jantar privado em outubro com vários políticos europeus, de acordo com um e-mail publicado no Wikileaks.
Nessa ocasião, uma discussão "para avaliar como os progressistas desenvolvem uma narrativa política e econômica bem-sucedida para combater o direito e os populistas à esquerda" deveria acontecer. Do site Breitbart -Click here to read in English

23 comentários:

Alexandre, The Great disse...

A França está um lixo. Já estive lá 3 vezes nos últimos anos e a cada vez estava pior. Não volto, pelo menos não a Paris. Falta pouco para ficar igual ao Rio de Janeiro e outras capitais brasileiras.

Anônimo disse...

Se os franceses forem otarios e elegerem Macron(= Kim Jong-Chávez-Maduro-dinastia Castro), embora muitos eleitores dessa ex França são de origem maometana - de imediato o país mudará nome para Francislam, garantido e, como ressaltou, será a desgraça Rio de Janeiro - reedição europeia!
Mas, por outro lado, temos 2 pesos pesados contrabalançando: Trump e Teresa May, senão nem mais precisaria de eleições, pois estaria tudo no papo se a hiena Hillaryabutre tivesse vencido a disputa!

Anônimo disse...

Só um jornalismo independente e imparcial pode descrever o que de verdade está acontecendo mundo afora, por isso mesmo muitos querem abafar a liberdade de expressão que existe na mídia de internet, como alguns marcos regulatórios que querem nos impor e leis de mordaças fins de calar os que estão contra nefastos sistemas globalistas de poder.
A França, assim como Alemanha, Inglaterra, Suécia e outros, estão sofrendo amargamente o preço de se renderem ao multiculturalismo, impulsionado pelo daninho e fracassado socialismo.

Antipetista disse...

Equação globalista: Obama = Hillary Clinton = Macron = João Dória.

Anônimo disse...

eu quero mais que a França se dane.Deve colher o que plantou.

Manoel Francisco Gomes disse...

Infelizmente Marine Le Pen será derrotada. Todos os partidos de esquerda e extrema-esquerda (no Brasil só se fala de esquerda, enquanto que toda direita é chamada de extrema ou ultra direita, repetido por 10 entre 10 idiotas nos programas de noticiosos, jornais e revistas) se unirão para derrotá-la.

Anônimo disse...

Na França só em cidades do interior ainda se pode ver um pouco do que era a França dos bons tempos. Paris afundou na merd@ multiculturalista. Está muito longe do que já foi. E receio que nunca mais volte a ser a "cidade-luz". Triste para os franceses e para o mundo todo.

Anônimo disse...

O jogo ainda não acabou, Le Pen mesmo numa situação desfavorável, resultado do primeiro turno, pode dar uma guinada.
França é a peça chave p/ o desmonte do nefasto UE e seus desmandos, torço pois sou italiano também, e quero ver livre destes ditadores onipresentes.
Caso não ocorra, terá o destino escolhido: queimar nas mãos do ISIS e politicamente correto, mas não se engane que é só lá, será refletido aqui também.

Anônimo disse...

Que os muçulmas dêem uma força a Le Pen: basta mais um atentadozinho e tchibum com Macron.
Se fossem as esquerdas, não lhes custariam montar um atentadozinho para dar uma força a mais ao cãodidato delas e nisso são mestras!

Anônimo disse...

http://radiovox.org/2017/04/24/foro-de-sao-paulo-em-acao-grupo-terrorista-do-pcc-ataca-ciudad-del-este/

Anônimo disse...

Aluízio, por favor escreva um artigo falando dessa estrovenga chamada DIN (Documento de Identificação Nacional). Esse troço tem um embasamento autoritário já em sua origem. Isso e a tal da nova lei de imigração serão a pá de cal em cima do que sobrou do Brasil.

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/04/1877918-identidade-unica-como-funcionara-o-novo-sistema-de-identificacao-no-pais.shtml

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

Procedo a uma pergunta deslocada do assunto acima, pois que no local apropriado no Facebook, perdi o endereço, mas se valer, pergunto: Carlos Andreazza é Fabiano?

Anônimo disse...

Chamando a direita de "EXTREMA-DIREITA"?
Vamos adotar doravante as "EXTREMAS ESQUERDAS", EXTREMOS ESQUERDISTAS, COMUNONAZIFASCISTAS"?

Manoel Francisco Gomes disse...

Artigo do ILISP afirma que os eleitores estão sendo enganados por Le Pen, elencando 18 propostas socialistas de seu programa. Comentando o artigo, eis o que diz a Caneta Desesquerdizadora:

Só falta saudar o escargot, dizer que irá estocar le vent e afirmar que as eleições têm uma figura oculta, que é um chien atrás.

Pelo comentário, Le Pen seria uma espécie de Dilma francesa. No programa, segundo o texto do ILISP, tem até um PAC, proposta para diminuir o preço da energia elétrica, entre outras propostas dignas não só de Dilma, como até mesmo do PSOL.

pvnam disse...

