TRANSLATE/TRADUTOR

sábado, julho 30, 2016

O ESQUEMA LULA NO BNDES: O PRÓXIMO PASSO DA OPERAÇÃO LAVA JATO. É COISA MUITO GRANDE.

Pelo que se constata nas reportagens da revista IstoÉ que vai às bancas neste sábado a Operação Lava Jato irá mais longe do que se pensa. O que se percebe por aquilo que tem chegado ao conhecimento público é que há material da Lava Jato para ser desovado que forma um petardo devastador capaz de fazer virar pó a miríade de partidos de vertente comunista como PT, PSOL, PCdoB, PSTU e assemelhados. O mais importante de tudo isso é o efeito pedagógico-político, ou seja, a revelação nua e crua a deletéria ação dos comunistas que na verdade constitui a principal tranqueira que impede o Brasil de se tornar uma Nação de verdade. 

A edição desta semana de IstoÉ, além da eviscerar o desgoverno da Dilma, conforme postagem aqui no blog, faz um levantamento tenebroso sobre o assalto de bilhões de dólares cometido pelo PT no BNDES. Foi tudo meticulosamente planejado para transformar o Brasil numa grande Cuba onde uma corriola comandada por Lula se perpetuaria no poder em conluio com mega empresários e banqueiros. Não é novidade o fato de que grandes grupos econômicos sempre se perfilaram ao lado de comunistas, nazistas e fascistas, ou seja, sistemas totalitários que são verso e anverso da mesma medalha. 

Por enquanto a grande mídia nacional e internacional continua sendo controlada pelos comunistas. E essa é a razão pela qual o episódio da corrupção e roubalheira dos cofres públicos no Brasil é desligado do seu aspecto ideológico. Entender esta questão é o pulo do gato. É o que tenho me dedicado a fazer em quase uma década de jornalismo na internet por meio deste blog e pelas redes sociais como Facebook e Twitter. Aliás, se não fosse a internet e, mais recentemente as redes sociais, todas essas verdades continuariam escamoteadas alimentando a ignorância geral e irrestrita do povo brasileiro.

A bem a verdade, um único jornalista brasileiro há pelo menos duas décadas é o dono absoluto do maior furo de reportagem da história do jornalismo brasileiro. Chama-se Olavo de Carvalho que trabalhou nos mais importantes veículos de mídia brasileiro. Foi ele quem denunciou o Foro de São Paulo, a organização comunista fundada por Lula e Fidel Castro em 1990 e que está de pé até hoje. Por ter dito a verdade do que estava por vir com a ascensão do PT ao poder, Olavo de Carvalho foi escorraçado pelos comunistas que continuam até hoje a dominar todas as redações da grande mídia. Olavo de Carvalho vive há mais de uma década nos Estados Unidos e continua trabalhando, escrevendo e denunciando. É um dos escritores mais prolíficos do Brasil. No entanto a canalhada da grande mídia continua desprezando-o. Não há um só veículo da grande mídia brasileira que tenha a honradez de reconhecer o trabalho de Olavo de Carvalho ou de contratá-lo. Agem como se ele nunca tivesse existido.

