TRANSLATE/TRADUTOR

sábado, janeiro 21, 2017

A VITÓRIA DA LIBERDADE



Clique sobre as imagens fotográficas para vê-las ampliadas e veja e ouça o juramento de posse e o discurso completo de Donald Trump legendado em português.
Velhos de guerra, os norte-americanos mandaram ver. Não adiantou a grande mídia e seus jornalistas amestrados manipular a informação, ou seja, tentar fazer crer que o pleito presidencial estava no papo da canalhada globalista representada por Obama e os Clintons. Donald Trump venceu todos os rounds: nas urnas, na recontagem de votos, no colégio eleitoral, enfim, fez barba e bigode, enfrentando sozinho o maior aparato de propaganda jamais visto na história do Ocidente. Todo o establishment em nível doméstico e planetário foi mobilizado para tentar de todas as maneiras possíveis e impossíveis evitar o inevitável, ou seja, a vitória de Trump.

O crédito de honra para esse resultado, além dos inegáveis méritos pessoais de Trump, é para a maioria dos eleitores americanos. Sem algazarra, sem rompantes, sem passeatas, sem quebra-quebras, sem histerismo, surgiram no dia da eleições em hordas, em filas homéricas para dar os eu recado contra a guerrilha globalista-esquerdista que pretendia assestar o golpe de misericórdia na Civilização Ocidental, em outras palavras, decretar a morte da nossa liberdade individual.

Como o voto não é obrigatório nos Estados Unidos, centenas e milhares de eleitores que optaram no passado pela abstenção resolveram votar. Perceberam, de forma correta, que o pleito desta feita extrapolava as fronteiras norte-americanas. Estava em jogo não só o futuro imediato dos Estados Unidos mas de toda a civilização ocidental e Donald Trump transformou-se no último bastião de salvação não só dos Estados Unidos, mas de todo o Ocidente.
Portanto, não tem preço comemorar este feito heróico do povo americano e da pertinácia inabalável de Donald Trump durante toda a campanha eleitoral, como não tem preço ver o desespero histérico dos esquerdistas e seus sócios globalistas.

Este post, com duas fotos históricas da posse de Donald Trump e os vídeos da solenidade de juramento e do discurso do novo Presidente dos Estados Unidos da América é gratificante para este blog e, suponho, para todos os leitores que o prestigiam.

Com mais de 45 anos de jornalismo que incluem atividade de quase uma década no que se qualifica de "jornalismo digital", ou seja, por meio da internet, posso afirmar que a vitória de Donald Trump é o evento mais importante que testemunhei como jornalista. As razões que embasam a minha afirmativa - tenho certeza - são as mesmas que mobilizaram os milhares de eleitores norte-americanos. É quase como uma III Guerra Mundial, desta feita incruenta, silenciosa, por meio do singelo e asséptico ato de votar.

Viva a liberdade! Viva a Civilização Ocidental! Obrigado cidadãos norte-americanos que perceberam o que estava em jogo. Obrigado Donald Trump por todo o seu trabalho e empenho até aqui. Obrigado estimados leitores!
SOBROU O HISTERISMO

Hehehe...

Sponholz: Retratos do Brasil.

sexta-feira, janeiro 20, 2017

O MUNDO É LARANJA

Hora de descartar os delirantes esquerdistas bananeiros
O artigo que segue após este prólogo é de Alexandre Borges, diretor do Instituto Liberal. Borges não é jornalista, mas publicitário. Entretanto, põe no bolso todos os ditos jornalistas da grande mídia, sobretudo aqueles metidos a formular análises políticas. 

Mantive no título deste post o original da análise de Alexandre Borges que foi publicada na edição desta sexta-feira do jornal Gazeta do Povo, de Curitiba. Trata-se de um jornal tradicional do Paraná e que se insere no conjunto dos veículos da grande imprensa. Já havia notado que a Gazeta tem aberto espaço para análises políticas afinadas pelo diapasão da verdade em contraste com a cantilena cretina e pestilenta de um punhado de sequazes do esquerdismo delirante bananeiro que mais não fazem além de promover a desinformação.

