TRANSLATE/TRADUTOR. CLIQUE NO BANNER

sexta-feira, abril 19, 2019

TUDO QUE VOCÊ QUERIA SABER SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA E TINHA MEDO DE PERGUNTAR. MINISTRO PAULO GUEDES EXPLICA.


Paulo Guedes, Ministro da Economia do Governo Bolsonaro foi entrevistado ha cerca de uma semana na instituição Brookings em Washington, EUA. Tema: O mais recente sobre as reformas econômicas do Brasil. 
E, como podem observar, os que o entrevistaram após sua preleção meteram o dedo na ferida, aliás um fato comum em eventos dessa natureza.
Afinal, Paulo Guedes foi sabatinado no famosa Brookings Institution, que é um um grupo de pesquisa norte-americano fundado em 1916 na Think Tank Row, em Washington, DC. Realiza pesquisa e educação nas ciências sociais, principalmente em economia, política metropolitana, governança, política externa e economia global e desenvolvimento.
Sem muitos rapapés e salamaleques os ‘gringos' consumam ir diretamente ao ponto, de forma objetiva. Aliás, esse modo de ser e de encarar a vida tem muito a ver com o fato de que os Estados Unidos são a maior potência de mundo. 
Pois bem. Paulo Guedes, o Ministro da Economia do Governo do Presidente Jair Bolsonaro, num inglês fluente legendado em português pelo Canal Folha Política no Youtube, resumiu muito bem o conteúdo do Projeto da Reforma da Previdência. E, mais do que isso, de forma sucinta e objetiva discorreu sobre as sucessivas e desastrosas crises econômicas que estrangulam o desenvolvimento brasileiro e que tiveram seu ápice com a malfadada experiência de governos comunistas chegando ao fundo do poço com aventura comunista do PT e seus sequazes.
Por isso, decidi postar este vídeo aqui no blog para quem porventura não tenha visto possa ver agora e saber um pouco mais a respeito da propalada Reforma da Previdência pelas palavras de seu arquiteto que é o Ministro Paulo Guedes, cujo preparo intelectual e técnico é indiscutível. 

6 comentários:

Anônimo disse...

Muito Bom! Muito boa a entrevista! Infelizmente nossa cultura é uma cultura de guetos locais, estaduais, federal; sindicatos, judiciário, politico; milicias, crime organizado, narcotráfico. É tudo a mesma cultura salvacionista do "meu pirão primeiro". O problema é que a farinha não é pouca. É muita farinha! Mas, além de ser desperdiçada, são poucos que querem muito distribuindo o "rastoio". A mentalidade provinciana, colonial, reserva de território e mercado ainda prevalece. É como aquele juiz que está em uma audiência e o oficial está em outra audiência em nome do juiz e o juiz recebe os proventos de ambas.

Situações de desperdício e desvio de dinheiro publico acontece não só do governo federal mas também nos estados e municípios. Uma reforma politica deveria eliminar municípios com menos de 10 mil habitantes. Vejam que, ano que vem tem eleições municipais. No municipio em que moro as obras somente serão entregues e realizadas a toque de caixa no ano das eleições. Vejam que, até agora, governadores só reclamam e o Congresso só entrava e o judiciário briga por poder de exceção.

Eu tenho fé nas mudanças! Paulo Guedes é espetacular! Espero que grande parte da população vislumbre esse futuro e que ele comece agora.

Ferreira pena disse...

Parabéns Aluízio pela postagem. O ministro Paulo Guedes dá um show, pela fluência e precisão do raciocínio, deixa no chinelo até o famoso FHC.

Sempre Mais do MESMO disse...

A melhor parte foi aquela em que diz que o governo dá 10 bilhões e o cara compra duas ou três fábricas la e se torna o maior. ...rsrs ...Uma verdade que deveria ter envergonhado o brasileiro, mas preferiu se orgulhar de ter um brasileiro grande. ...rsrs

No mais o aluno do professor raimundo, Rolando Lero, ficou com inveja. ...rsrs

Lembro de quando Zélia, ex militante do Partido Comunista e mais uns outros economistas adeptos, lançou o CONFISCO das contas dos brasileiros. Apersar de roubados muitos aceitaram, outros prostestaram e alguns se suicidaram.
Havia um senhor que estava juntando dinheiro para construir sua casa e perdeu tudo para o governo Collor.

Ele ELOGIOU o CONFISCO que o arruinou. Dizia que "É PARA O BEM do BRASIL". Evidentemente que não aceitou o que eu disse, opondo-me a tal despaupério. Eu afirmava que logo o governo aproveitaria o fôlego para gastar mais com roubalheira e inchaço estatal. Ele desprezava meus argumentos, certamente por achar que não deveria dar crédito a um jovem.

