TRANSLATE/TRADUTOR

domingo, maio 29, 2016

O POVO BRASILEIRO ESTÁ VENDO TUDO

Só para lembrar aos esquecidos: Avenida Paulista, em São Paulo, em 13 de março deste ano de 2016. 
São milhões, talvez bem perto da totalidade o número de brasileiros que silentes aguardam o desenrolar dos acontecimentos políticos. As faixas, as bandeiras do Brasil, as camisetas verdes e amarelas já lavadas e devidamente acomodadas nos armários estão prontas para serem utilizadas outra vez. Dependerá de como os políticos agirão nos próximos dias.

Estão todos de prontidão e não irão tolerar qualquer esquema que possa impedir o julgamento final do impeachment da Dilma no Senado.
Não será por intrigas da grande imprensa brasileira por meio de jornalistas a soldo do PT que a maioria dos brasileiros engolirá qualquer retrocesso nos trâmites do impeachment. As ruas estão calmas mas podem de uma hora para outra serem tomadas por uma massa humana de proporções jamais vistas na história do Brasil. Esta é a realidade dos fatos. O silêncio momentâneo não significa alienação dos fatos, muito menos um recuo.

O Brasil se transformou numa imensa panela de pressão pronta para explodir. Todavia a válvula de escape  por enquanto ainda funciona, mas uma leve aquecida pode provocar aquilo que ninguém deseja.
A chama que crepita sob a panela de pressão é alimentada por várias fontes. As principais procedem do esquema para barrar a Operação Lava Jato e do corpo mole e oportunista dos políticos corruptos, mentirosos e ladrões que neste momento fazem de tudo para procrastinar a fase final do impeachment no Senado.

Outra fonte de calor sob a base da panela de pressão procede da grande imprensa nacional e até mesmo internacional. Além promover a "desinformação" a grande mídia mente e tergiversa sem qualquer cerimônia. 

Não é para menos que toneladas de jornais e revistas bóiam adoidado nas bancas de todo o país. Já os noticiários políticos das redes de televisão são ridículos. Fazendo um inventário completo chega-se à conclusão que os políticos e os jornalistas da grande imprensa fazem um esforço danado para impedir que o Brasil seja realmente passado a limpo e aqueles que têm culpa no cartório recebam a devida punição dentro da lei.

Se os políticos e seus jornalistas comparsas pensam que ninguém está vendo tudo, enganam-se. E não precisa ser doutor ou expert em jornalismo para perceber o que está rolando no breu das tocas. 

As camisetas verdes e amarelas, as Bandeiras do Brasil, os cartazes Fora Dilma, Fora Lula, Fora PT, Fora Comunistas, o pixuleco e a bandilma estão todos prontos para serem utilizados novamente a qualquer momento. Ainda bem que são - por enquanto - simples adereços... se é que me entendem. 

O que Lula e seus sequazes fizeram com o Brasil é algo hediondo, criminoso. Sim, porque falir um país de 204 milhões de habitantes e considerado até mesmo como a 6a. ou 7a. economia do planeta é um fato inaudito na história do Ocidente que se seguiu após a Grande Guerra.

Uma investigação restrita ao âmbito da Polícia Federal do Paraná envolvendo lavagem de dinheiro em certa altura descobriu um elo com a roubalheira da Petrobras. Puxado o fio da meada deu no que deu, ou seja, o petrolão e seus tentáculos que se insinuam por todos escaninhos do pútrido poder. O cálculo do prejuízo foi revelado em parte na dita meta fiscal aprovada entre uivos de um bando de psicopatas histéricos dentro do Congresso Nacional.

Portanto, quaisquer tentativas de melar a Lava Jato e de procrastinar o julgamento final do impeachment da Dilma terão o imediato repúdio da maioria do povo brasileiro. Os alegres rapazes e raparigas da grande imprensa estão gastando vela com defunto ruim. Aliás eles já fazem parte do séquito histérico do bando de psicopatas que pensava ser o dono do Brasil.

Estão brincando com fogo.

sexta-feira, maio 27, 2016

Sponholz: Feios, sujos e malvados.


REPORTAGEM-BOMBA DE 'VEJA' REVELA EXPLOSIVA DELAÇÃO DE PEDRO CORRÊA COM RELATO CONTUDENTE QUE ENVOLVE LULA NO PETROLÃO

A reportagem-bomba da revista Veja que chega às bancas nesta sexta-feira em virtude do feriadão, traz com exclusividade o conteúdo da delação premiada do ex-deputado Pedro Corrêa, do PP. Veja teve acesso aos 72 anexos da delação onde é reproduzido o diálogo em que Lula deu a ordem para montar o petrolão, como ficou conhecida a roubalheira que devastou a Petrobras e o Brasil.

Ao mesmo tempo, em reportagem correlata, a revista revela a existência de um complô para travar as investigações da Operação Lava Jato que seria operado, segundo a publicação, por líderes do PMDB.

Transcrevo abaixo um aperitivo da reportagem-bomba mas são necessárias algumas observações que julgo pertinentes. O texto de Veja parece relativizar os fatos quando afirma que a folha corrida de Pedro Correa contabiliza 40 anos de corrupção, desde o regime militar em diante, passando por todos os governos.

