TRANSLATE/TRADUTOR

quarta-feira, janeiro 18, 2017

COM O BREXIT E DONALD TRUMP NO PODER EUA E REINO UNIDO VOLTAM A FORMAR A ALIANÇA MAIS PODEROSA DO MUNDO

Donald Trump espera estar em posição de oferecer ao Reino Unido um acordo de livre comércio dentro dos "primeiros seis meses ou primeiro ano" de sua administração, diz Anthony Scaramucci, o famoso empreendedor e 'host' do programa Wall Street Week e que servirá como o Diretor de Relações Públicas e Assuntos Intergovernamentais do governo Trump.

Falando à ITV News, o fundador da SkyBridge Capital confirmou que o plano atual é "entrar na Casa Branca e fazer com que o presidente seja empossado e então tomar as medidas necessárias para garantir que o Reino Unido passe para a linha de frente e não permaneça no final da fila no que tange a negócios e acordos comerciais.

A referência de Scaramucci ao "final da fila" foi uma cututucada no presidente cessante Barack Obama que ameaçou deixar os britânicos no final da fila de espera de um acordo comercial se votassem em favor de deixar a União Européia. É que submetida à UE a Inglaterra estaria impedida de realizar acordos comerciais por conta própria. Teria caso se submeta aos burocratas da União Européia que não permitem que os países membros possam fazer os acordos comerciais livremente.

O fato de Obama ter utilizado a palavra "fila" ('queue' em inglês britânico), que é incomum no inglês americano, levantou suspeitas de que ele tenha sido influenciado pelo ex-premiê David Cameron. Neste caso, a decisão de Scaramucci é colocar o Reino Unido em primeiro lugar.

Os comentários positivos de Scaramucci vêm logo após o presidente eleito se comprometeu a obter um acordo comercial "feito rapidamente e feito corretamente", após Brexit, em uma entrevista com o The Times de Londres, congratulando-se com o público britânico sobre a sua decisão de deixar uma União Européia que é, segundo ele, "basicamente um veículo para a Alemanha ".

"Vemos o vínculo de relacionamento único e especial que esses países e pessoas têm entre si", disse Scaramucci à ITN, ecoando os sentimentos expressos pelo próprio Trump.

"Eu sou um grande fã do Reino Unido", disse o líder republicano, lembrando sobre o orgulho de sua mãe escocesa em relação à Rainha.

Perguntado sobre como ele pensava que o presidente eleito continuaria com a UE no cargo, Scaramucci revelou otimismo. "Muito melhor do que a UE pensa. Eu o conheço muito, muito bem, e eu entendo exatamente o que ele está pensando, e eu entendo sua bondade e sua natureza gregária e seu charme - ele realmente quer se dar bem com o resto do mundo ".

No início da semana, porém, Scaramucci alertou os participantes da atual conferência de Davos na Suíça de que "a liderança europeia e as elites européias ... deveriam prestar maior atenção às famílias da classe trabalhadora e da classe média".

Ele também reiterou a opinião do presidente eleito de que os membros europeus da OTAN devem começar a "pagar suas contas" e reorientar seus esforços para conter as ameaças do "terrorismo islâmico". Do site Breitbart em tradução livre do Inglês - Click here to read in English

8 comentários:

Anônimo disse...

é, mas a May esta feito barata tonta, afirmando que o RU sai da UE mas que ao mesmo tempo quer manter o que ela chama de acordos...

basta ver os pontos em debate sobre o Brexit...

mercado comum?
- O RU sai mas quer fazer "acordos" com a UE

questao aduaneira?
- o RU sai mas quer fazer um "acordo" com a UE

permanencia de cidadaos britanicos na UE?
- o RU sai mas quer fazer um "acordo" com a UE

uai, que diabos de independencia é essa?

é do tipo "o importante é levar vantagem em tudo"?

vamos ser sinceros, o RU queria permanecer na UE, mas sacrificaram a sua permanencia unica e exclusivamente por causa da imigração, tanto europeia como de outros continentes...

o governo britanico esta perdido, mas nao pode deixar transparecer que nao sabem para onde estao indo...

Anônimo disse...