Portanto, se quiserem saber o que de fato está rolando e pode rolar com a posse de Donald Trump leiam este artigo de Alexandre Borges e compartilhem à farta pelas redes sociais. Depois dêem um clique desligando a televisão, especialmente a famigerada "Fake News", como passou a ser conhecida a pretensiosa e mentirosa emissora da Globo e aproveite o final de semana deste verão calorento.

Eu, aqui no blog, continuarei esgravatando a internet, as redes sociais e os excelentes sites conservadores norte-americanos para oferecer a vocês, estimados leitores, o máximo de informação e zero de desinformação. Como podem notar não estou mais fazendo link para veículos da grande imprensa. Este link para a Gazeta do Povo é uma feliz exceção e se deve ao fato de que esse jornal pelo menos está quebrando o círculo de ferro da desinformação levada a efeito por essa cambada de diletantes esquerdistas mentirosos que se arvoram na condição de jornalistas para mentir e sobretudo desinformar, valendo-se da boa fé de milhares de leitores e telespectadores. Em tempo: mantive também a ilustração que é de autoria de Felipe Lima. Leiam o artigo de Alexandre Borges:
Enquanto você lê este artigo, a América faz a maior mudança política desde o dia em que Ronald Reagan substituiu Jimmy Carter como morador da Avenida Pensilvânia, 1600, há 36 anos. Você está testemunhando história.
A posse de Donald Trump no cargo mais poderoso do planeta não é inédita apenas por ele ser o mais velho a assumir ou o primeiro que não veio da política ou das forças armadas. Trump representa o momento em que a ordem mundial estabelecida após a queda do Muro de Berlim está, pela primeira vez, em xeque.
Os americanos deram ao Partido Republicano sua maior vitória desde 1928, uma rejeição inegável ao “popular” Barack Obama. Após expiar as culpas do passado, o eleitor preferiu desta vez analisar racionalmente o governo e seu legado, o que inclui a explosão do déficit público e a piora de todos os índices sociais relevantes, sem contar os escândalos que só aparecem nos rodapés das páginas de jornal, mas que ele acompanha de perto nas redes sociais e nos poucos veículos independentes. Foi também um “não” à candidata com acusações de fazer o PT parecer um colégio de freiras.
Com o fim da Guerra Fria e da União Soviética, emergiu uma nova ordem política “globalista” (favor não confundir com “globalização”) em que o mundo se tornaria gradativamente um único Estado sem fronteiras, com as nações perdendo sua autonomia e suas identidades nacionais. Acordos supranacionais eram assinados a todo momento, criando profundas transformações para as populações locais que eram raramente envolvidas nas decisões.
Aos poucos, o Estado-nação soberano e independente foi sendo visto como um anacronismo a ser removido. Qualquer um que se opusesse à perda da soberania do seu país passou a ser demonizado publicamente como “radical”, “xenófobo”, de “extrema-direita” e “protecionista”. A resposta do eleitor às ofensas e calúnias dos “globalistas” chegou com o Brexit e com Trump. E não deve parar com eles.
O bilionário de cabelo laranja não deve ser classificado apressadamente nas categorias usuais de “direita” e “esquerda”. As regras do jogo mudaram, mas muitos ainda tentam entender o novo campeonato usando as velhas cartilhas. Trump foi “conservador” ou “liberal clássico” quando clamou por menos impostos e regulações para liberar a economia das amarras do intervencionismo estatizante do antecessor. Trump foi “esquerdista” quando prometeu US$ 1 trilhão em investimentos públicos em infraestrutura, um pacotaço de fazer John Maynard Keynes e Franklin Roosevelt levantarem do túmulo para aplaudir. Trump foi ambíguo quando falou em melhorar os acordos comerciais do país, o que fez com que os apressados já saíssem classificando suas declarações como “protecionistas”.
O pouco que se pode afirmar neste momento é que Trump, lembrando João Dória em São Paulo, não deixou suas empresas e veio para a política a passeio. Suas escolhas para o ministério mostram uma capacidade admirável de perdoar antigos opositores. Apenas o anúncio do general James Mattis para a Defesa já deixou o mundo um pouco mais seguro. Quem acha que o governo Trump vai dever favores à Rússia não faz ideia de quem ele é.

