TRANSLATE/TRADUTOR

terça-feira, setembro 29, 2015

O DISCURSO

Por Olavo de Carvalho
Transcrito do site Mídia Sem Máscara
Nada ilustra melhor o estado de coisas numa sociedade do que a linguagem dos seus homens públicos. Aprendi isso com Karl Kraus e até hoje não vi esse critério falhar.
Num de seus últimos discursos, o comandante do Exército, general Eduardo Villas-Boas, afirmou que as Forças Armadas estão conscientes da atual “derrocada dos valores”, mas que sua missão é preservar acima de tudo a “estabilidade” e a “legalidade”. Ora, se o poder instituído é ele próprio o agente principal da derrubada dos valores – coisa que ninguém mais pode razoavelmente negar --, preservar sua estabilidade é garantir-lhe os meios de continuar a demolir esses valores tranqüilamente, imperturbavelmente, impunemente, sob a proteção de fuzis, tanques e navios de guerra pagos com o dinheiro do povo que ele espolia e engana. É a estabilidade da destruição.
Não creio que essa fosse a intenção subjetiva do general, mas é o sentido objetivo que suas palavras adquirem no contexto real. Lido nessa perspectiva, seu discurso é mais uma amostra do emocionalismo psitacídeo em que se transformou a fala brasileira nas últimas décadas, no qual as palavras valem pelas nuances emotivas associadas diretamente ao seu significado dicionarizado, independentemente dos fatos e coisas a que fingem aludir. Em termos de linguística, o significado usurpa o espaço do referente, que desaparece nas brumas da inexistência.
Quando à segunda expressão, “legalidade”, ela não tem nada a ver com a ordem legal substantiva, já destruída há tempos e que só subsiste na função de referente suprimido: ela visa apenas a marcar a diferença entre os militares de hoje e os de 1964, exigência indispensável do código “politicamente correto” contra o qual o general havia acabado de resmungar umas palavrinhas desprovidas de qualquer efeito objetivo até mesmo sobre o seu próprio discurso.
O general Villas-Boas não é nenhum imbecil e com certeza não é um homem desonesto. O que caracteriza o presente estado de coisas é precisamente que até os homens honestos e inteligentes começam a falar na linguagem dos cretinos e cretinizadores, pelo simples fato de que já não há outra disponível.
A finalidade dessa linguagem é construir aquilo que Robert Musil e, na esteira dele, Eric Voegelin, chamavam de “Segunda Realidade”, uma espécie de mundo paralelo feito inteiramente de significados dicionarizados e sem nenhum fato ou coisa dentro. Uma vez removida para a Segunda Realidade, a mente humana já não serve como instrumento de orientação na realidade genuína, mas conserva apenas duas funções essenciais: o engano e o auto-engano, que passam a vigorar como “ações políticas”, com resultados previsivelmente bem distintos das intenções alegadas.
Os dois milhões de manifestantes que foram às ruas protestar em março e setembro, com o apoio de noventa e três por cento da população, diziam e berravam da maneira mais clara os nomes dos inimigos contra os quais se voltavam: PT e Foro de São Paulo. Centenas de videos do youtube confirmam isso de maneira incontestável.
A Constituição Brasileira, Título I, Art. 1o., alínea V, parágrafo único, estabelece: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente.” Que significa esse “ou diretamente”? Significa que os representantes eleitos, ocupantes do Executivo e do Legislativo,  são um “poder instituído”, o qual, por definição, não se sobrepõe jamais ao “poder instituinte”, a massa popular que o criou e que conserva o direito de suprimi-lo a qualquer momento pela sua ação direta.
Como, dos sete por cento que ainda apoiavam o governo àquela altura, seis o consideravam nada mais que “regular”, o apoio substantivo de que ele desfrutava  era de apenas um por cento. Nunca um governo foi rejeitado de maneira tão geral e avassaladora. Com ele, eram rejeitados também os ajudantes diretos e indiretos que o mantinham no poder contra a vontade do povo: congressistas omissos, juízes cúmplices, mídia chapa-branca.
O povo, em suma, voltava-se frontalmente contra o “sistema” como um todo, sabendo-o aparelhado  a serviço do esquema comunolarápio e do Foro de São Paulo, a maior organização subversiva e criminosa que já existiu na América Latina, empenhada em colocar o roubo, o homicídio, o narcotráfico e a mentira em doses oceânicas a serviço da ambição de poder total, não só sobre o país, mas sobre o continente.
O termo “estabilidade” designa uma qualidade, não uma substância. Estabilidade é sempre de alguma coisa, isto é, de uma ordem ou sistema. Ora, nas passeatas de março e setembro havia claramente duas ordens ou sistemas em confronto. De um lado, a ordem normal e constitucional, em que a maioria absoluta da nação, manifestando sua vontade de maneira direta e inequívoca, exigia o fim das entidades criminosas, PT e Foro de São Paulo. Do outro lado, o sistema federal de exploração, manipulação, roubo e auto-engrandecimento insano. De qual dessas duas ordens o general desejaria “manter a estabilidade”?
Ele não esclareceu esse ponto, que é a substância mesma do assunto nominal do seu discurso. Preferiu o adjetivo sem substantivo, como aliás é de praxe no Brasil de hoje. Acredita piamente ter dito alguma coisa porque a sua linguagem, coincidindo com os usos gerais do dia, soa bem aos seus próprios ouvidos e aos de todos aqueles que não precisam da realidade, só de palavras.
Não creio ser demasiado pessimista ao prever que, enquanto os homens inteligentes e honestos continuarem falando na linguagem que os charlatães inventaram para seu exclusivo uso próprio, o Brasil continuará vivendo na Segunda Realidade, onde um governo criminoso apoiado por um por cento da população constitui a “ordem”, e sua manutenção no poder por juízes e congressistas comprados é a única forma de “estabilidade” possível.