Entretanto, cabe um detalhe importante que esse texto de Veja não inclui, que é o fato de que a corrupção e a roubalheira que vêm sendo apuradas pela Lava Jato não se limitaram apenas ao enriquecimento ilícito dos envolvidos. O objetivo político atendia a um esquema de sorte a conferir a permanência do PT no poder indefinidamente. De quebra, como se sabe, os frutos dessa roubalheira também tiveram ramificação internacional dentro do esquema do Foro de São Paulo, organização comunista fundada por Lula e Fidel Castro em 1990 e que tem como objetivo a comunização de todo os continente latino-americano e Caribe chegando até à América Central. Isto tem de ser levado em consideração, tanto é que o mensalão provou que o objetivo do PT era obter o apoio total do Congresso Nacional com a aprovação de todos os projetos dos governos petistas, inclusive um que emasculava o Poder Legislativo com a criação dos famigerados "conselhos populares" emulando os sovietes criados na ex-URSS. Na prática é aquilo que se conceitua como "centralismo democrático", ou seja a ditadura do partido disfarçada pelos tais conselhos. O troço foi para o vinagre quando os políticos sentiram o cheiro de carne queimada. 

Esta é a leitura correta e verdadeira dos acontecimentos. Há a corrupção tendo em vista tão somente o enriquecimento ilícito. No caso presente, o fulcro da roubalheira tem um viés político muito claro que vai além da corrupção que comumente acontece em todos os países. É isto que tem de ser levado em consideração em qualquer análise que se faça, ou seja, o "objetivo político" dessa verdadeira destruição do Brasil e da liberdade dos brasileiros. Estava em curso sem a menor dúvida um golpe - aí sim - que transformaria o Brasil num lixão como Cuba e Venezuela. Em todas as ditaduras comunistas as coisas evoluíram assim. Nesses países comunistas vigora a eterna escassez de alimentos, principalmente. Após a debacle econômica e a inflação acelerada desaparece a classe média. Nivela-se tudo por baixo e sobra apenas uma casta que pode tudo e que se constitui no núcleo do poder. 

Portanto, Pedro Correia pode levar a sua história de sacanagens pelo caminho da galhofa, pode querer relativizar tudo e até mesmo fazer piada. Mas tal comportamento é vedado no que concerne ao jornalismo, como é também aos agentes públicos. 

Esta é a minha visão de todos esses fatos. Esta é a minha maneira de exercer o jornalismo e acredito que também reflete o que deseja praticamente a totalidade do povo brasileiro e os estimados leitores deste blog. Transcrevo o resumo da reportagem de Veja a seguir:
UM RELATO ESTARRECEDOR
Entre todos os corruptos presos na Operação Lava-Jato, o ex-deputado Pedro Corrêa é de longe o que mais aproveitou o tempo ocioso para fazer amigos atrás das grades. Político à moda antiga, expoente de uma família rica e tradicional do Nordeste, Corrêa é conhecido pelo jeito bonachão. Conseguiu o impressionante feito de arrancar gargalhadas do sempre sisudo juiz Sergio Moro quando, em uma audiência, se disse um especialista na arte de comprar votos. Falou de maneira tão espontânea que ninguém resistiu. Confessar crimes é algo que o ex-deputado vem fazendo desde que começou a negociar um acordo de delação premiada com a Justiça, há quase um ano. Corrêa foi o primeiro político a se apresentar ao Ministério Público para contar o que sabe em troca de redução de pena. Durante esse tempo, ele prestou centenas de depoimentos. Deu detalhes da primeira vez que embolsou propina por contratos no extinto Inamps, na década de 70, até ser preso e condenado a vinte anos e sete meses de cadeia por envolvimento no petrolão, em 2015. Corrêa admitiu ter recebido dinheiro desviado de quase vinte órgãos do governo. De bancos a ministérios, de estatais a agências reguladoras - um inventário de quase quarenta anos de corrupção.
VEJA teve acesso aos 72 anexos de sua delação, que resultam num calhamaço de 132 páginas. Ali está resumido o relato do médico pernambucano que usou a política para construir fama e fortuna. Com sete mandatos de deputado federal, Corrêa detalha esquemas de corrupção que remontam aos governos militares, à breve gestão de Fernando Collor, passando por Fernando Henrique Cardoso, até chegar ao nirvana - a era petista. Ele aponta como beneficiários de propina senadores, deputados, governadores, ex-governadores, ministros e ex-ministros dos mais variados partidos e até integrantes do Tribunal de Contas da União.
Além de novos personagens, Corrêa revela os métodos. Conta como era discutida a partilha de cargos no governo do ex-­presidente Lula e, com a mesma simplicidade com que confessa ter comprado votos, narra episódios, conversas e combinações sobre pagamentos de propina dentro do Palácio do Planalto. O ex-presidente Lula, segundo ele, gerenciou pessoalmente o esquema de corrupção da Petrobras - da indicação dos diretores corruptos da estatal à divisão do dinheiro desviado entre os políticos e os partidos. Corrêa descreve situações em que Lula tratou com os caciques do PP sobre a farra nos contratos da Diretoria de Abastecimento da Petrobras, comandada por Paulo Roberto Costa, o Paulinho.
Uma das passagens mais emblemáticas, segundo o delator, se deu quando parlamentares do PP se rebelaram contra o avanço do PMDB nos contratos da diretoria de Paulinho. Um grupo foi ao Palácio do Planalto reclamar com Lula da "invasão". Lula, de acordo com Corrêa, passou uma descompostura nos deputados dizendo que eles "estavam com as burras cheias de dinheiro" e que a diretoria era "muito grande" e tinha de "atender os outros aliados, pois o orçamento" era "muito grande" e a diretoria era "capaz de atender todo mundo". Os caciques pepistas se conformaram quando Lula garantiu que "a maior parte das comissões seria do PP, dono da indicação do Paulinho". Se Corrêa estiver dizendo a verdade, é o testemunho mais contundente até aqui sobre a participação direta de Lula no esquema da Petrobras. Do site de Veja

quinta-feira, maio 26, 2016

Sponholz: O desespero de Lula.