Feito esse interregno necessário, retomo o mote desta postagem que se refere à matéria de IstoÉ com relação ao BNDES. Transcrevo a parte inicial do texto com link para leitura completa. Leiam:
A BOMBA DEVASTADORA
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estará no centro das investigações da operação Lava Jato. É que, nas próximas semanas, uma equipe da força-tarefa passará a dar prioridade às apurações que envolvem financiamentos feitos pelo BNDES às empreiteiras envolvidas com o Petrolão. Preliminarmente serão analisados os casos que envolvem obras realizadas no exterior e que até agora têm seus contratos tratados como segredo de Estado. Depoimentos já prestados por executivos de diversas construtoras revelam que parte dos financiamentos concedidos pelo banco foi obtida mediante pagamento de propinas que seriam, na verdade, uma espécie de contrapartida ao tráfico de influência praticado pelo ex-presidente no exterior.
Na semana passada, membros da força-tarefa ouvidos por ISTOÉ afirmaram já dispor de indícios suficientes para acreditarem que no BNDES havia um esquema a serviço de Lula e que, além de ajudar a bancar campanhas petistas, o dinheiro desviado teria sido utilizado para financiar o instituto comandado pelo ex-presidente, por meio de palestras. Antes de colherem novos depoimentos de empresários e executivos já comprometidos com delações premiadas, a Lava Jato pretende recorrer ao Judiciário para ter acesso aos contratos e transações realizadas entre o BNDES e as empreiteiras. O Ministério Público já dispõe de uma série de depoimentos e documentos a respeito do faturamento do Instituto Lula e da LILS Palestras e Eventos. Entre as empresas que negociaram com o petista e têm suas relações com o BNDES no alvo das investigações estão a Odebrecht, a Camargo Corrêa, a Andrade Gutierrez, a Queiroz Galvão e a OAS. Somadas, elas repassaram quase R$ 30 milhões às duas entidades ligadas a Lula, entre 2011 e 2014.
O "ESQUEMA LULA"
Em Curitiba, onde se concentra o comando da Lava Jato, a frente de investigação que coloca o ex-presidente no alvo da força-tarefa ganhou corpo após executivos de pelo menos três empresas terem denunciado o aparelhamento do banco para arrecadar recursos de campanha do PT. A mais recente acusação partiu do dono da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, que no mês passado prestou novas declarações em delação premiada. Ele disse que participou de uma reunião com Luciano Coutinho, ex-presidente do banco, às vésperas da eleição de 2014. No encontro, ocorrido no escritório do BNDES, os executivos discutiram o projeto de ampliação do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). Líder do consórcio, a UTC recebeu um empréstimo de R$ 1,5 bilhão, aprovado em dezembro de 2013. Ao final da reunião, Coutinho teria orientado a empresa a procurar o tesoureiro da campanha à reeleição de Dilma Rousseff, Edinho Silva (PT-SP), para acertar o repasse de doações da UTC à candidata petista. A suspeita dos investigadores é de que Coutinho condicionava financiamentos do BNDES ao compromisso de doações eleitorais por parte dos empresários no caso de obras realizadas no Brasil. Mas, nas obras feitas no exterior, a propina seria transferida naquilo que os agentes da Lava Jato classificam de o “Esquema de Lula”. “Há evidente relação entre as empresas favorecidas pelo BNDES e os repasses de recursos ao Instituto Lula”, disse um dos procuradores da Lava Jato, na quarta-feira 27. “Vamos agora também apurar o superfaturamento em obras no exterior e esses pagamentos de palestras.” Clique AQUI para ler a reportagem completa

