TRANSLATE/TRADUTOR

sábado, março 12, 2016

O THRILLER DO PETROLÃO: UM BILHETE QUE LIGA O DOLEIRO A DILMA E MAIS UM LIVRO-BOMBA DE ROMEU TUMA JR. E CLÁUDIO TOGNOLLI.

No dia 29 de abril de 2014, quando começou a atuar como informante da Polícia Federal, a contadora de Alberto Youssef, Meire Poza, forneceu à Lava Jato uma série de documentos recolhidos por ela nos escritórios do doleiro. Um deles, se divulgado à época, poderia ter efeito devastador sobre a campanha à reeleição de Dilma Rousseff. Trata-se de um bilhete escrito de próprio punho pelo doleiro em que ele menciona a presidente. No alfarrábio, o nome de Dilma aparece próximo a valores.
O bilhete fatídico: mistério intrigante. Clique sobre a imagem para vê o bilhete ampliado.
Guardado a sete chaves pela Lava Jato, o manuscrito de Alberto Youssef atravessou a campanha presidencial incógnito e assim permaneceu até agora. ISTOÉ teve acesso com exclusividade ao documento. Na atual circunstância política, – com a presidente cada vez mais isolada e impassível diante da crise e das denúncias envolvendo sua campanha, – a anotação do doleiro renova o seu potencial explosivo. O bilhete é a principal revelação do livro Assassinato de Reputações II – muito além da Lava Jato – de autoria do delegado Romeu Tuma Jr, previsto para ser lançado nesta semana.
É a primeira vez que surge uma prova ligando Dilma ao doleiro. No manuscrito, a referência à Dilma é o segundo item abaixo do registro “1.000.000 Bsb” (um milhão Brasília). Ao lado do nome da atual mandatária do País aparece o número 17, a palavra viagem e ao que tudo indica ser um horário “16:30”. No primeiro item, Youssef refere-se a um “novo embaixador”. Na sequência, ele sugere o desembolso de alguma quantia: “1.000 – Pagar 50”. Para a secretária do doleiro, profunda conhecedora dos submundos do Petrolão, uma das explicações para o apontamento de Youssef seria “algum pagamento que deveria ser feito à Dilma”. 
O novo livro-bomba de Romeu Tuma Jr. e Claudio Tognolli deve ser lançado nesta semana que se inicia. 
De acordo com relato da contadora, ao receber o papel, em abril de 2014 na Superintendência da PF na Lapa, em São Paulo, o delegado Márcio Anselmo, da força-tarefa da Lava Jato, vibrou: “Que coisa maravilhosa”, teria dito, segundo testemunho dela que consta do livro Assassinato de Reputações II. Ao presenciar a cena, Meire pensou na hora: “Dilma estava no esquema”. Anselmo estava acompanhado do agente Rodrigo Prado. Tanto o manuscrito citando Dilma como os demais documentos entregues por Meire foram acondicionados no porta-malas de uma Range Rover Evoque, apreendida pela Lava Jato e agora a serviço da PF. 
No dia seguinte, o agente Prado enviou um email à contadora de Youssef: “Nossa conversa foi muito boa. Vamos mantendo contato por aqui”. Começava ali o trabalho de Meire Poza como uma espécie de agente infiltrada da PF. Ao longo de mais de um ano, até meados de setembro de 2015, a contadora municiou os policiais federais com uma série de informações relevantes. A maioria delas foi considerada pelos integrantes da Lava Jato na hora de produzir provas contra envolvidos no esquema de desvios na Petrobras. 
Os relatos se revelaram cruciais para a deflagração de operações que vieram a seguir. Estranhamente, o bilhete em que o doleiro menciona a presidente teve outro destino. Nunca foi incorporado às provas da Lava Jato. Além de não aparecer no e-Proc, sistema de consulta dos processos da força-tarefa, ISTOÉ apurou que o documento nunca foi encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR) – caminho obrigatório e formal de qualquer indício ou prova envolvendo um presidente da República. “Esse manuscrito nunca apareceu por aqui”, assegurou na semana passada à reportagem de ISTOÉ um alto integrante da PGR que se debruçou sobre o material relativo ao doleiro Alberto Youssef. 
Para Romeu Tuma Jr, Palácio do Planalto atuou para retardar início da Lava Jato. Foto: IstoÉ.
Para Romeu Tuma Jr, o episódio é um claro indicativo de que possa ter havido pressão do Planalto para abafar o caso. “É uma indicação forte de que houve uma tentativa de proteger Dilma”, afirmou Tuma Jr. à ISTOÉ. Hoje, no momento de maior fragilidade da presidente, desde a posse, em que as discussões sobre o impeachment ganham força e vigor, tanto a revelação do bilhete, escrito pelo doleiro, como as suspeitas de mais uma interferência do Planalto na Lava Jato contribuem para tornar a situação da petista ainda mais delicada. Clique AQUI para ler a íntegra desta reportagem que vale a pena

4 comentários:

Anônimo disse...

os esquerdistas alucinados americanos estao tocando o terror nos comícios do Trump...

o que essa gente vai fazer la num lugar cheio de republicanos a nao ser provocar e exibir sua intolerância?

essa gente da esquerda so entende democracia quando sao eles que mandam e estão no poder...

na possibilidade de virem a perder esse poder, se transformam rapidamente em fanáticos delinquentes e agitadores sem limites...

é o mesmo filme que se passa hoje no Brasil...

Anônimo disse...

Ouvi a entrevista da Sra. Meire Poza hoje na Jovem Pan, sobre o novo Livro de Romeu Tuma Jr.

Ela comentou sobre todas as informações fornecidas a PF na epoca, e disse, ainda, que se tivessem vindo à tona em 2014, provavelmente Dilma não teria sido eleita.

Uma falha gravíssima!

Esta senhora desqualificada e ilegitima no governo diz que não irá renunciar. Então o Brasil a enxotará!

Dia 13/3 será o dia do: IMPEACHMENT É NOSSO!!!!

Vá as manifestações: Se você não for, ela fica!!!!




Chris/SP

Anônimo disse...

Valeu tuma junior, TUMA JUNIOR QUERIA FICAR FRENTE A FRENTE COM LULA JA HA TEMPO, ELE ESTEVE NA TV NO PROGRAMA RODA VIVA, DEU UMA BELA ENTREVISTA, ELE CONHECE BEM LULA, ELE E SEU PAI FALECIDO, MAS LULA NAO RESPÓNDEU UM PIO ATE HOJE, ELE ERA DELEGADO E VIU O CORPO DO PREFEITO DO PT JOGADO NO MEIO DA RUA APOS A MORTE, O CELSO DANIEL QUE FOI SEQUESTRADO, TORTURADO E MORTO, TUMA JUNIOR ERA DELEGADO NA EPOCA, MUDARAM ELE ATE FOI P OUTRA DELEGACIA LONGE DO CASO , QUE BARBARIDADE, ELE TAMBEM DIZ NO LIVRO ASSASSINATO DE REPUTAÇOES Q LULA ERA DEDO DURO -ENTREGAVA POSSIVEIS GREVES E REUNIOES SINDICAIS DE SEUS PROPRIOS COLEGAS

Anônimo disse...

Boa Noite Aluizio ! Chegou a hora brava gente brasileira ! Avante ! Viva a liberdade ! O momento é agora !

Ouçam a música que eu fiz e por favor ajudem a divulgar, tem tudo a haver. Quem sabe ela ajude um pouco a Dilma sair Dilma vez por todas. Grato !

https://www.youtube.com/watch?v=MRTcRX6xeAQ