MINISTÉRIO PÚBLICO APURA SE LULA TRAFICOU INFLUÊNCIA EM OBRA DE HIDRELÉTICA EM ANGOLA

Lula, José Antunes Sobrinho, Taiguara e os mistérios que cercam as obras da hidrelétrica de Cambambe, em Angola.
Além da Odebrecht, a construtora Engevix, cujos controladores e executivos também foram presos na Lava Jato, participou das obras de ampliação da hidrelétrica de Cambambe, em Angola. A Operação Janus, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, investiga a participação do ex-presidente Lula e do sobrinho Taiguara Rodrigues dos Santos na negociata do financiamento dessa obra pelo BNDES.
Dono da Engevix, José Antunes Sobrinho está preso desde setembro. Ele delatou Renan Calheiros, Erenice Guerra e Dilma, a “honesta”.
Nota do MPF informou que a Janus investiga se Lula fez tráfico internacional de influência e se recebeu vantagens indevidas.
A empresa de Taiguara, sobrinho de Lula, teve a Odebrecht como único cliente, recebendo o equivalente a US$4 milhões (R$14 milhões).
A gigante francesa Alstom, velha conhecida brasileira no escândalo do Metrô de São Paulo, foi fornecedora de geradores na obra angolana. Do site Diário do Poder

quarta-feira, maio 25, 2016

TCU SUSPENDE REPASSE DE DINHEIRO DO BRASIL PARA CONSTRUÇÃO DE USINA HIDRELÉTRICA NA NICARÁGUA AUTORIZADO PELA DILMA

Em vez de fazer as obras necessárias para o setor elétrico no Brasil, o governo de Lula e Dilma transferiam recursos para ditadores comunistas. É que nas ditaduras a transparência é zero o que facilita todos os tipos de negociatas.
Isto é só o comecinho. Há, pelo menos, dezenas de obras com recursos públicos brasileiros beneficiando ditaduras comunistas como a da Nicarágua. O povo brasileiro ainda não viu nada. E quando constatar por inteiro tudo o que o PT fez com o Brasil a reação poderá ser terrível. Por estas e outras que estão para ser reveladas é que a Dilma não tem mais a mínima chance de voltar. E mais: o povo brasileiro retornará às ruas para exigir a proscrição não apenas do PT, mas de todos os partidos de viés comunista, como Rede, PSOL, PCdoB e demais ajuntamentos de jagunços ideológicos e ladrões do erário.

Transcrevo matéria do site da revista Exame, noticiando ação do TCU, cortando a sangria dos cofres públicos que vinha sendo executada por Lula, Dilma e seus sequazes para beneficiar um dos tiranetes mais odiosos da América Latina e, pelo jeito o butim, via lavagem, cevava a turma do Foro de São Paulo e seus amiguinhos 'burgueses' empresários. Leiam:

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou hoje (25) uma medida cautelar para suspender repasses de recursos para a construção da Usina Hidrelétrica de Tumarín, na Nicarágua.
O empreendimento foi concedido para a Eletrobras, em parceria com a construtora Queiroz Galvão, que é investigada na Operação Lava Jato da Polícia Federal.
O ministro Bruno Dantas defendeu a medida cautelar para que não fossem mais aportados recursos no empreendimento, orçado em US$ 1,2 bilhão, e a maioria dos ministros do TCU acompanhou esse entendimento. Segundo Dantas, existem irregularidades no projeto, que já tem autorizado um aporte de US$ 100 milhões.
“Os recursos já alocados estão parados, não foram pagos porque não tem dinheiro. Mas, se por uma razão qualquer, a Eletrobras quiser pagar, o tribunal, tomando conhecimento de todas essas irregularidades, vamos ter considerado que não há risco”, disse ele.
O relator da matéria, ministro José Múcio, determinou que a Eletrobras e a Queiroz Galvão prestem esclarecimentos sobre o empreendimento em um prazo de 15 dias.
Para o ministro Benjamin Zymler, o investimento da Eletrobras em um empreendimento no exterior não se justifica, especialmente na situação financeira atual da empresa.
“A Eletrobras está diante de uma crise de recursos extraordinária", afirmou Zymler. Para o ministro, em tais circunstâncias, pensar que possa haver investimentos da Eletrobras no exterior é algo inimaginável.
"Além de inconstitucional, é quase politicamente injustificável.” A Queiroz Galvão informou que não irá comentar a decisão do TCU. Procurada pela Agência Brasil, a Eletrobras não se manifestou até a publicação da reportagem. Do site da revista Exame
AGORA REPAREM BEM:
Vejam como os alegres redatores de Exame se referem ao tiranente comunista Daniel Ortega, como “presidente da Nicarágua”, quando se sabe que é mais um ditador cucaracha cevado pelo Foro de São Paulo.
É aquilo que eu venho repetindo há anos aqui no blog: a grande mídia brasileira está completamente dominada pelos esbirros do PT - Foro de São Paulo. São esses orelhudos vermelhos os principais responsáveis pela profusão da desinformação e manipulação do noticiário, mormente depois que a escumalha do PT chegou ao poder no Brasil.
É por estas e outras que esse tipo de imprensa desaparecerá muito antes do que se imaginava. Esses jagunços ideológicos travestidos de jornalistas estarão todos desempregados porque esses jornalões e revistas fecharão suas portas por falta de leitores. E veículo de mídia que não tem leitor não tem anunciantes. Simples assim.

Sponholz: Papo de mortadelas.


