TRANSLATE/TRADUTOR

terça-feira, março 01, 2011

Ninguém acredita em cortes de gastos do Governo. A verdade é que a situação do Brasil não é nada boa.

Mais uma resposta à pressão do mercado para assegurar o superávit primário do que uma redução efetiva de despesas. Essa é a avaliação de analistas em finanças públicas sobre o detalhamento do corte de R$ 50 bilhões do orçamento de 2011 anunciado nesta segunda-feira pelo governo Dilma Rousseff. ( Leia também: Governo diz que não haverá concurso nem reajuste salarial este ano )
Para o estrategista de investimentos para a América Latina do Banco WestLB do Brasil, Roberto Padovani, o corte não representará uma diminuição nominal dos gastos, mas um arrefecimento no ritmo de seu crescimento. Apesar da ponderação, ele considerou positiva a iniciativa:
- O corte efetivo não existe. Estão cortando vento. Mas se o governo tivesse mantido o ritmo de gastos que estavam previstos, ele cresceriam junto do PIB. Agora as despesas devem crescer menos que o PIB. Isso é muito bom quando se olha para o que foi feito nos últimos dois anos.
Consultora em contas públicas e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Margarida Gutierrez também considera que haverá um ganho para o país se o governo conseguir frear o crescimento dos gastos correntes:
- Como o PIB vai crescer ainda 4,5%, 5% neste ano, o governo não precisa cortar em termos nominais a despesa, basta que ela cresça abaixo do PIB.
Já o professor do Departamento de Ciências Contábeis da Universidade de Brasília (UnB), Roberto Piscitelli, tem uma visão cética sobre as medidas anunciadas.
- O que eu acho é que há uma pressão muito grande do mercado no sentido de assegurar a obtenção e, até se for o caso, ultrapassar a meta de superávit primário. Mas, na realidade, nós não vamos gastar menos. À medida em que a Selic continuar aumentando, vamos gastar tanto ou mais para pagar juros - afirmou.
Margarida explicou que o avanço do corte sobre investimentos era previsível. Serão R$ 18 bilhões neste ano, segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega.
- O governo não tem tanta manobra para cortar, porque o orçamento é muito engessado. Cerca de 90% é com despesa obrigatória - disse.
Tão importante quanto reduzir o ritmo dos gastos é ter um sistema mais rigoroso de controle das despesas. Só assim, defendem os especialistas, o governo conseguiria uma gestão mais eficiente e não haveria necessidade de medidas imediatistas.
- Esse esforço que o governo está prometendo não é um programa de governo. Ele tem que fortalecer o sistema de auditoria e de controle dos gastos. Esses cortes não vão melhorar a qualidade do gasto público - disse Piscitelli, que questionou a decisão de cortar recursos para diárias e passagens aéreas:
- Tem que existir uma rotina, normas e mecanismos de acompanhamento que evitem possíveis desperdícios. Do portal do jornal O Globo

MEU COMENTÁRIO: Cadê os sólidos fundamentos da economia como apregoavam os petistas? A verdade é que a situação está feia. Não foi por falta de aviso. Agora não adianta chorar pelo leite derramado. Cadê aquerla fabulosa economia do Fundo Soberano? E a riqueza do pré-sal?

Uma boa pergunta para Lula e Dilma. Raparam o fundo do cofre para financiar uma eleição impossível.
Mas não me espantarei se daqui a pouco a Oposição somar esforços com os petralhas sob justrificativa salvacionista.

4 comentários:

Ferreira Pena disse...

Nosso Brasil infelizmente não tem jeito. Se o PSDB tivesse dado continuidade ao governo FHC, com os seis anos favoráveis do mercado internacional, estaríamos em outro patamar de desenvolvimento. Mas a maioria preferiu o Velhaco, com seu discurso sinuoso e enganador. Temos mesmo vocação para o fracasso. O Velhaco liquidou com a estabilidade econômica, nos deixando a inflação, que dona Dilma não vai controlar. Seria passar pelos mesmos momentos dificeis que o FHC passou. Os petralhas são populistas, preferem liquidar com o país a perder o poder. Estamos fritos.

gutenberg disse...

Prezado Aluizio, posso utilizar em meu blog as charges do Spon Holz? Citando a fonte, é claro.

Gutenberg
Laudaamassada.blogspot

Aluizio Amorim disse...

Sem problema, Gutenberg. Pode sim.

Closet* disse...

Sabiamos da situação não é?
Sabiamos da bomba que ia explodir
dia menos dia, sabiamos que a gastança ia dar nisso, que a marolinha do lula , esse canalha,
estava vindo devagar, quem entendeu se precaveu, não fez dividas.Pagou o que devia, enfim saneou as contas.
ELLes lá dentro do cofre da viuva sabiam mais que nós, mentiram enganaram um povo fdp safado e vagabundo como o nosso.
Isso que dá analfabeto votar elegem um malandro presidir um país, elle e sua imensa quadrilha.
Agora só D_us na parada.