sexta-feira, julho 29, 2016

REPORTAGEM-BOMBA DE 'ISTOÉ' REVELA A ESTRUTURA CRIMINOSA DO GOVERNO DILMA

Na reta final do processo de impeachment de Dilma Rousseff, surgem novas revelações sobre a diabólica máquina de corrupção e roubalheira em que o Estado brasileiro foi transformado pelos governos do PT. Os fatos esfarelam quaisquer tentativas da ‘ex-presidenta’ escapar das malhas da lei, até mesmo depois de ser afastada definitivamente pelo impeachment, segundo se constata nesta reportagem da revista IstoÉ que chega às bancas neste sábado. 
Transcrevo a parte inicial com link ao final para leitura completa e que inclui também diversos infográficos. Leiam:
Há exatamente um ano, em despacho redigido em um dos processos que tem como réu o ex-ministro José Dirceu, o juiz Sérgio Moro escreveu que o País passou a vivenciar um quadro de corrupção sistêmica sob o comando do PT. Na ocasião, muitos analistas políticos e observadores das entranhas do Judiciário trataram o alerta do magistrado responsável pela Lava Jato como alarmista. Hoje, não há quem discorde de Moro. Depois de dois anos de investigações em diversas operações da Polícia Federal e de mais de 70 delações premiadas, fica evidente que as gestões petistas transformaram o governo federal em uma verdadeira e organizada estrutura de corrupção. Praticamente todos os ministros de Dilma Rousseff estão envolvidos em desvios de dinheiro público. Desde aqueles que ocuparam gabinetes no Palácio do Planalto até os mais distantes. “A corrupção que o PT promoveu foi uma corrupção institucional, não foi dispersa nem com indivíduos participando isoladamente”, afirma o professor Álvaro Guedes, especialista em administração pública da Unesp. “Pessoas foram escolhidas a dedo para estar em posições estratégicas e promover o desvio de dinheiro”, conclui o professor.
UM ESTADO DOMINADO
Um dos expoentes desses “escolhidos a dedo” é Paulo Bernardo, ex-ministro das gestões de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Na semana passada, ele foi indiciado pela Polícia Federal na Operação Custo Brasil. A PF diz ter provas suficientes para assegurar que Bernardo, enquanto esteve no governo, participou de organização criminosa e praticou crime de corrupção passiva. No mês passado, ele foi preso após a polícia constatar que havia recebido R$ 7,1 milhões desviados de uma fraude no crédito consignado que cobrava uma taxa superfaturada dos servidores federais que se encontravam endividados. Paulo Bernardo é casado com Gleisi Hoffmann, uma das líderes da tropa de choque de Dilma no Senado, ex-ministra da Casa Civil e também acusada de receber propinas do Petrolão. Gleisi só não foi presa junto com o marido graças ao foro privilegiado. O casal sempre teve livre trânsito no gabinete e na residência oficial da presidente afastada.

No mesmo esquema que lesou milhares de funcionários públicos, está o ex-ministro da Previdência Carlos Gabas, aquele que costumava levar Dilma para passeios de moto aos domingos. Ainda na semana passada, Edinho Silva, outro ex-ministro íntimo da presidente afastada, viu-se diante de novas provas que o envolvem em corrupção e achaque contra empresários que tinham contratos com o governo. Ele, que já era investigado por intermediar, a pedido de Dilma, R$ 12 milhões da Odebrecht para o caixa dois da campanha da petista em 2014, desta vez foi alvejado por investigação promovida pelo TSE. Peritos descobriram que uma empresa pertencente a um ex-assessor de Edinho recebeu R$ 4,8 milhões da campanha de Dilma para serviços que não consegue comprovar (leia reportagem na pág. 38). Em um de seus despachos, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que prometer facilidades na liberação de obras às grandes empreiteiras em troca de recursos para o PT era uma medida habitual de Edinho, que antes de ocupar o ministério foi tesoureiro da campanha da reeleição. Clique AQUI para ler a reportagem completa