TEMER INICIA LIMPEZA NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL DEMITINDO PETISTA DA PRESIDÊNCIA

O presidente Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, exoneraram Miriam Belchior da presidência da Caixa Econômica Federal e nomearam para ocupar o posto, interinamente, o vice-presidente de Tecnologia da Informação do banco, Joaquim Lima de Oliveira.
Oliveira irá acumular as duas funções. Os respectivos decretos de exoneração e nomeação estão publicados no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira.
Meirelles assumiu o Ministério da Fazenda avisando que iria trocar os presidentes dos bancos oficiais, entre eles Caixa e Banco do Brasil. O anúncio era esperado para ocorrer na semana passada junto com os nomes dos secretários de sua equipe e a indicação para o comando do Banco Central.
No entanto, uma indefinição justamente relacionada à Caixa adiou a divulgação. O ministro não fixou uma data para anunciar os novos titulares.
Petrobras - Em resposta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Petrobras esclareceu alguns pontos divulgados na imprensa sobre a troca de comando. A estatal petroleira informou que analisa a indicação de Pedro Parente para a presidência pelo acionista controlador, "em consonância com o estatuto social e suas normas de governança, integridade e conformidade".
A Petrobras também acrescentou que não recebeu qualquer carta de renúncia de seu atual presidente, Aldemir Bendine, e que não houve da parte de nenhum órgão da companhia discussão relativa à atual composição da diretoria. Do site de Veja

MOSCAS VAREJEIRAS COMUNISTAS SÃO DETONADAS NO CONGRESSO. TEMER VENCE 1A. BATALHA E APROVA META FISCAL.

Plenário da Câmara dos Deputados durante sessão conjunta do Congresso Nacional destinada à apreciação de 24 vetos, 2 projetos de resolução e do PL (CN) 1/2016, que altera a meta fiscal - Foto: Veja by Moreira Mariz/Ag. Senado
No primeiro teste de fogo com o Congresso, o presidente interino, Michel Temer, conseguiu emplacar na madrugada desta quarta-feira a aprovação de medida considerada essencial para evitar que seu governo fique paralisado: a autorização para que o país encerre o ano com um rombo de 170,5 bilhões de reais - o maior da história. A revisão da meta fiscal foi aprovada em votação simbólica em meio a bate-bocas e dura obstrução de aliados da presidente afastada Dilma Rousseff.
A sessão se arrastou por mais de 16 horas, boa parte motivada pela votação de 24 vetos presidenciais, e evidenciou a dificuldade que o peemedebista vai encontrar no Congresso diante da oposição do PT e dos demais partidos que estão em sua órbita. Ainda assim, parlamentares da base de Temer comemoraram o resultado por conseguirem manter o quórum alto para a votação mesmo durante a madrugada e superarem as manobras regimentais articuladas pelos oposicionistas. "Hoje foi um dia que demonstramos nossa força", comemorou o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão do Secretário de Governo da Presidência, Geddel Vieira Lima.
Também foi determinante para o sucesso da sessão a condução do presidente Renan Calheiros (PMDB-AL), que acionou um rolo compressor para encurtar a sessão: levou à votação a rejeição, em bloco, da série de requerimentos protelatórios, diminuiu o tempo de discursos e conclamou ao longo de todo o dia os parlamentares a comparecerem ao plenário.
Temer tinha pressa para revisar a meta fiscal: se a matéria não fosse aprovada até a próxima segunda-feira, o governo federal teria de fazer um corte extra de 137,8 bilhões de reais, o que travaria a máquina pública e inviabilizaria a implementação dos projetos do peemedebista para recuperar a economia. Como quinta-feira será feriado, o esforço foi para concluir, a qualquer custo, a votação nesta quarta.
Apesar da projeção de déficit em 2016, o Orçamento elaborado ainda na gestão da presidente afastada Dilma Rousseff e aprovado para este ano fixou uma meta de superávit primário (economia para pagamento de juros da dívida pública) de 24 bilhões de reais. Em março, a equipe econômica da petista enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei para mudar a meta fiscal, de forma a autorizar que o governo registrasse um rombo. Ainda assim, o déficit previsto era bem menor, de 96,65 bilhões de reais. Ao apresentar na última sexta-feira a previsão de um rombo de 170,5 bilhões de reais, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que a receita estava superestimada e classificou a nova meta de "realista".
A aprovação da matéria traz alívio para a gestão de Temer, que logo na largada enfrentou uma série de turbulências. Na segunda-feira, o ministro do Planejamento, Romero Jucá, um dos responsáveis pelo cálculo do déficit, deixou o cargo após ser flagrado em conversa falando em um pacto para conter a Operação Lava Jato. Ele voltou a ocupar o mandato de senador e acompanhou a votação desde a manhã de terça-feira. Às 3 horas da manhã, Jucá subiu novamente à tribuna para se defender. Em duro pronunciamento, referiu-se aos parlamentares do PT, PDT e PCdoB: "A maior das heranças malditas pode ser vista no espelho por vocês mesmos: é a oposição. É ter de aguentar vocês", disse, afirmando, ainda, que a autorização de um rombo de 170,5 bilhões vai permitir a execução de importantes obras, como a transposição do Rio São Francisco. Do site de Veja
MEU COMENTÁRIO: É impressionante agora ver de forma clara e objetiva a ação nefasta da bandalha comunista lutando ardorosamente pelo mal do Brasil, ou seja, dos brasileiros, principalmente a parcela mais pobre da população. O nível de boçalidade dos comunistas sempre foi assim aqui e alhures. 
Mas não tem preço ver os comunistas retornando ao seu tamanho natural. Por enquanto eles ainda podem fazer algum barulho no Congresso. Na próxima eleição para renovação do Legislativo eles serão triturados. Basta ver o tamanho de suas manifestações nas ruas enquanto seu principal líder, o Lula, não pode mais sair às ruas, como de resto os próprios parlamentares do PT e demais moscas varejeiras comunistas. Terão que viver escondidos e tentando fugir da própria sombra.