21 comentários:

Anônimo disse...

Deputados do PMDB querem censurar a internet e ler suas mensagens

http://veja.abril.com.br/blog/mercados/mercado-de-ideias/deputados-do-pmdb-querem-censurar-a-internet-e-ler-suas-mensagens/


Vamos aniquilar a ditadura do PT e seus lacaios liberticidas com toda a força do povo brasileiro! A ditadura petista vai morrer em breve!

Anônimo disse...

Nada mais são que palavras colocadas na boca do general. Apenas desculpas para o comodismo.

O Libertário disse...

Texto DEMOLIDOR. Por explanações como esta é que o Olavo é escondido do grande público e "ignorado" pelos "intelectuais" tupiniquins.

Anônimo disse...

Aluízio,

Chegará o momento da impossível manutenção do status quo mesmo que se utilize da primeira, segunda ou terceira realidade. Fatos são fatos. Não fosse a morte de Tancredo Neves e a intervenção do gal. Leônidas garantindo a presidência a um vice não empossado, a chamada nova república muito provavelmente teria tomado rumos mais decentes. É impossível se tapar o sol com uma peneira, mesmo sendo general. Acredito mais em Olavo de Carvalho do que em qualquer membro do governo brasileiro, seja do executivo, legislativo ou judiciário. Olavo de Carvalho tem a lucidez e a sabedoria dos sábios.

Índio Tonto/SP

Anônimo disse...

As palavras do General, no meu entender, foram bastante ambíguas.Um discurso desses,saindo de um militar de alta patente, não pode deixar dúvidas,tem de ser claro e objetivo.Ele sabe que o povo brasileiro é bastante heterogêneo em cultura e conhecimento,principalmente em interpretação de textos.

Anônimo disse...

