TRANSLATE/TRADUTOR

quinta-feira, agosto 20, 2015

PREMIÊ GREGO ACREDITOU EM LULA, COLOCOU A GRÉCIA NO BURACO E AGORA ANUNCIA RENÚNCIA.

Lula no encontro com Tsipras em 2013, convenceu o grego que existe almoço grátis. O grego fez que acreditou, enganou seus patrícios, colocou a Grécia no buraco e agora vai saindo 'à francesa'. Como convém aos comunistas.
Em 2012 o atual primeiro-ministro da Grécia, o esquerdista Alex Tsipras, veio ao Brasil para para um encontro com Lula e a turma do Foro de São Paulo. O encontro aconteceu no tal "Instituto do Lula". Naquela oportunidade Lula, como não poderia deixar de ser, colocando-se como "líder máximo" do Brasil recomendou ao parlamentar grego que mandasse ver. 

E não é que o grego acreditou no Apedeuta? Deu no que deu. Quando a acaba o dinheiro dos outros os comunistas, socialistas e esquerdistas de todos os matizes, dão no pé. É o que está fazendo Alexis Tsipras que acaba de renunciar ao cargo de primeiro-ministro.

Segundo consta, os gregos, caíram na conversa fiada dos comunistas de que existe almoço grátis e o céu é ali adiante.

12 comentários:

Anônimo disse...

Que a rainha da mandioca siga o exemplo!

Anônimo disse...

todo mundo que da ouvidos para esse escroto acaba no buraco, nao importa que tipo seja...

a família do Celso Daniel sabe bem...

Anônimo disse...

Ele foi eleito em Janeiro, a merda feita não só na Grecia mas em todo mundo Ocidental, que são as superdividas soberana são de alguns anos e não é voltado para corrente politica e sim para os politicos desonestos o único país emergente com um nível de PIB alto que não se encontra endividado é a Russia.

samuel disse...

pelo menos ele RENUNCIA, mostrando que tem um mínimo de dignidade e a Dilmandioca o que tem?

Anônimo disse...

Aluizio, aqui é meu porto seguro...

ja viu o que anda rolando no Antagonista?

o "trio de três" esta empenhadíssimo em dinamitar o único que fez mais contra o petismo em tao pouco tempo do que toda a oposição durante esses 12 anos de petismo...

deve ser tudo pra provar isenção jornalistica...

argh...

Claudia Barbara disse...

A Grécia já sofreu muito nas mãos de aproveitadores. Merece coisa muuuuuito melhor. Um país tão lindo, local de origem da democracia, não dá para ficar refém de bandidos.

Rose disse...

O primeiro ministro grego ouviu conselhos do grande estadista brasileiro, imagino quanta sabedoria, discernimento, bom senso... enfim, deve ter sido de grande apreço tais conselhos, dados a ele como um generoso presente, de grego lógico...

Finish them! disse...

Esse era o outro comentário que dá vontade de ver na capa de Veja: "Comunistas quebram a Grécia e agora chamam a direita pra consertar!"

Anônimo disse...

Foi perguntar ao Luleco que fazer para quebrar o país, como ele tem feito no Brasil, e como continuar no poder!
Luleco é um excelente cãoselheiro!

samuel disse...

Minha filha esta em St Petersburg, Rússia (os russos são grosseiros e mal educados – se entender em inglês com eles é o mesmo que xinga-los). Ao lado está a Estônia. A Estônia está na União Europeia e no Euro. Ela viu na Estônia sinais de riqueza recente, o dinheiro barato do Euro promovendo o desenvolvimento.
O euro é uma barreira à dominação da Europa pela Rússia e como tal deve ser defendido pelos não aliados da Rússia. Fica o combate ao Euro para as esquerdas anti-ocidentais. Quero explicar assim o regozijo existente entre os "intelequituais" pelo suicídio da Grécia. A Ucrânia quer entrar no Euro. Está sendo obstada militarmente pela Rússia, tal a percepção Russa atual sobre o Euro e que os esquerdistas gregos (y otros más) fazem coro. Os que compreendem o esforço feito pela Europa para se ver livre da ameaça Russa e para colocar racionalidade nos governos, devem repetir:
LONGA VIDA PARA O EURO!

Anônimo disse...

E o que os filósofos da esquerda tem a comentar sobre isso? A ideologia nunca será párea para realidade...

Ferreira Pena disse...

A Grécia é um dos países pode-se dizer, sub desenvolvidos da Europa.Apareceu um Lula por lá, e a m. foi feita, e a crise como a nossa, não atingiu ainda o ápice. O pior não aconteceu ainda.