PRESIDENTE MICHEL TEMER ADVERTE A BANDALHA DO PT: "MEXER COM A FAMÍLIA É INADMISSÍVEL"

Os jagunços do PT do Lula tentando invadir a residência do Presidente Michel Temer. De madrugada a PM entrou em ação varrendo do local esses marginais. Foto que ilustra a chamada da matéria no site do Estadão.
Durante discurso de anúncio das medidas econômicas aos líderes partidários no Palácio do Planalto nesta terça-feira, 24, o presidente em exercício, Michel Temer, demonstrou indignação com os protestos feitos na porta de sua casa, em São Paulo, que teriam deixado assustados e com medo sua mulher, Marcela, e seu filho, Michel, de sete anos. 
Segundo assessores do presidente em exercício, ele está particularmente irritado com o que ocorreu porque "mexer com a família, é inadmissível". "Quer fazer protesto, vem aqui para a porta do Jaburu (residência oficial de Temer) e não para a porta da minha casa, onde está minha família. Isso não é possível", disse Temer a auxiliares, ao ser informado pela mulher, que lhe telefonou nervosa, com receio de que os manifestantes pudessem invadir a residência. No fim de semana, por exemplo, o presidente em exercício acabou antecipando sua volta para Brasília e trouxe junto a mulher e o filho. 
"Temos sido vítimas de agressões", chegou a lembrar o presidente em exercício, acrescentando que "aqueles que quiserem esbravejar, façam-no quando quiser, mas pela via legal e democrática". Em seguida, Temer defendeu a "pacificação do País" e reagiu às acusações de que seu governo seja fraco porque recuou em algumas decisões. "As pessoas têm mania de achar que quem está no governo não pode voltar atrás. Nós somos como JK (ex-presidente Juscelino Kubitschek). Nós não temos compromisso com o equívoco. Se houver um equívoco, nós reveremos", declarou. 
"Já ouvi dizer que Temer está muito frágil, coitadinho, que não sabe governar. Conversa!", disse, alterando o tom de voz e batendo com força na mesa com a mão. "Eu fui secretário de Segurança em São Paulo por duas vezes e tratava com bandidos. Eu sei o que fazer no governo e saberei conduzir", desabafou. E reiterou: "se entender que houve um equívoco na fala, na condução, eu reverei posição. Não tem essa coisa de que eu errei, não aceito mudar. Se eu fizer, consertá-lo-ei". 
-------------------------
MEU COMENTÁRIO: Reparem agora na sequência o que os alegres rapazes e raparigas alinhados ao jornalismo de encomenda fazem. Esquecem o essencial para fixar-se numa frase do Presidente Temer, quando se referiu aos bandidos que teve que lidar quando foi Secretário de Segurança em São Paulo. E o ministro da secretaria de Governo, Geddel Veira Lima, foi gentil com esses serviçais da bandalha do PT. Queriam encontrar chifres em cabeça de burro. Eu conheço de perto essa gente já que exerço o jornalismo há 45 anos. Se eu fosse o Geddel diria: ‘os bandidos são vocês da grande mídia’. Sim, porque todos esses áulicos do PT travestidos de jornalistas são chorumes de esgoto. São eles os responsáveis diretos por ter adulado Lula e seus sequazes durante mais de uma década, escamoteando sempre a verdade dos fatos que, afinal, apareceu. Mas mesmo ante as terríveis evidências eles continuam tentando distorcer o fatos, promover a intriga e achar um gancho para sair correndo ouvir o Lula e seus asseclas. Isso não é jornalismo, isso é militância comunista. E continuam a fazê-lo boicotando todos os dias qualquer ação do Governo Temer. O mais incrível de tudo isso é que os agressores são liderados pelo colunista da Folha de S. Paulo, Guilherme Boulos. 
-------------------------
Após a fala do presidente em exercício, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, foi questionado durante a coletiva de imprensa sobre o que Temer queria dizer quando citou que já tinha sido secretário de Segurança e "tratava com bandidos". "À fala do presidente não cabe ilação, ele falou dentro de um contexto. É um homem que já foi secretário de Segurança Pública. Enfrentou problema com bandidos, o que é próprio da área de Segurança Pública. Ele tem estofo para aguentar qualquer tipo de pressão. Foi um homem que, com diálogo e firmeza, sem violência ou arroubo, soube enfrentar violência desse porte. Está preparado para enfrentar pressões que o cargo da Presidência impõe", afirmou Geddel, ao ser questionado sobre que tipo de bandido Temer se referia se "da rua ou políticos". 
Diálogo. No discurso aos líderes partidários, Temer avisou que "este é o governo do diálogo" e por isso, antes de anunciar as medidas econômicas ou encaminhá-las ao Congresso, fez questão de chamar os parlamentares ao Palácio do Planalto para lhes informar sobre as propostas e, segundo ele, repetirá este gesto sempre. Temer pediu também pressa na aprovação das medidas. "Temos de trabalhar dobrado", disse, após lembrar sua condição de interino e salientar que está há 12 dias no governo, mas jornais e revistas tratam como se já houvesse dois anos. 
Temer refutou ainda "àqueles que pretendem dizer que houve rompimento, ruptura da Constituição". "Isso não aconteceu. Nossas instituições estão funcionando e eu sou uma consequência da Constituição. O vice-presidente é uma consequência do texto constitucional", afirmou. 
Lava Jato. Um dia depois a saída de Romero Jucá do Ministério do Planejamento, abatido pela divulgação das gravações de conversas com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado nas quais falam de um suposto pacto do governo para estancar as investigações da Operação Lava Jato, o presidente em exercício defendeu a "moral pública" e avisou que "não está em busca de eliminar qualquer investigação apuratória". 
Sob pressão da oposição, o presidente em exercício enfatizou em sua fala, sem citar diretamente a Lava Jato, que o seu governo não vai impedir as investigações. "Por mais que digam que há um esquema para impedir as investigações, o governo vai sempre incentivá-las. Não queremos isso, não (barrar as investigações). Ninguém quer", assegurou Temer. 
O presidente em exercício citou artigo da Constituição Nacional que trata do princípio da moralidade para mostrar o compromisso com a operação. Segundo Temer, "não dá para silenciar" em relação às afirmações de que o governo quer impedir as investigações. 
Ele prosseguiu salientando que, à frente da Presidência, quer cumprir a missão de ajudar a tirar o País da crise. Mas ponderou que isso não ocorrerá em "12 dias, dois meses, três meses". "Vamos levar tempo", afirmou. 
Temer disse também que considerará a sua missão cumprida se conseguir entregar, em 2018, "um país com eleições tranquilas". Por isso, ele insistiu na tese da necessidade de "pacificação nacional". "Precisamos pacificar o País. Não podemos ficar nessa situação", afirmou. Matéria do site do Estadão.