O texto do Olavo é excepcional e em parte foi o que depreendi, quando li as palavras de meia tigela do Comandante do Exército. Um discurso de gás neutralizante.
Em quinze anos nunca vimos ser dado destaque para Reuniões de Alto Comando. Por quê agora? Que imagem querem passar?
Procurem ler o que aconteceu no Camboja, em Bangkok, em que uma 'bruxa' e seus sequazes foram simplesmente expulsos do país.
É muita covardia.

Cavalaria Ligeira

Tadeu Correia disse...

Na atual conjuntura todos entendem de tudo. Se você está doente vai ao médico. Se você quer construir uma casa procura um engenheiro. Se você quer acabar com políticos corruptos e que querem implantar o comunismo você procura quem? O povo ou as Forças Armadas (FA)? Estrategicamente as FA só devem ser empregadas como o último ato, seria incongruência cognitiva faze-lo antes da hora.
A Polícia Federal e o Juiz Sérgio Mouro está fazendo seus papéis, o povo precisa aprender a fazer o seu papel constitucional.
Sobre o Olavo de Carvalho considero que: (1) o homem para demonstrar sua força e sabedoria não precisa ser deselegante e grosseiro; (2) falar mal das FA só fortalece o comunismo, cai bem com sua origem comunista; (3) em lógica temos um axioma que diz ser falsa toda universal, o Olavo trilha o caminhos dos conceitos universais. Ele substituiu seus conceitos baseados nos caminhos do valor pela arrogância dos caminhos do contra-valor.

Anônimo disse...

inteligentes?? honestos??

kkk...

Finish them! disse...

Olavo de Carvalho, demolidor! again and again..

Anônimo disse...

Caro Aluízio
Essa manutenção do poder com base nos políticos alugados e juizes comprados não haverá de prosperar, já que não há mais dinheiro para essas estravagâncias. Se a Anta insistir em agir desta forma, a única que aprendeu, jogará o País mais rapidamente no abismo. Falidos já estamos.
Esther

Anônimo disse...

E tem gente que fica pedindo a tal "intervenção militar". Os militares da ativa não pensam como os da reserva, e quem manda são os da ativa.
Melhor tomar muito cuidado com isso, porque é capaz de acontecer como na Venezuela, e os militares agirem é a favor do governo. Tenho é medo dessa conversa de "intervenção militar", porque o tiro pode sair pela culatra. Como está expresso em nossa Constituição "todo poder emana do povo", e é o povo que vai ter que se manifestar e exigir que nossas "autoridades" cumpram com seus deveres e atuem de forma lícita. A palavra final e quem deve decidir é o povo brasileiro.

marco aurelio de nigris boccalini disse...

Tadeu, por que você não tenta contra-argumentar com o próprio Olavo de Carvalho? Tenta, vai!!!? Te dou o maior apoio. Vai, vai vai...

SUCRIS disse...

Realmente um discurso e tanto!O velho é bom mesmo no saber e sua verborragia contagiante,ela sempre se desdobra!Porém ser grotesco socialmente e estar sempre chamando atenção sobre ser o P das galáxias,afasta aqueles que intelectualmente se aproximam.Mas tb discordo e acho até estranho,depois de todo o discurso passar a mão no cangote do general afirmando que é probo, inteligente,não sei...quem escorregou desse modo como esse general fica difícil de afagar e designar tais virtudes,acabou sendo,principalmente da forma como ele mesmo se interpreta,meio paradoxal ao discurso.

Anônimo disse...

Voces imaginam uma manifestacao so com DESEMPREGADOS? Pois e', as ruas do Brasil ficariam tomadas.
NO ENTANTO, os desempregados, por falta de tempo ou excesso de covardia, praticamente nao comparecem; quem vai (IMENSA MAIORIA) sao os que estao EMPREGADOS, MICRO EMPRESARIOS e mais alguns outros.
Brasil terra de frouxos que so' resmungam, cobram da oposicao ao mesmo tempo que so' a ataca colaborando com os petralhas, mas POUCOS tem atitudes. E, pasmem, muitos desempregados estao 'por enquanto' felizes com a indenizacao recebida. Pra concluir, a venezuela,argentina, equador, paises de povos de sangue QUENTE foram aniquilados.......