QUEM TEM LULA QUE NÃO ATIRE PEDRA

Por Maria Lucia Victor Barbosa (*)
Recentemente dois fatos estão tomando conta da mídia de modo marcante e insistente: as olimpíadas do Lula, que começarão daqui alguns dias, e a eleição presidencial norte-americana. As olimpíadas, elucubradas por Lula ou por algum de seus companheiros como o foi a Copa do Mundo do 7 x 1, tem feito brotar aos montes trapalhadas e desacertos oriundos do improviso, da incompetência, do despreparo das autoridades cariocas, notadamente do prefeito Eduardo Paes.
O alcaide, infeliz nas suas graçolas que beiram a grosseria tenta minimizar o caos dos apartamentos da Vila Olímpica, os transtornos no trânsito, os problemas  do decantado Veículo Leve sobre trilhos – VLC e muito mais que vem acontecendo. Por tudo isso Paes devia receber o título de prefeito mais desastrado do Brasil.
Para piorar a situação, malgrado o enorme aparato de segurança que baixou no Rio de Janeiro, os assaltos continuam prejudicando e apavorando a   população e infernizando atletas e turistas. É a vergonha nacional da violência urbana mostrada ao planeta mesmo antes das Olimpíadas começarem.
Quanto a eleição presidencial norte-americana parece que se dará no Brasil onde se votará em Hillary Clinton. Donald Trump é mostrado como um demônio branco, rico, um bufão desbocado, dotado de retórica forte contra os adversários. Isso lembra dentro das devidas proporções uma figura nossa conhecida que adicionou ao nome a alcunha de Lula.
Na verdade, Luís Inácio Lula da Silva é mais desbocado no quesito palavrão e sua riqueza e patrimônio não têm a mesma origem nem o tamanho da de Trump, o magnata que não gosta de imigrantes ilegais nem de mulçumanos, “sujeito perigoso” que deseja que “a América volte a ser grande”. Em todo caso, Trump nunca usou a expressão, “nunca antes nesse país” ou se comparou a Jesus Cristo.
Tem também um traço no discurso de Trump que o faz detestado no Brasil latino-americano: ele encarna a direita e é politicamente incorreto, o que quer dizer que fala o que as pessoas não falam por temor de ficar mal socialmente ou serem punidas, mas pensam e sentem.
Trump, do qual se dizia que não conseguiria os delegados suficientes para obter a indicação do Partido Republicano e, se conseguisse seria barrado, já ultrapassou Hillary nas pesquisas. Sua identificação com o eleitorado se deve a alguns fatores como, por exemplo, a insegurança dos norte-americanos depois do trágico ataque de 2001 às Torres Gêmeas, o surgimento do Estado Islâmico e seus atentados terroristas, as alterações culturais e morais que esbarraram na ética tradicional.
Segundo análise de Peter Hakim presidente emérito do Diálogo Interamericano, publicada no O Estado de S. Paulo em 14 de fevereiro de 2016:
“Muito republicanos se sentem confusos e desconfortáveis com a legalização do casamento gay, com a legalização do uso recreativo da maconha e estão apreensivos com a imigração e as mudanças demográficas que estão transformando uma nação predominantemente cristã, branca e de língua inglesa, numa sociedade de múltiplas línguas, cores e culturas”.
Hillary foi oficializada como candidata presidencial do Partido Democrata. Na cerimônia Obama fez um discurso altamente elogioso para sua ex-secretária do Departamento de Estado Americano, hipotecando-lhe precioso apoio.
Curioso lembrar que em 2008, quando disputava a presidência da República com Hillary, “Obama dizia que ela era capaz de qualquer coisa para ser eleita, ironizava sua antipatia e a criticava por ficar do lado das grandes corporações, enquanto trabalhadores perdiam emprego” (Folha de S. Paulo – 28/07/2016). Ela retrucava dizendo que era perigoso alguém inexperiente como Obama chegar a tão algo cargo e o criticava por ter ligações com um empresário acusado de corrupção.
Na convenção de Filadélfia o clima era visivelmente feminista e no seu discurso, cercada por mulheres, disse Hillary: “deixe eu dizer que posso ser a primeira mulher presidente, mas uma de vocês será a próxima”. Em um cartaz era erguido estava escrito: “Madam Presidenta”.
Presidenta faz lembrar que tivemos pela primeira vez uma mulher eleita e reeleita. Aguardando seu impeachment ela foi a pior entre todos os demais presidentes, um pesadelo político que arruinou o Brasil.  Não dá para compará-la a Hillary, é claro, mas é bom lembrar que a seletividade com relação a homem ou mulher, branco ou negro, pobre ou rico, não é critério válido para definir alguém como ideal para um cargo público. O que se precisa é de uma pessoa competente, experiente, cujo objetivo se volte para o bem comum.
Quanto a Trump é bom dizer, que quem tem Lula não deve jogar pedra nos políticos de outro país. Mesmo porque, são os norte-americanos que decidirão quem deve ser seu presidente da República e não nós.
(*) Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga

PÉSSIMAS NOTÍCIAS DA ONU PARA LULA

A Organização das Nações Unidas (ONU) confirmou que recebeu a denúncia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o Brasil. Entretanto, a instituição alertou que o processo pode levar "pelo menos dois anos" para ser concluído e que existe uma fila de casos pendentes de mais de 500 outras pessoas.
A entidade explicou que a denúncia foi apresentada ao Comitê de Direitos Humanos. "Os funcionários do escritorio da ONU vão examinar a petição, fazer um resumo legal e enviar aos membros do Comitê para que avaliem", informou a assessoria de imprensa da ONU.
"Membros vão decidir se o caso pode ser registrado", indicou. Um dos critérios será se "todas as avenidas legais domésticas foram esgotadas". Se for registrado, o caso entra como os pendentes no Comitê.
A entidade se reúne três vezes por ano, com cerca de 40 casos a cada encontro. Existe a possibilidade de que um caso ganhe prioridade, mas somente se for de expulsão de um país ou alguém que esteja no corredor da morte. Do site do Estadão