terça-feira, maio 24, 2016

ENQUANTO O PRESIDENTE TEMER ANUNCIA MEDIDAS PARA EVITAR O PIOR, LULA E SEUS SEQUAZES CONTINUAM ZURRANDO NAS RUAS.

O Brasil no fundo do fundo do poço, graças as psicopatas comandados pelo Lula. Clique sobre a imagem para vê-la ampliada. Gráfico by O Globo
Este post contém logo após este prólogo uma transcrição de reportagem do site do jornal O Globo, discorrendo sobre as principais medidas de salvação nacional anunciadas pelo Presidente Michel Temer e o Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Este é apenas o começo de uma tarefa árdua para retirar o Brasil do caos econômico em que foi lançado pelos comunistas do PT. Não fosse o impeachment, até o final deste ano - escrevam aí - o Brasil já teria se convertido numa nova Venezuela e os brasileiros estaríam debaixo do chicote das  "avispas negras" (vespas negras) cubanas que atuaram na Venezuela para prender e torturar todos aqueles que se levantaram contra o o tiranete Hugo Chávez, morto depois misteriosamente em Cuba.

Isso significa que se o PT continuasse no poder os brasileiros já estariam nas filas de supermercados em busca de coisas tão prosaicas como papel higiênico. Haveriam de sentir no lombo e no estômago o que é um regime comunista, enquanto na tela resplandescente da TV Globo, apareceria Lula em cadeia nacional, desde a seu sítio de Atibaia, já não dissimulando e indo diretamente ao ponto, ameaçando o povo brasileiro com aquela voz cavernosa, ladeado por Zé Dirceu e o Marcelo Odebrecht mirando os telespectadores com olhar enigmático e ameaçador.

Abaixo um gráfico revela parte do rombo nas contas públicas que fez voltar a inflação corroendo o dinheirinho contado justamente dos assalariados que a vagabundagem comunista diz defender.

O que foi dilapidado por mais de uma década não pode ser revertido do dia para a noite. É o mínimo patético a dança macabra e histérica dos zumbis do PT, um amontoado de psicopatas que aparece nas ruas para protestar e gritar "cadê a minha mortadela"!

Àqueles que, embora se apresentem como opositores ao PT mas vêm com aquela conversa mole que continua tudo igual, os números estão aí. Além do mais não há milagreiros no Brasil e em nenhum país do mundo. Mas se os gestores da economia não são comunistas já se tem aí um ganho espetacular, excepcional e inconteste. 

Pelo menos - e isso já muito - Lula não está em rede nacional. Pelo contrário, está amargando a incerteza. Em Curitiba a temperatura continua muito baixa. A capital paranaense é conhecida como uma das cidades mais frias do Brasil e onde os velhinhos maiores de 60 anos têm de cuidar muito para não serem levados desta para o desconhecido. E bota angústia nisso aí...