Anônimo disse...

Mais uma vez o OC omite a última parte do dispositivo constitucional citado (a expressão "nos termos desta Constituição", após o termo "diretamente")induzindo seus leitores em erro de direito.

Ele não precisa disso. Lamentável.

E "nos termos desta constituição", o povo somente pode, do ponto de vista jurídico, exercer o poder diretamente, através de plebiscito, referendo e iniciativa em projetos legislativos (art.14).

Que ele esteja pregando ação direta popular, vá lá. Mas fundamentar sua tese na CF, deformando-a, é desonestidade intelectual.

A direita não precisa ser desonesta, repito.

Carlo Germani disse...

Algumas ponderações sobre os militares tupiniquins:

1-Nos anos 60,os militares combateram a luta armada com eficiência,e só.
2-Deixaram que TODOS os comunistas se infltrassem por dentro do Estado e da sociedade (revolução Gramsciana).

3-Os militares de 1964-1985,governaram o país sem qualquer projeto verdadeiro de nação.
Jamais esclareceram à população o que significa o comunismo.

PS:É inútil esperar de militares alta cultura e intelectualidade.
Não possuem vocação e grandeza para isso.

4-Para impedir que Leonel Brizola chegasse à presidência da República
gestaram na estufa da ditadura,através do mago negro Gen.Golbery,o fantoche-farsante Lula.

PS:Como a maioria da população é oportunista-materiaista-existencialista e ávida pela insanidade populista com forte programa assistencialista,aceitar a fraude humana e política de Lula foi fácil.

5-Em 1985,ao dar posse ao canalha José Sarney,o Gen.Leônidas,pela falta de cultura e intelectualidade,deu o ponta-pé na fraude da redemocratização fundamentada no populismo-assistencialismo sem limites.E deu no que deu:décadas perdidas e nenhum projeto de nação.

6-Sob o comunista de carteirinha (travestido de liberal) FHC,os militares engoliram suavemente o início do desmantelamento das Forças Armadas,com a criação (agenda do "senhores donos do mundo"-Oligarquia Financeira Mundial)do inútil,insensato e fraudulento Ministério da Defesa (que em poucos dias será comandado pelo comunista Aldo Rebelo).Pode?

7-Década após década,os militares consolidaram a conivência e subserviência à canalha esquerdista-cominista.

(...)

Apelar para que os militares das atuais gerações façam demonstrações
de que evitarão a tomada total do poder pela corja comunista (todas)
existente,é ato de imbecilidade total.
AS FFAA já eram.

Os militares são "verdes por fora e vermelhos por dentro" (comunistas).

Os militares estão cooptados totalmente pelo petismo-comunismo.
Tem as digitais no caos generalizado atual que iniciou em 1985 com a fraude da redemocratização.

PS:Olavo de Carvalho:

Já escrevi que o problema de Olavo é de ordem moral.
Não adianta enaltecer a sua cultura e intelectualidade ignorando a
moral.

Olavo,distante do Brasil há mais de 15 anos (reside nos EUA-Virginia)
considera que há um movimento imenso de protesto na população (um por cento do eleitorado foi às ruas).Mais uma idiotice de Olavo.

Olavo ao propalar a insanma "democracia direta",jogando as instituições no lixo,prova que está ficando "gagá" ou a sua imoralidade perdeu todos os limites.

Como disse o anônimo acima,fundamentar sua tese na deformação (na verdade destruição) da Constituição Federal,é desonestidade intelectual.

PS2:Olavo no seu narcissimo sem limites e sempre em ação para destruir os que o questionam fez mais uma vítima: Julio Severo.
Julio Severo foi axincalhado por Olavo no Twitter.