UM COMPLETO DESPREZO
.
.
.
O grande legado de Donald Trump foi as REACÇÕES aos seus discursos:
-1- o pessoal com uma elevada taxa de natalidade (um exemplo: islâmicos, etc) é altamente amigo... pois, desde que... não seja posta em causa a sua condição de «Donos Disto Tudo».
-2- os «donos disto tudo» (juntamente com as marionetas ao serviço da alta finança - capital global) têm um COMPLETO DESPREZO pelos povos nativos (na América do Norte, na América do Sul, na Austrália) que procuraram sobreviver pacatamente; e que, como eram economicamente pouco rentáveis, levaram com um holocausto massivo em cima... porque tiveram o «desplante» de querer ter o SEU espaço no planeta e de querer prosperar ao seu ritmo.
.
.
.
Anexo:
DEMOGRAFIA E SEPARATISMO-50-50: Todos Diferentes, Todos Iguais... ou seja, todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta -» inclusive as de rendimento demográfico mais baixo, inclusive as economicamente menos rentáveis.
-» Os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins, que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
---» blog http://separatismo--50--50.blogspot.com/.
.
.
.
P.S.
É necessário um activismo global
.
Democracia sim; todavia, a minoria de autóctones que se interessa pela sobrevivência da sua Identidade... tem de dizer NÃO ao nazismo-democrático, leia-se: é preciso dizer não àqueles que pretendem democraticamente determinar o Direito (ou não) à Sobrevivência de outros; isto é, é preciso dizer não àqueles que evocam pretextos para negar o Direito à Sobrevivência de outros.
[nota: nazismo não é o ser 'alto e louro', bla bla bla,... mas sim a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!]
.
-» Imagine-se manifestações (pró-Direito à Sobrevivência) na Europa, na América do Norte (Índios nativos), na América do Sul (Índios da Amazónia), na Ásia (Tibetanos), na Austrália (Aborígenes), ETC... manifestações essas envolvendo, lado a lado, participantes dos diversos continentes do planeta... tais manifestações teriam um impacto global muito forte.

Anônimo disse...

voces fiquem espertos com essa torcida, hein?

a May e a Le Pen, se vencer, podem estar preparando uma "big surprise" para os brasileiros...

preparemm os cartazes de "welcome refugees"....

Anônimo disse...

Coitada da Marine! estava vendo o noticiário agora à noite e... já está tudo acertado. Essa eleição francesa nada mais é do que um grande teatro da esquerda. Tudo não passa de uma grande encenação para dar um ar democrático à coisa. Não sou derrotista, pelo contrário, sou é muito realista, e é exatamente pelo fato da eleição se dar em um meio não-democrático que eu já dou como favas contadas a eleição de Macron. Quem viu as reportagens pode conferir: as grandes figuras, tanto políticas quanto empresariais da Europa toda nas entrevistas, algumas até num tom arrogante, já tratam o "centrista" como o novo presidente da França. Estão todos cegos pelo erro e não querem admitir. Por isso mesmo serão destruídos, não por uma guerra aberta, mas pouco a pouco, como uma broca que penetra na batata e a come por dentro, largando para trás só a casca. Vocês verão, seus idiotas suicidas!!!

Anônimo disse...

Escalada da Morte da França:
https://pt.gatestoneinstitute.org/10203/morte-franca

Anônimo disse...

A França já está no calabouço da história. O país se fez um mix de contradições políticas por todos esses anos e consagra-se como mais um do mesmo: um país cujo o mofo é adornado com Channel.
Interessante é quando esse capacho globalista diz que os imigrantes muçulmanos tem um novo ímpeto e novas explosões de criatividade e inovação. A palavra explosão soou bem duplo sentido afinal, os imigrantes muçulmanos são absolutamente incapazes de se auto proverem já que boa parte que adentrou a europa, em especial a frança são analfabetos rudimentares com um único propósito - invadir o país "acolhedor" e implantar sua Lei primitiva que permite estúpros de mulheres e a perseguição ao cristianismo e quem pensar diferente.
A Europa marcará a história como a maior queda de um bloco de países onde a cultura passa a ser varrida em substituição total por outra mais animalesca onde a razão é um estorvo que deve ser combatido.
O globalismo político ou stabilishment tocou a Europa como modelo de destruição do Mundo Ocidental.
Malditos seus membros e seus defensores.

Anônimo disse...

Ex-banqueiro, só isso explica tudo. Os piores usurários do planeta. Eles acham que estão no comando, se eles ganharem as eleições, quando o califado estiver estabelecido serão os primeiros a ser mortos.

Anônimo disse...

Esse artigo explica bem o economicismo dos liberais (tipo ILISP) e revolução cultural colocada em prática pelos comunistas.
A disputa de poder se dá na esfera cultural.

http://www.criticanacional.com.br/2017/04/25/a-esquerda-globalista-o-liberalismo-economico-sob-o-veu-do-economicismo-a-sobrevivencia-da-civilizacao-ocidental/

Anônimo disse...

FORZA Le Pen! A europa precisa sepultar duma vez o establishmet na UE.

Anônimo disse...

Quem irá acusar a China de Islamofobia?
.
http://www.breitbart.com/national-security/2017/04/27/china-bans-dozens-islamic-names-muslim-xinjiang-jihad-saddam-muhammad/