Agora transcrevo a matéria de O Globo que informa sobre as medidas que podem estancar a falência do Brasil. Os entretítulos são de minha autoria Leiam:
DINHEIRO ESCONDIDO NO BNDES
Um conjunto de medidas de curto, médio e longo prazos foi anunciado, nesta terça-feira, pelo presidente interino Michel Temer. O repasse de R$ 100 bilhões do BNDES para o Tesouro, a provável extinção do Fundo Soberano criado na época do pré-sal e o envio de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) ao Congresso, fixando um teto para os gastos do governo, estão entre as ações divulgadas por Temer. Também disse que apoiará um projeto aprovado pelo Senado Federal que altera as regras de exploração de petróleo do pré-sal, retirando da Petrobras a exclusividade das atividades no pré-sal e acabando com a obrigação da estatal de participar com pelo menos 30% dos investimentos em todos os consórcios de exploração da camada.
Sobre o BNDES, Temer lembrou que o Tesouro injetou mais de R$ 500 bilhões no banco de fomento nos últimos anos. Agora, a instituição vai devolver R$ 100 bilhões, sendo R$ 40 bilhões no curto prazo.
Já o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, destacou que o Tesouro terá um ganho adicional de R$ 7 bilhões com a devolução de recursos do BNDES à União. Esse ganho decorre da economia que o Tesouro vai ter com a diferença entre o que paga para captar recursos no mercado e quanto recebe do banco de fomento como pagamento:
— O Tesouro tem diferencial de taxas e tem economia importante com o ganho, que é a diferença entre o que ele paga na captação e o que recebe do BNDES.
O ministro afirmou que isso não vai impactar as operações do banco:
— Foi levada em conta toda a captação do BNDES nos próximos dois anos e o histórico do que tem sido feito no ano passado. Está muito bem equacionado o problema do BNDES para os próximos anos. Os recursos (que serão devolvidos) estariam ociosos e causando um custo adicional ao Tesouro. É uma boa gestão das contas públicas.
O presidente também anunciou que o governo deverá vai sacar todos os recursos existentes no Fundo Soberano, hoje com cerca de R$ 2 bilhões. Ele acrescentou que esse dinheiro também será usado para reduzir o endividamento público.
— Em fato das mais variadas circunstâncias, hoje o patrimônio do fundo está paralisado em R$ 2 bilhões. Vamos extinguir e trazer esses R$ 2 bilhões para cobrir o endividamento públic o.
Ao detalhar as medidas, o ministro da Fazenda esclareceu que o processo de venda das ações do Fundo Soberano será feito de forma cautelosa , para não provocar turbulências no mercado financeiro. A maior parte das ações pertence hoje ao Banco do Brasil. Após o anúncio, as ações do banco começaram a cair. O governo Dilma Rousseff também havia considerado a possibilidade de vender esses ativos, mas desistiu, em parte, pelo efeito que isso poderia ter sobre o banco:
— Não há dúvida de que qualquer processo de venda de ativos tem que levar em conta a evolução dos preços e a demanda por esses ativos. Sobre o Fundo Soberano, a decisão é imediata, mas o processo de venda das ações vai ser cuidadosamente avaliado de maneira a não criar movimentos bruscos no preço das ações.
Lula fingindo  choro durante evento para sensibilizar os mortadelas. O presidente da CUT finge consolar o ex-operário. Cena como esta acontece porque os psiquiatras comunistas há muito tempo conseguiram fechar todos os hospícios.
ACABARAM AS BOQUINHAS
Conforme adiantou o GLOBO, o governo também vai resgatar o projeto de Lei de Responsabilidade Fiscal para os fundos de pensão e estatais. Conhecida como lei das estatais, o texto já foi aprovado pelo Senado Federal e está parado agora na Câmara dos Deputados.
O projeto determina, por exemplo, que 25% dos membros dos conselhos de administração devem ser independentes: não podem ter vínculo com a estatal, nem serem parentes de detentores de cargos de chefia no Executivo, como presidente da República, ministros ou secretários de estados e municípios.
— (O projeto) v isa introduzir critérios rígidos para nomeação de dirigentes dos fundos e das empresas estatais. É uma regra tecnicamente correta, porque teremos a meritocracia funcionando. As pessoas que vão para esses fundos serão tecnicamente preparadas. São regras que vão preparando o país para o futuro. Estabelecem um mecanismo que implicará na alocação eficiente de centenas de milhões de reais nessas instituições. Se houver concordância do Executivo e do Legislativo, devemos levar esse projeto adiante.
Temer anunciou , ainda, que o governo pretende barrar o crescimento nominal de subsídios. Pelas contas d o presidente, o impacto fiscal de uma medida como essa é de R$ 2 bilhões.
— Nenhum ministério vai apresentar proposta ao Tesouro que vai elevar de forma nominal os subsídios. Poderá fazer se houver uma compensação de uma ou outra atividade.
ZUMBIS DO PT PERGUNTAM
Questionado por jornalistas pelo fato de que, entre as medidas, não havia nenhum corte efetivo de gastos, o ministro da Fazenda afirmou que contingenciamentos pontuais têm efeito limitado. Em vez disso, Meirelles explicou que o governo aposta em um teto para o gasto como medida “forte” e de longo prazo, com potencial para, nos próximos três anos, derrubar as despesas públicas em cerca de 1,5% a 2% do Produto Interno Bruto (PIB).
— Gostaria de dizer que muito mais importante do que cortes pontuais de despesas temporárias, e que tenham efeito limitado — como se fez muitas vezes no passado —, o que nós criamos é algo mais estrutural e com efeito da maior seriedade, que é exatamente um teto para a evolução da despesa pública nos próximos anos.
Meirelles disse que, mesmo com o teto para os gastos, haverá medidas complementares com o tempo. Além disso, disse que o governo estuda desvincular também as despesas de saúde e educação.
— Estamos já finalizando esses estudos, mas devemos propor que as despesas de saúde e educação sejam vinculadas a esse teto, a esse crescimento das despesas totais baseado na inflação. Só isso já representa uma fator de grande importância. Além de cortes eventuais de subsídios. É uma medida muito forte e que sinaliza um programa de controle de despesas para os próximos anos. Ela é abrangente, forte e tem efeito continuado.
IMPOSTOS SEM AUMENTO
O ministro da Fazenda afirmou que, no momento, o governo não contempla um possível aumento de impostos, mas não descarta que, mais à frente, possa ter que fazê-lo.
— Se necessário, será mais à frente. Mas mas levando-se em conta que temos dito que a carga tributária hoje já está em nível elevado, é importante não sinalizar e não sobrecarregar a sociedade com impostos.
O presidente reforçou que será uma praxe a partir de agora o governo anunciar medidas a serem tomadas primeiro aos líderes e, só depois, realizar uma coletiva de imprensa.
Antes do início da apresentação das medidas, Temer pediu a líderes parlamentares o máximo esforço para que a meta fiscal consiga ser votada nesta terça-feira. Temer também "lamentou" que deputados e senadores que antes eram governo agora se coloquem contra a votação.
— Estou pedindo aos senhores que se esforcem o quanto possível hoje. Quando vocês t ê m uma ampla maioria e a minoria discorda, a ampla maioria há de prevalecer — disse Temer.
Meirelles afirmou aos líderes que as principais medidas econômicas que o governo quer adotar precisam do aval do Congresso. Por isso, fez um apelo ao diálogo:
— Temos, de fato, 12 dias de governo e temos que tomar cuidado com a precisão das medidas para que elas sejam eficazes. As de maior impacto terão que passar pelo Congresso. Estamos abertos ao diálogo dentro de um pressuposto — disse o ministro, acrescentando: — O crescimento das despesas públicas, que se acentuou nos últimos anos, é insustentável. É importante é garantir que o Estado brasileiro seja solvente e todos aqueles que emprestam ao governo tenham retorno.
NÃO EXISTE VARINHA MÁGICA
Meirelles admitiu que as medidas econômicas anunciadas nesta terça-feira terão pouco efeito sobre as contas públicas de 2016. Ele afirmou, por exemplo, que a fixação de um teto para as despesas só valerá para os próximos anos.
— O déficit primário de 2016 (estimado em R$ 170,5 bilhões) foi calculado com critérios rigorosos e realistas. Há incertezas em alguns itens, como qual será a arrecadação com repatriação e com a renegociação das dívidas dos estados. Fizemos uma estimativa detalhada e rigorosa. Acredito que o número vai ser esse — disse o ministro.
Segundo ele, o teto para os gastos vai se refletir sobre a dívida pública nos próximos três anos, quando ela poderá ser reduzida entre 1,5% e 2% do PIB.
Meirelles afirmou ainda que, com os gastos limitados, o governo terá que priorizar programas “dentro do projeto de ganho social do país”. Ele afirmou também que a despesa com pessoal não será submetida a um teto. O ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, ponderou que, mesmo assim, as projeções indicam que esses gastos ficarão abaixo da inflação nos próximos anos.
— As projeções apontam que o crescimento da despesa com pessoal já atenderá esse limite de teto que foi estabelecido. Elas estão crescendo um pouquinho abaixo da inflação nos próximos três anos.
As medidas foram anunciadas poucos dias depois de o governo rever o rombo nas contas de 2016. Ele agora está estimado num déficit primário de R$ 170,5 bilhões. A equipe da presidente afastada Dilma Rousseff esperava um valor bem menor: de R$ 96,6 bilhões. A diferença nos números ocorreu porque o governo Temer decidiu incluir em seus cálculos o pior cenário fiscal possível para o ano. Assim, a ideia é que, ao final do ano, o resultado primário apresentado seja mais favorável que a meta. As medidas discutidas apresentadas hoje devem ajudar nesse objetivo. Do site de O Globo