JUIZ SERGIO MORO REPUDIA EM MANIFESTAÇÃO PÚBLICA 'LEI DO ABUSO DE AUTORIDADE' QUE RENAN E SEUS SEQUAZES QUEREM APROVAR NO CONGRESSO

O juiz federal Sérgio Moro, participa de manifestação em Curitiba (PR), com outros juízes, contra a lei que torna crime abuso de autoridade - 28/07/2016 - Foto: Veja
O juiz federal Sergio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato em Curitiba, repudiou em manifestação pública nesta quinta-feira o projeto de lei do abuso de autoridade, em curso no Congresso e que tem apoio expresso do senador Renan Calheiros (PMDB/AL).
O alerta de Moro ocorreu durante ato em frente ao prédio-sede da Justiça Federal em Curitiba, que reuniu procuradores da República, promotores do Ministério Público Estadual e magistrados.
Moro afirmou que se o projeto for aprovado as investigações, principalmente contra ‘poderosos’, serão barradas. “Haverá um efetivo risco às investigações, eu não digo aqui da Operação da Lava Jato porque isso transcende muito a Operação Lava Jato. Isso diz respeito à independência da magistratura, isso é válido para toda e qualquer investigação, presente ou futura.”
O projeto que define os crimes de abuso de autoridades estava engavetado desde 2009 e volta a tramitar no momento em que Renan tem em mãos pedidos de impeachment contra o procurador-geral da República Rodrigo Janot e em que o próprio Congresso está nas cordas devido aos sucessivos escândalos de corrupção e de inquéritos relacionados ao petrolão.
LEI GARANTE IMPUNIDADE
O texto que trata de abuso de autoridade enquadra delegados, promotores, membros do Ministério Público, juízes, desembargadores e ministros de tribunais superiores e prevê como pena até quatro anos de prisão e multa, além da perda de função da autoridade em caso de reincidência. O anteprojeto estabelece diversas situações consideradas como abuso de autoridade, como ordenar prisão “fora das hipóteses legais”, recolher ilegalmente alguém a carceragem policial, deixar de conceder liberdade provisória quando a lei admitir e prorrogar a execução de prisões temporárias.
O anteprojeto de abuso de autoridade também estabelece como crime ofender a intimidade de pessoas indiciadas, constranger alguém sob ameaça de prisão a depor sobre fatos que possam incriminá-lo, submeter o preso a algemas quando desnecessário e interceptar conversas telefônicas ou fazer escuta ambiental sem autorização.
“Para que os juízes possam atuar com independência, e isso especialmente em relação aos processos envolvendo pessoas poderosas, é importante que ao juiz seja garantido que as interpretações que ele realizar da lei e do direito não sejam criminalizadas”, prega Moro. “Por isso que a magistratura, com apoio das outras instituições, é especialmente contra esse projeto”, disse o juiz da Lava Jato. Do site de Veja

Sponholz: ONU entrevista Lula!


quinta-feira, julho 28, 2016

FESTA DE ARRROMBA: NA FAMOSA ADEGA DE LULA DO SÍTIO DE ATIBAIA DETONARAM UMA GARRAFA DE CACHAÇA E 15 CERVEJAS.