PS3: Meia dúzia de cartazes nos protestos passados com "Olavo tem razão",foram suficientes para que a sua vaidade sem fim passe dos limites.

BRASIL: Uma fraude de país.

Anônimo disse...

Todas as críticas feitas a Olavo de Carvalho são periféricas ao fato de que ele foi o primeiro (e durante muito tempo, o único) a mostrar a atividade planejada pela esquerda para tomada e manutenção do poder no Brasil e América Latina à revelia de sua população, que não atina com o alcance das práticas esquerdistas para suas convicções éticas e morais.

Carlo Germani disse...

Re-Anônimo de 01/10/2015

Todas as críticas feitas a Olavo não são periféricas.

Olavo denunciou o Foro de S.Paulo,mas foi incompetente para se fazer respeitar e seguir.
Em décdas de "pregação" não impediu a ascensão do petismo-comunismo e seu trágico legado de fraudes,farsas,engodos e corrupção.

É arrogante ao se considerar o único com capacidade de questionar e denunciar o que está oculto (FSP,no caso).
Parte do princípio de que fora ele,todos os demais são imbecis coletivos que não tem qualquer acuidade cultural-intelectual para decodificar o sistema.

Ademais,Olavo é igual ao comunista caviar Oscar Niemayer: ambos são
portadores do "traço único".
Niemayer no uso e abuso das curvas imutáveis.
Olavo no tema único Foro de S.Paulo.

PS:Desafio Olavo a pregar aqui no Brasil suas insanas idéias de usar a agressão física contra o sistema e jogar no lixo as alternativas constitucionais através da fraude da "democracia direta".




Anônimo disse...

A função de um jornalista não é impedir a instalação de uma realidade, mas a denúncia do perigo, e isso Olavo disse que fez a vários representantes da elite cultural, institucional e moral da sociedade brasileira. Cabia a essa elite avaliar o assunto ao invés de, por tanto tempo, desvalorizar o alerta do risco do gramscismo. Nesse ponto, Olavo está certo em considerar essa elite intelectualmente inapta para a liderança social, com todas as consequências que a população sofrerá por isso.
Penso que Olavo chama de imbecis os que se contentam em fazer avaliações superficiais da realidade, não se dedicando ao estudo árduo que a liderança no mundo moderno requer de seus integrantes.
Não é preciso concordar com tudo o que Olavo sugere para a solução de um problema, mas só quem estuda a fundo essas questões pode rebater seus argumentos com propriedade, e produzir luz para a situação brasileira, que é o objetivo final de toda essa discussão. Porque é inegável o amor de Olavo de Carvalho pelo Brasil.

Carlo Germani disse...

Anônimo de 2/10/15 disse:

Observação importante:parabenizo o leitor-comentarista anônimo pela
classe na maneira de se expressar.Deu seu recado sem agressões e linguagem chula (padrão Olavo).

Meus comentários sobre o que disse:

1-A função do jornalista não é impedir a instalação de uma realidade,mas a denúncia do perigo ...

Meu comentário (MC):Os jornalistas tem a vaidade do defeito (além da
ignorância,má-fé e oportunismo peculiares)de retratar tudo que é FATO.
São incompetentes em decodificar o que está oculto.

2-Olavo fez contatos com os representantes da elite cultural,
intelectual,moral (...).

MC:Olavo errou no foco.A própria elite (que de nada tem com moral,cultura e intelectualidade) é parte do sistema.
O foco correto é a formação de opinião na população.

Um trabalho amplo informativo do que significa o Foro de S.Paulo,a Revolução Gramsciana (a tomada do poder por dentro do Estado e da sociedade),o engodo e fraude da ideologia socialista/comunista,...,
com linguagem simples para extinguir a ação dos canalhas de todos os tipos.