ENQUANTO ISSO, O TRAIDOR OCIDENTE DEIXA OS CRISTÃOS ÀS FERAS NO ORIENTE MEDIO!
Um país que permite a imigração muçulmana corre serio risco pois ela não se adapta ao modo de vida daqui, detesta os cristãos e, quando mais numerosos, querem se impor na marra, AGINDO COMO OS BLACK BLOCS.
Muitas periferias na Europa, como na França, Suecia, Alemanha, Italia etc., a SHARIA está imposta e se tornaram guetos fechados que nem as policias entram, senão são agredidas.
Eles e os vampiros comunistas - aliás são aliados - são farinhas dos mesmo saco!
Não adianta ambos chiarem: TRUMP acabará com a farra!

Anônimo disse...

Os acordos são necessários principalmente porque a saída da UE é muito recente e há muitos britânicos trabalhando/residindo em outros países da UE e vice-versa. E também, porque entre vizinhos, acordos sempre são benéficos para os dois (ou mais) lados.

caricas disse...

Tanta bobagem o que este cara, anonimo, sem apresenter se, está escrevendo. Não se sabe nada de Europa, Estados Unidos, Alemanha. Não se sabe nada de economia (talves fazer uma economia num bar de esquina)

Anônimo disse...

Caricas: deixe de ser caricato e confira o gatestoneinstitute, Breitbart, unmondesansislam, AA e varios outros não comprometidos com as esquerdas e acorde para a realidade!
Se conhecesse a Europa ao vivo, mesmo a Espanha, não escreveria uma dessas, tá?

Anônimo disse...

nao, nao, os acordos nao sao necessarios do ponto de vista das regras da UE...

as regras para paises que deixam o bloco europeu sao bastante claras: fora significa fora...

tanto que nao é a UE que esta a propor acordos com o RU, mas sim o contrario, o que demonstra o quanto os britanicos sabem que irao perder ($$) ao sair do mercado comum europeu...

tanto que os bancos europeus ja comecaram a preparar a sua retirada de solo britanico sem propor "acordo" algum, pelo menos ate agora, porque eles conhecem as regras...

alias, a reticencia do RU em acelerar o processo de saida demonstra claramente que foram pegos de supresa com o resultado do plebiscito e nao sabem exatamente o que fazer...

o RU so permanece ainda na UE por conta exclusiva do governo britanico, que ja poderia ter acionado os instrumentos necessarios e caido fora do clube dos vizinhos que tanto o incomodam...

achar que seria simples trocar o mercado europeu pelo mercado americano, ai sim, é nao entender de economia...

despachar um navio carregado de carros britanicos para uma Alemanha, me parece ser muito mais barato do que fazer o mesmo para os EUA, tanto do ponto de vista logistico-geografico, como do ponto de vista audaneiro...

e nao estou dizendo que o RU vai ser largado na rua da amargura com a sua saida da UE, pois cada um vai achar o seu proprio caminho com suas perdas e ganhos...

agora, que vai ficar muito mais dificil para os britanicos acharem, por exemplo, britanicos que queiram trabalhar na area de colheita de, sei la, batatas, ah, isso vai!, pois sao funções que nao exigem qualificação, e os sem qualificação no RU tem muito mais vantagens em fazer filhos para viver do gigantesco e generoso sistema de beneficio social do RU do que em ralar todos os dias no campo...

nesse processo vamos ver quantos britanicos barrigudos pro-Brexit que reclamavam imenso da tomada dos empregos pelos poloneses irao sair do sofá para ocupar essas vagas...

o futuro dirá...

Adriana Oliveira disse...

Muito bom e essa união vai ajudar o ocidente a acabar com a farra comunista.

Anônimo disse...

Quanta alegriiiiiiiiiaaaaaa pelo despacho de BARCKOKÔ OBAMERDA!!
Até que enfim, o grande esterco do Ocidente, o fétido Barackokô Obamerda está sendo posto para fora do poder - ele mesmo cavou sua sepultura e não adianta chutar a porta - ela não teve culpa!
Ele foi o propulsor de todos os regimes esquerdistas e islamitas mundo afora, e breve teremos para urros dos muçulmanos pela mudança de Tel Aviv para Jerusalém!
Essa será deles arrancarem os cabelos, pisarem nas calças e se jogarem predio abaixo!