Ex-presidente Lula aparece em imagem extraída de uma mídia apreendida com o arquiteto da empreiteira OAS, Paulo Gordilho. No encontro detonaram uma garrafa de cachaça Havana e 15 cervejas. Na foto Lula saboreia a água louca em sua adega no sítio que ele afirma não lhe pertencer. Foto/reprodução: Veja
Mensagens encontradas no celular do arquiteto da OAS Paulo Gordilho revelam que o encontro que ele teve com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o então chefe da OAS Léo Pinheiro no sítio de Atibaia (SP) foi bastante descontraído. “Bebemos eu e ele uma garrafa de cachaça da boa Havana mineira e umas 15 cervejas”, detalhou o arquiteto sobre a reunião a um amigo no WhatsApp. A princípio, o encontro tinha como objetivo “dirimir dúvidas do casal Lula” em relação à reforma que seria feita na cozinha gourmet da chácara.
Pela troca de mensagens, Gordilho não saiu sóbrio do encontro. “Cheguei aqui cambaleando”, comentou ele, já justificando que não estava dirigindo. Em seguida,  afirmou que ficou de se encontrar com dona Marisa Letícia, mulher de Lula, na semana para “tirar umas ideias dela”. “Ele disse: companheiro, a Marisa já gosta se [sic] uma gambiarra”, completou.
Ao falar sobre o encontro que teve com Lula, Gordilho pediu antes de tudo “sigilo absoluto”. Depois, passou a contar animadamente sua história. Explicou que Lula e dona Marisa não estavam se entendendo sobre a reforma e que fora convocado ao sítio porque Léo Pinheiro fez propaganda sua ao homem (no caso, Lula).  “Disse ao homem que eu era o melhor arquiteto e engenheiro da empresa”. “Vixe já to me borrando todo [sic]”, comentou.
As mensagens foram anexadas ao inquérito que tramita contra Lula na 13ª Vara Federal de Curitiba, sob os cuidados do juiz Sergio Moro. O ex-presidente é investigado pela suspeita de ter recebido presentes das construtoras OAS e Odebrecht em troca de contratos obtidos da Petrobras. As duas empreiteiras realizaram obras no sítio Santa Bárbara, do qual Lula nega ser o proprietário, mas admite ser frequentador assíduo. Do site de Veja

JUVENTUDE CONSERVADORA PROMOVE ENCONTRO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

A Universidade Federal do Maranhão onde acontecerá o encontro da Juventude Conservadora da UFMA no dia 5 de agosto próximo
Com o advento da internet, das redes sociais e blogs e site independentes o jogo político e ideológico global se altera profundamente e numa velocidade sequer imaginada há pouco tempo. É que toda a grande mídia há anos vem sendo controlada pelo movimento esquerdista e essa hegemonia começou a esfarelar com a internet, quando as verdades sufocadas pela bandalha esquerdista vieram à tona.
Uma prova do que acabei de afirmar é o amplo movimento de grupos políticos conservadores, sobretudo de jovens estudantes que começam a furar o bloqueio dos esquerdistas nas universidades. Exemplo disso é o I Encontro da Juventude Conservadora da Universidade Federal do Maranhão que se realizará no Auditório Central da Reitoria da UFMA, no dia 5 de agosto próximo.
Os idealizadores do evento são integrantes do grupo Carcarás - Juventude Conservadora da UFMA, do qual fazem parte alunos da UFMA de diversos cursos, da Filosofia à Hotelaria, passando por Ciências Contábeis, Pedagogia e Letras. Entre os integrantes do grupo há alunos do Curso Online de Filosofia do professor Olavo de Carvalho, que tem exercido grande influência sobre o conservadorismo brasileiro atual.
Segundo o estudante Janilson Carvalho, a ideia de organizar o encontro nasceu da necessidade de sanear o debate acadêmico, por tanto tempo monopolizado pelo pensamento de esquerda e do descontentamento do alunado com o status quo que se estabeleceu dentro da academia.
Segundo Janilson, o encontro tem o objetivo não só de desmistificar o conservadorismo, mas também dar voz a um grupo de pessoas há muito mantida na periferia da vida acadêmica.
Entretanto, como já esperavam os organizadores do evento, os esquerdistas reagiram e houve até ameaças de ataques com coquetéis molotov no dia do evento bem como uma campanha ostensiva de difamação dos integrantes do Grupo Carcarás. Essa reação, segundo Janilson, decorreu da inusitada popularidade positiva do evento entre os estudantes.
PROGRAMA DO EVENTO
Programação:
I Encontro da Juventude conservadora da UFMA – O conservadorismo, a boa literatura e a alta cultura.