Se Trump fizer as obras públicas que promete e mantiver as grandes empresas no país, além de oferecer uma boa alternativa ao Obamacare, terá um cacife eleitoral quase imbatível em 2020, mesmo com a imprensa já embarcando alegremente na campanha de Michelle Obama. Se baixar impostos e tirar regulações, poderá turbinar a economia e entregar a promessa de fazer a América “grande novamente”. O tempo dirá.

Sponholz: Sem destino...

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

DONALD TRUMP TOMA POSSE HOJE COMO O 45º PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Na foto acima, o presidente eleito Donald Trump saúda Lincoln com sua esposa Melania Trump no momento em que chegam, na tarde ontem, para o concerto pré-Inaugural "Faça a América Grande novamente! Welcome Celebration" no Lincoln Memorial em Washington, quinta-feira. Esse evento foi um dos atos que antecedeu a cerimonia de posse que se realiza nesta sexta-feira em Washington, DC.
Trump e sua esposa Melania na foto acima fazem uma reverência especial à memória do Presidente Abraham Lincoln que entrou para a história dos Estados Unidos. Dentre suas ações liderou o país de forma bem sucedida durante sua maior crise interna, a Guerra Civil Americana, preservando a União e abolindo a escravidão, fortalecendo o governo nacional e modernizando a economia. Criado em uma família carente na fronteira oeste, Lincoln foi autodidata, se tornou mais tarde um advogado. Foi eleito presidente pelo Partido Republicano. Posteriormente foi assassinado.
Por isso Lincoln é reverenciado com um Memorial em Washington, local escolhido por Donald Trump para o evento pré-inaugural da solenidade de posse que ocorre nesta sexta-feira.
Praticamente a totalidade dos veículos da grande mídia continuam escamoteando as informações relevantes da posse do presidente eleito Donald Trump em ato que ocorre nesta sexta-feira. E como noticiei e comentei em postagem nesta quinta-feira, a grande mídia americana faz de tudo para insuflar atos de protesto contra Trump. A CNN chegou ao cúmulo de veicular uma matéria instigando o assassinato de Trump, afirmando que se tal acontecesse Obama nomearia um sucessor. 
Me dei ao trabalho de vasculhar os sites noticiosos. Dentre eles o site Breitbart traz um excelente material informativo do que aconteceu nesta quinta-feira e o que vai rolar nesta sexta-feira. Há inúmeros vídeos, fotos e informações, inclusive vídeos de manifestações esquerdistas. Pelo que se nota, são arruaceiros iguais àqueles que operam no Brasil. Coisa pequena e que é ampliada pelo jornalismo “fake news” da grande mídia. Um troço vergonhoso. Pena que o site é em inglês mas tem o recurso de tradutores online que podem ajudar os leitores.
Como este blog aqui é escrito e editado por uma só pessoa, fica difícil poder oferecer um material mais amplo. Passei praticamente o dia inteiro nesta quinta-feira zapeando pela internet em busca de informações relevantes. Mas apenas os sites conservadores americanos apresentam um material jornalístico confiável. Com a internet é possível, portanto, furar o bloqueio da grande mídia. 
A totalidade dos jornalistas dos grandes veículos são agentes do esquerdismo. E vão além disso. Em alguns momentos se tornam ativistas e agitadores, como ilustra o caso ocorrido com a CNN.
Fico grato aos leitores que, afinal, são também parceiros nessa empreitada em busca da verdade com a finalidade de contribuir para mundo melhor e, sobretudo, com mais segurança e mais oportunidades de uma vida mais tranquila para todos.

Sponholz: Investiguem...

quinta-feira, janeiro 19, 2017

CONFIRMADO: MINISTRO TEORI ZAVASCKI MORREU NO ACIDENTE AÉREO PRÓXIMO A PARATY.