A grande massa da população é composta de imbecis coletivos pelos motivos principais:

-A falta de comhecimento e por seguinte sabedoria.
(massa de jumentos iletrados)
-Tem como meta de vida o existencialismo-materialismo-consumismo.
A vida para ela é ter o carro do ano,um monte de quinquilharias eletrônicas (a pagar pela vida toda) e ostentar o que não é.
Não leram um livro na vida.
-É oportunista e ávida de que o Estado lhe proporcione o paraíso sem
participação alguma.Somente direitos e nenhuma obrigação.
-São os legítimos "homens-massa" de Ortega Y Gasset,que precisam ser liderados,sem personalidade e individualidade (vide obra de Gasset em "A Rebelião das Massas".

PS:Por que a grande massa perante a destruição do país pelo petismo-comunismo (na verdade o caos atual é legado de décadas de ausência de um verdadeiro projeto de nação)está PASSIVA? Ora,porque reza pela manutenção do engodo lulista sem perder privilégios.

3-"Não é preciso concordar com tudo o que Olavo sugere..."
MC:É evidente que Olavo tem seu valor cultural-intelectual que deve ser reconhecido ( o cara faz isso há 40 anos,não poderia ser diferente),mas o meu questionamento com Olavo é de ordem moral.
Olavo neste campo não difere em nada da canalha política/empresarial/intelectual existente.
Olavo para alimentar seu ego doentio,usa e abusa de "que os fins justificam os meios".
PS:Vide o que Olavo faz com que lhe questiona.

5-"Olavo estuda a fundo as questões ..."
MC:Ora,Olavo,como já disse,é igual a Niemayer,ambos gênios de um traço só.
Olavo,passa longe do tema Nova Ordem Mundial (governo único ditatorial e totalitário mundial),por exemplo.

6-"Olavo tem amor pelo Brasil"
MC:Olavo está se lixando para o Brasil.
O único interesse de Olavo é se autopromover e tirar o máximo disso.
PS:Por que Olavo não retorna ao Brasil para aqui praticar o seu "amor" pelo Brasil?






Anônimo disse...

Jornalistas reportam fatos. Cabe aos analistas decodificar as motivações ocultas. Olavo se dirigiu a uma elite moral, intelectual e cultural que ele supôs que ainda estivesse no poder econômico e institucional e, quando constatou sua extinção, tratou de criar uma nova elite que, numa segunda fase, está fazendo a formação da opinião da população. Sua atitude, comentando nos espaços da internet, é exemplo desse espraiar da informação para os menos formados/informados. Se tiver um método de passar amplamente essas informações intrincadas de maneira simples , estamos ansiosos (inclusive Olavo) para que seja posto em prática o quanto antes. Na atualidade, ninguém é protagonista solitário das soluções para a complexidade do mundo.
Sempre coube a uma elite elevar o padrão moral, espiritual e intelectual do povo, mas a tragédia atual é haver uma elite que implanta exatamente o contrário. Nesse sentido, Olavo é um cavaleiro lutando uma batalha que, pela desproporção de meios, pareceria perdida. Mas ele acredita que a sinceridade toca o senso de justiça de muitas pessoas, e é com essas que ele conta para manter o bem no mundo.
Não é preciso questionar Olavo; basta, com a clareira que ele abriu, criar suas próprias soluções no bem, e passar o bastão adiante para os que vierem.
Admiro o gênio de um ou de vários traços, e penso que se deva aproveitar a contribuição que podem dar para a resolução dos problemas do Brasil.
Olavo cita os três grupos em disputa pelo poder no mundo.
Só ele pode aquilatar a dificuldade que encontrou para permanecer em sua terra após divulgar um esquema de tomada de poder escamoteado (até hoje) por todos os grandes meios de comunicação, devendo haver formas menos complicadas de se promover. Penso que o seu sofrimento com a situação brasileira é semelhante ao de Olavo, cada um reagindo à sua maneira. É preciso juntar forças, não dispersar, porque a esquerda está sempre unida nos seus objetivos.