Organização: Carcarás – Juventude Conservadora da Universidade Federal do Maranhão
Com entrega de certificados para os participantes e sorteio de livros.
Local: Auditório B - CCH – Centro de Ciências Humanas – UFMA
DATA: 05 de Agosto de 2016
Apoio: Livraria e editora Resistência Cultural
Horário de inscrições: 08h00 (inscrições gratuitas)
Abertura: 09h00

09:10 - Palestra: Como ser um conservador no Brasil – Professor Dr. Wellington Lima Amorim
Doutorado pelo Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Catarina (2009). É Atualmente professor Adjunto III DE da Universidade Federal do Maranhão. Membro e sócio individual da Latin American StudiesAssociation (LASA). Professor do Mestrado de Ética e Epistemologia da Universidade Federal do Piaui. Professor do Mestrado de Psicologia da Universidade Federal do Maranhão.
10h00 – Palestra: A Arte Moderna ou Os Símbolos da Decadência: notas sobre a sensibilidade de nosso tempo – Adonay Ramos Moreira
Escritor, Adonay Ramos Moreira é graduado em Filosofia pela Universidade Federal do Maranhão, vencedor do Concurso Literário Cidade de São Luís, em 2013. Autor de 4 livros e atualmente escreve o quinto.
11h00 – Palestra: (William Blake, John Milton e Guimarães Rosa Rosa: a liberdade interior como base para um novo Brasil). – Martim Vasques Da Cunha.
É crítico literário, ensaísta e autor do livro A Poeira da Glória. Neste livro o autor faz um estudo histórico da literatura brasileira abordando sua perspectiva estética e moral.
12h00 – Almoço
14h00 – Palestra:
"Ideologia de gênero - mitos e realidades" - Elvis Amsterdã
Elvis Amsterdã do Nascimento Pachêco graduou-se em Filosofia pela Universidade Federal do Maranhão, com monografia sobre Mário Ferreira dos Santos (o maior filósofo brasileiro). Trabalhou como professor de várias instituições de ensino, como UFMA, UEMA, IFMA e SENAC
15h00 – Palestra: O conservadorismo e o Brasil – uma apresentação sumário - José Lorêdo de Souza Filho.
José Lôredo, livreiro e editor, fundador da Livraria Resistência Cultural Editora. Comissário do Círculo Monárquico Brasileiro – MA e membro do Núcleo Monárquico João Lisboa. Foi um dos fundadores do Expresso Liberdade. Cavaleiro da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém.
16h00 – Palestra: "Economia e Ordem Social" - Lourival Souza
Lourival Souza – Presidente do Expresso Liberdade, Diretor Cultural do Instituto Liberal do Nordeste – ILIN, Colaborador Acadêmico da Associação Cultural São Thomas More e Mestrando em Economia Política pela SMC University.
17h00 – Sorteio de Livros
17h15 – Encerramento e agradecimentos.

LULA E D. MARISA ORIENTARAM A REFORMA DO SÍTIO DE ATIBAIA, SEGUNDO LAUDO DA OPERAÇÃO LAVA JATO.

A Polícia Federal fez um levantamento completo do Sítio de Atibaia, incluindo inúmeras fotografias bem como laudos e notas fiscais relativas às reformas que contou com arquiteto da empreiteira OAS. Clique no link ao final do post para ver todos os documentos e fotografias.
A cozinha gourmet do sítio de Atibaia – cuja propriedade é atribuída ao ex-presidente Lula -,custou R$ 252 mil, informa laudo da Polícia Federal anexado aos autos da Operação Lava Jato. Os equipamentos foram instalados em 2014. A execução da obra, diz o documento, ‘foi acompanhada por arquiteto da empreiteira OAS, sr. Paulo Gordilho, e, segundo suas comunicações, com orientação do ex-presidente Lula e sua esposa’.
A cozinha gourmet do sítio de Atibaia – cuja propriedade é atribuída ao ex-presidente Lula -,custou R$ 252 mil, informa laudo da Polícia Federal anexado aos autos da Operação Lava Jato. Os equipamentos foram instalados em 2014. A execução da obra, diz o documento, ‘foi acompanhada por arquiteto da empreiteira OAS, sr. Paulo Gordilho, e, segundo suas comunicações, com orientação do ex-presidente Lula e sua esposa’. Do do site do Estadão - Clique AQUI para ver facsímiles dos documentos