Segundo os sites noticiosos, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF) morreu na tarde desta quinta-feira na queda de um avião no mar próximo a Paraty, próximo a Ilha Rasa, na Costa Verde do Rio de Janeiro. Ele tinha 68 anos. A informação foi confirmada pelo filho de Teori, em publicação nas redes sociais.

"Caros amigos acabamos de receber a confirmação de que o pai faleceu. Obrigado a todos pela força", escreveu Francisco.

VÍDEO: DONALD TRUMP E SUA FAMÍLIA JÁ ESTÃO EM WASHINGTON, DC, PARA A POSSE HISTÓRICA AMANHÃ, SEXTA-FEIRA, DIA 20 DE JANEIRO DE 2017

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, sua família, filhos e netos desembarcaram esta tarde em Washington DC, para a grande cerimônia de posse que acontecerá amanhã, dia 20 de janeiro de 2017.

Anotem esta data. Tem tudo para entrar na história da Civilização Ocidental. Até onde se pode enxergar neste momento e, a julgar pelas propostas de sua campanha eleitoral, Donald Trump poderá ser o divisor de águas na história do Ocidente, sem falar no âmbito doméstico. Sim, porque deverá ter um impacto notável como nunca houve na história dos Estados Unidos da América.

Neste vídeo da Fox News, que reportou a chegada de Donald Trump a Washington, DC, nesta tarde, já dá para sentir toda a diferença. E a mais importante delas refere-se a um fato fundamental: a importância que Trump dispensa à sua família num momento de deletério esgarçamento do tecido social e familiar por meio da nefasta ação do denominado "politicamente correto", a novilíngua que tem embalado até aqui a guerra cultural destinada a solapar todos os fundamentos da nossa Civilização Ocidental. Isto significa em outras palavras, a destruição de seus alicerces sociais e políticos, suas tradições, elementos que permitiram a grandeza da nossa civilização que não tem paralelo na própria história da humanidade. Dentre elas a mais importante: a liberdade individual.


Destarte, Donald Trump representa um fator político de imensa grandeza no sentido de impedir a destruição da Civilização Ocidental. Por isso mesmo, sua posse como Presidente da maior potência mundial, os Estados Unidos, tem todo esse impacto sem paralelo na história da Nação norte-americana e da própria história da humanidade.

Veremos nas próximas horas e, sobretudo, nesta sexta-feira, dia 20 de janeiro de 2016, a grande mídia e seus canalhas, mentindo, distorcendo os fatos, confundindo e produzindo "fake news". Um milhão de vezes canalhas. Todos eles da grande mídia são canalhas e embusteiros vagabundos.

Eu afirmo isso com conhecimento de causa. Estou há mais de 45 anos exercendo a profissão de jornalista. Boa parte disso dentro de redações. Portanto eu conheço essa canalhada como a palma da mão. Desses que estão na grande mídia não escapa nenhum. Se há algum jornalista que não comunga com essa mega patifaria que tenha a coragem de largar essa imundice e denunciá-la, seus escrotos, estúpidos, safados, mentirosos, trambiqueiros e penas alugadas dos comunistas. Quando a ignomínia é tão grande torna-se impossível qualificá-la e descrevê-la por palavras. O estoque de impropérios não dá conta.
IMPRESSIONANTE!!!
Se alguém tinha alguma dúvida sobre o que tenho afirmado a respeito da grande mídia este fato que lhes apresento agora serve para dar uma dimensão exata. 

A CNN, emissora de televisão americana acaba de corroborar tudo o que tenho afirmado a respeito da grande mídia. Na cobertura da chegada de Donald Trump a Washington DC, a CNN dedicou-se a especular que se Donald Trump morresse de hoje para amanhã, assumiria um indicado por Obama.

A informação foi postada pelo Leandro Ruschel, empresário gaúcho que vive nos Estados Unidos atuando na área do mercado. Todavia, é um arguto analista político por meio de sua página no Facebook.