LAVA JATO DEFLAGRA A OPERAÇÃO "VÍCIO" AO DESCOBRIR ROUBALHEIRA DE MAIS DE R$ 40 MILHÕES NO ÂMBITO DA PETROBRAS

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira a 30ª fase da Lava Jato, intitulada Operação Vício. O alvo da 30ª fase são grandes empresas fornecedoras de tubos para a estatal, que atuavam com seus executivos, sócios, advogados e funcionários da Petrobras para sangrar os cofres da estatal e recolher propina. Os investigadores colheram indícios de que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, já condenado no petrolão a mais de 23 anos de prisão, e o ex-diretor de Serviços Renato Duque, também já penalizado em mais de 50 anos de prisão pelo juiz Sergio Moro, faziam parte do esquema, que movimentou ao todo mais de 40 milhões de reais em propina.
A nova etapa da Lava Jato identificou que uma construtora de fachada foi utilizada para viabilizar o pagamento de propina em um expediente utilizado com frequência por criminosos do colarinho branco: a celebração de contratos fictícios de prestação de serviços. A transferência de dinheiro sujo também foi viabilizada por meio de uma offshore.
O Ministério Público aponta que os contratos entre a Petrobras e as empresas fornecedoras de tubos ultrapassam os 5 bilhões de reais. "Evidências denotam que o pagamento de propinas no interesse desse esquema criminoso perdurou pelo menos entre os anos de 2009 e 2013, sendo que os valores espúrios pagos, no Brasil e no exterior, superam a quantia de R$ 40 milhões", disse o MP. Na etapa batizada de Vício, dois funcionários da Diretoria de Serviços da Petrobras são alvos de condução coercitiva.
Cinquenta agentes federais cumprem 28 mandados de busca e apreensão, 2 mandados de prisão preventiva e 9 mandados de condução coercitiva nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. A ação de hoje se dá em parceria com a Receita Federal e apura os crimes de crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro no esquema que sangrou os cofres da Petrobras.
De acordo com a PF, a operação desta terça é um desdobramento das que revelaram o esquema criminoso do petrolão. O alvo agora são três grupos empresariais que se utilizavam de operadores e contratos fictícios com a estatal - sobretudo com a Diretoria de Serviços - e repassavam dinheiro sujo a funcionários da Petrobras, além de agentes públicos e políticos.
A escolha pelo nome Vício se deu, segundo a corporação, em decorrência da sistemática prática de corrupção por determinados funcionários da estatal e agentes políticos. "O termo ainda remete a ideia de que alguns setores do Estado precisam passar por um processo de desintoxicação do modo corrupto de contratar presente não ação de seus representantes", diz a PF em nota.
A PF cumpre ainda mandados com o objetivo de apurar pagamentos a um executivo da área internacional da Petrobras em contratos firmados para aquisição de navios-sonda. Do site de Veja