Assalariado = R$2000,00/mês =>> 220,00 + 400,00 = R$ 620,00/mês contribuição.

30 anos = 390 meses acumulados a taxa de JURO REAL de 0,25% mês (do FGTS, bem baixa)
Corresponderia a um Valor Presente de pouco mais de R$408.000,00

Se reaplicados a mesma taxa de 0,25% ao mês (3% ano), os 408 mil dariam uma mensalidade de R$1835,00 por 25 anos com 13º em valores atuais.

O assalariado com 2000,00 recebe R$ 1800,00 após desconto da previdência e seu patrão paga mais R$400,00 por ele.

Ou seja, mesmo aplicando a juros baixíssimos, só os valores sobre salário para previdência já dariam para manter a aposentadoria.

Sob o regime de previdência atual esse assalariado se aposentaria após 35 anos de contribuição (não os 30 anos do exemplo) com menos de 1400,00 e após uns 5 anos mal conseguiria uns 1200,00, se muito. Porque as correções da aposentadorias acima do mínimo por vezes não correspondem nem a inflação, ficando desatualizadas. Surgem os recalculos e uma máfia de despachantes e advogados se fartam.

Ao contrário do funcionário estatal que mantém sua aposentadoria atualizada pelo salario atualizado na função. Como Lula deu aumentos astronomicos para o funcionalismo estatal, os caras descontaram sobre valores muito menores, ainda para receberem sobre aumentos reais.

Nas empresas estatais além do INSS as empresas fazem aportes nos Fundos de Pensão para cobrir-lhes o rombo, além da parte da empresa. Se dão prejuizo, o governo usa os impostos para garantir mais aportes nas empresas estatais para bancar seus funcionários privilegiados.

Primeiramente as estatais não deveriam bancar Fundos de Pensão para funcionários. Tinham que ser exclusivamente mantidos pelos funcionários. O mesmo digo para qq funcionário estatal.

Imaginemos agora alguém contribuindo por 40 anos o quanto não receberia de aposentadoria por mais 30. (R$2650,00)

Ocorre que ainda tem outras participações de contribuição ao INSS.

Uma idéia:
Se houvesse um judiciário com ínfimo mínimo de decência e lei decente, todo cidadão poderia investir em FORNECIMENTO de CRÉDITO (financiadores pessoais).

Havendo SEGURANÇA JURÍDICA sobraria crédito barato para empresas e compradores. Pois emprestar seria seguro para qualquer um, seja diretamente ou participando de fundos administrados por empresas específicas e bancos.

CLARO que a INSEGURANÇA JURÍDICA empurra todos o tomadores de recursos para serem tosquiados pelos BANCOS. Não havendo loucos oferecendo crédito por si mesmos. Exceto os mafiosos agiotas que recorrem a violência para receberem seus créditos.

Uma boa saída para aposentadorias seria ESSA: particulares disponibilizando créditos para tomadores. ...DESDE QUE HOUVESSE SEGURANÇA JURIDICA.

Porém juizecos safados adoram ser "bonzinhos" com o dineheiro alheio e rolam anos os processos e NINGUÉM PRECISA PAGAR. ...Só empresas especializadas conseguem porque tem a "caixinha" e mesmo assim olhe lá. Daí juros exorbitantes nos agentes financeiros.

Sempre Mais do MESMO disse...

Ah!!!

Como não há segurança juridica, como as leis são meras alegorias e ninguém é obrigado a pagar dívidas, exceto as referentes a impostos, ninguém arrisca oferecer crédito no mercado. Exceto agiotas mafiosos que se valem da violência para conseguirem o pagamento.

Os bancos APRECIAM essa "vagabundagem legal" e a demagogia juridica com o bolso alheio. Já que apenas agentes financeiros se arriscam cobrando juros exorbitantes e, talvez até participando de "caixinhas juridicas".

O Estado também se beneficia, pois essa poupança vai para titulos estatais via bancos. Assim, com oferta de poupança pessoal o Estado pode captar a menores taxas, empurrando as taxas para tomadores particulares para as alturas, já que não há mínima segurança para financiadores pessoais se receberem o que foi emprestado. Tudo se dá então via agentes financeiros que lucram com a insegurança juridica.


Anônimo disse...

Puxa, você é tão sabido que deveria tomar o lugar de Pulo Guedes. Tem todas as análises certeiras e todas as soluções já prontas. Parabéns!

Sempre Mais do MESMO disse...

Obrigado!

...rsrs!!!