Tanto é que fez um fotograma da imagem da CNN quando tecia comentários sobre - pasmem - o que aconteceria se Donald Trump morresse? Parece mentira, mas é verdade. No mínimo, esse vagabundos da CNN estão incentivando o crime e continua açular a malta esquerdista fanática. Essa gente não vale absolutamente nada. Como tenho reiterado, mentem, falsificam os fatos e agora estimulama violência contra o presidente eleito Donald Trump. 

Isto é uma barbaridade que, honestamente, jamais vi em toda a minha vida de profissional do jornalismo. E mais uma vez: essa gente não chega a esse nível de graça. Alguém os paga. Esses trastes estão comendo fartos caraminguás. Quem viver verá. 

O HILARIANTE COMPORTAMENTO DA TURBA ESQUERDISTA E DA GRANDE MÍDIA NAS ÚLTIMAS HORAS QUE ANTECEDEM A POSSE DE DONALD TRUMP


A Embaixada da Resistência, em sua excelente página no Facebook, postou mais um vídeo legendado sensacional das últimas horas que antecedem a Inauguration Day, ou seja, a posse do presidente eleito Donald Trump, que acontecerá amanhã, sexta-feira 20 de janeiro de 2017. Anotem aí. É uma data que deverá entrar para a história não apenas dos Estados Unidos, mas para a própria história da Civilização Ocidental.
Chega a ser surrealista o comportamento dos esquerdistas como vocês podem conferir. A maioria gente jovem cujos cérebros foram abduzidos por meio da lavagem cerebral das universidades, do cinema de Hollywood e, como não poderia deixar de ser, pela grande mídia que lá nos Estados Unidos como em qualquer parte do mundo é dominada por imbecis.
Neste aspecto, a diferença dos Estados Unidos para o resto do mundo é que na Terra de Tio Sam ainda existem jornalistas de verdade, inclusive em alguns canais de TV, como a Fox News. Mas a verdadeira trincheira jornalística da liberdade são sites jornalísticos conservadores, empresas de comunicação com pessoal profissional gabaritado e que não  chafurda na imundice esquerdista. Graças aos recursos da internet, redes sociais e plataformas de vídeo, a denominada “mídia mainstream” está levando uma verdadeira surra.Tanto é que esses veículos jornalísticos conservadores já começam a ser atacados pelos psicopatas da grande mídia. Há ainda centenas ou quiçá milhares de páginas conservadoras no Facebook, como é o caso da Embaixada da Resistência que se destaca por traduzir para o português inúmeros vídeos que fazem um contraponto importante à “midia bias’, ou seja, a mídia de viés do jornalismo partisan que infesta e domina as grandes empresas de comunicação hoje difusoras de “fake news”, notícias falsas e que por isso perderam os últimos resquícios de confiabilidade.
Sobre o vídeo acima que ilustra bem o que acabei de declinar, a Embaixada da Resistência anota o seguinte: "Bikers for Trump vão a caminho para proteger o Presidente" - A cavalaria patriota quer formar uma "muralha de carne" para proteger o imperador Trump do ataque do enxame de mosquitos barulhentos que o perdedor Soros irá patrocinar, vulgarmente chamados de idiotas úteis ou zumbis da grande mídia.
Será o embate da velha América VS a nova Anti-América, o embate entre veteranos que desfraldam a bandeira VS crianças perturbadas que usam a bandeira como fraldas... Isto está cada vez mais épico... Parece que à medida que os filmes de Hollywood são cada vez mais decadentes e vazios, a realidade é cada vez mais interessante...".
Por outro lado, o economista Paulo Figueiredo Jr., que vive nos Estados Unidos, anotou o seguinte em sua página do Facebook:
O "jornal" O Globo de hoje tem "Conheça 12 vexames de Trump em Hollywood" e "Relembre os melhores looks de Michelle Obama". "Mundo pode sofrer com política de Trump, diz chefe da HRW" e "Com alta popularidade, Michelle Obama deve ter futuro atuante." Tudo isso lado a lado, sem cerimônias. Quem acredita em mídia imparcial é um idiota completo.
Tem absoluta razão o Paulo Figueiredo Jr.  Esta lamentável realidade no que concerne  à grande mídia é sintomática. Torna-se cada vez mais rara a oportunidade de citar notícias e/ou textos opinativos e analíticos da grande mídia, a mostrar que a vitória de Donald Trump serviu para revelar uma grande verdade: os alegres rapazes e raparigas da grande mídia quando não são burros congênitos, são idiotas úteis do esquerdismo ou estão mamando nas tetas da Open Society de George Soros, Rockefeller Foundation, Clinton Foundation, União Européia, ONU, OEA e demais organizações decididas a submeter os cidadãos e cidadãs do mundo ocidental à sharia, a lei islâmica. Os recalcitrantes, como almejam esses boçais criminosos, devem ser degolados.
Portanto, o nível de boçalidade desses vagabundos da grande mídia bundalelê e daqueles que os sustentam além de ser surrealista é criminoso.