Sponholz: Detonando a 'ex-presidenta'.


quarta-feira, julho 27, 2016

JUÍZES, PROCURADORES, PROMOTORES EM NÍVEIS ESTADUAL E FEDERAL PROMOVEM MEGA PROTESTO CONTRA RENAN CALHEIROS EM CURITIBA POR AMEAÇA À OPERAÇÃO LAVA JATO

Juízes federais, juízes estaduais, procuradores da república, promotores públicos, procuradores de justiça, delegados da Polícia Federal e estadual e servidores públicos vão realizar um ato nesta quinta-feira (28) contra o projeto de lei do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), que altera a Lei de Abuso de Autoridade (PLS 280/2016) para dificultar operações de combate à corrupção, como a Lava Jato e a Zelotes. O juiz Sérgio Moro, da força-tarefa da Lava Jato, confirmou presença.
Organizada pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), pela Associação Paranaense dos Juízes Federais (Apajufe), pela Associação Paranaense do Ministério Público (APMP) e pela Associação dos Magistrados do Paraná (AMAPAR), com o apoio de outras entidades, a manifestação terá início às 15h, na sede da Justiça Federal, na Avenida Anita Garibaldi, 888, no Bairro Ahú, em Curitiba (PR).
Para a Ajufe, vários dispositivos do projeto de lei do Senado Federal abrem a possibilidade de punição ao juiz pelo simples fato de interpretar a lei – o que atinge diretamente a independência e criminaliza a atividade judicial. No entendimento da Ajufe, o texto tem o objetivo de intimidar juízes, desembargadores e ministros, além de outras autoridades, na aplicação da lei penal, sobretudo em casos de corrupção que envolvam criminosos poderosos, políticos, empresários e ocupantes de cargos públicos.
“Sem um Judiciário independente os juízes não podem fazer seu trabalho e ficarão à mercê de poderosos, verdadeiros alvos dessas operações”, afirma o presidente da Ajufe, Roberto Veloso.
TODOS CONTRA RENAN
A iniciativa de Renan foi criticada por líderes partidários. Ronaldo Caiado (DEM-GO), Cristovam Buarque (PPS-DF) e Álvaro Dias (PV-PR) disseram que o momento não era “oportuno” para pautar o projeto, uma vez que vários congressistas, inclusive Renan, são investigados pela operação Lava Jato.
O líder da Rede, Randolfe Rodrigues (AP), chegou a dizer que o projeto tinha o objetivo de “intimidar” o Ministério Público e as investigações da Lava Jato. Em entrevistas, Renan Calheiros disse que aprovar a proposta não é uma tentativa de interferir nas investigações da Lava Jato.
A Associação dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) assinalou que o projeto que define os crimes de abuso de autoridade, em tramitação no Senado, é "inoportuno, porque este tipo de punição já é regulamentada". “É estranho que um projeto que trata de assunto já regulamentado ocupe a agenda no Congresso Nacional em um momento em que nosso país discute o aperfeiçoamento do combate à corrupção”, disse o presidente da ADPF, Carlos Sobral.
O procurador da República Deltan Dallagnol, da força-tarefa da Lava Jato, afirmou que o projeto tem por objetivo atrapalhar e dificultar a operação em curso. Ele destacou que os riscos da operação se intensificaram na medida em que as investigações passaram a atingir pessoas influentes e poderosas.
PETIÇÃO ONLINE BOMBANDO
Em apenas sete dias a petição Ajufe no site Avaaz coletou 68 mil assinaturas contra o projeto de lei de Renan Calheiros. Na petição online, a Ajufe convida todos os cidadãos do país a participarem contra o projeto de lei do Senado que muda as regras atuais da Lei, criminalizando, em alguns artigos, diretamente a atividade judicial (PLS 280/2016). As assinaturas chegam de todos os estados do Brasil e também há nomes de fora do país. Do site Diário do Poder

Sponholz: Olimpíadas, a herança maldita!