Sponholz: O golpe baixo de Obama.


quarta-feira, janeiro 18, 2017

COM O BREXIT E DONALD TRUMP NO PODER EUA E REINO UNIDO VOLTAM A FORMAR A ALIANÇA MAIS PODEROSA DO MUNDO

Donald Trump espera estar em posição de oferecer ao Reino Unido um acordo de livre comércio dentro dos "primeiros seis meses ou primeiro ano" de sua administração, diz Anthony Scaramucci, o famoso empreendedor e 'host' do programa Wall Street Week e que servirá como o Diretor de Relações Públicas e Assuntos Intergovernamentais do governo Trump.

Falando à ITV News, o fundador da SkyBridge Capital confirmou que o plano atual é "entrar na Casa Branca e fazer com que o presidente seja empossado e então tomar as medidas necessárias para garantir que o Reino Unido passe para a linha de frente e não permaneça no final da fila no que tange a negócios e acordos comerciais.

A referência de Scaramucci ao "final da fila" foi uma cututucada no presidente cessante Barack Obama que ameaçou deixar os britânicos no final da fila de espera de um acordo comercial se votassem em favor de deixar a União Européia. É que submetida à UE a Inglaterra estaria impedida de realizar acordos comerciais por conta própria. Teria caso se submeta aos burocratas da União Européia que não permitem que os países membros possam fazer os acordos comerciais livremente.

O fato de Obama ter utilizado a palavra "fila" ('queue' em inglês britânico), que é incomum no inglês americano, levantou suspeitas de que ele tenha sido influenciado pelo ex-premiê David Cameron. Neste caso, a decisão de Scaramucci é colocar o Reino Unido em primeiro lugar.

Os comentários positivos de Scaramucci vêm logo após o presidente eleito se comprometeu a obter um acordo comercial "feito rapidamente e feito corretamente", após Brexit, em uma entrevista com o The Times de Londres, congratulando-se com o público britânico sobre a sua decisão de deixar uma União Européia que é, segundo ele, "basicamente um veículo para a Alemanha ".

"Vemos o vínculo de relacionamento único e especial que esses países e pessoas têm entre si", disse Scaramucci à ITN, ecoando os sentimentos expressos pelo próprio Trump.

"Eu sou um grande fã do Reino Unido", disse o líder republicano, lembrando sobre o orgulho de sua mãe escocesa em relação à Rainha.

Perguntado sobre como ele pensava que o presidente eleito continuaria com a UE no cargo, Scaramucci revelou otimismo. "Muito melhor do que a UE pensa. Eu o conheço muito, muito bem, e eu entendo exatamente o que ele está pensando, e eu entendo sua bondade e sua natureza gregária e seu charme - ele realmente quer se dar bem com o resto do mundo ".

No início da semana, porém, Scaramucci alertou os participantes da atual conferência de Davos na Suíça de que "a liderança europeia e as elites européias ... deveriam prestar maior atenção às famílias da classe trabalhadora e da classe média".

Ele também reiterou a opinião do presidente eleito de que os membros europeus da OTAN devem começar a "pagar suas contas" e reorientar seus esforços para conter as ameaças do "terrorismo islâmico". Do site Breitbart em tradução livre do Inglês - Click here to read in English