TRANSLATE/TRADUTOR

terça-feira, julho 04, 2017

INDEPENDENCE DAY: COM TRUMP O RESGATE DOS VALORES DA AMÉRICA E DO MUNDO OCIDENTAL


O Dia da Independência dos Estados Unidos - Independence Day of The Fourth of July - é data mais importante para os cidadãos norte-americanos, porquanto celebra a Declaração de Independência de 1776, ano em que as Treze Colônias declararam a separação formal do Império Britânico, dando origem para aquele que seria, como de fato é, a maior potência econômica, cultural e política do planeta.
A razão desta postagem aqui no blog vai além de um simples registro histórico como foi no passado recente quando o gigante norte-americano fora sedado com altas doses de estupidez esquerdista pelo assanhado e deletério movimento globalista politicamente correto que chegou ao auge nos 8 anos de mandato de Hussein Obama. Lembrem-se que ‘globalismo’ não é ‘globalização’. O primeiro é ação política tendente à destruição da civilização Ocidental, enquanto o segundo tem viés econômico que turbina o comércio em nível internacional. O globalismo, grosso modo, significa um passo decisivo rumo a um ‘governo mundial’ e a derrubada das fronteiras, o que implica, de forma inelutável, numa tirania sem fronteiras.
O ponto de inflexão nesse plano diabólico foi marcado com a vitoriosa campanha de Donald Trump que o levou à Presidência dos Estados Unidos. Trump, um magnata, poderia muito bem continuar jogando golfe nos campos bem aparados de Mar-a-Lago, o seu resort particular em Palm Beach. Entretanto, resolveu comprar a briga, ou seja, a luta pela restauração e resgate - vejam só - de valores que não são pecuniários, mas culturais. Afinal, é no âmbito da cultura que habitam os valores que suportam os pilares da civilização ocidental cujo emblema maior é a liberdade no seu sentido mais amplo. E não é nenhum exagero afirmar que os Estados Unidos  têm sido historicamente o grande fiador da liberdade que tipifica o Ocidente. Emblema disso é ter livrado a Europa da tirania nazi-fascista e defendido o Ocidente contra o avanço assassino do comunismo levado a efeito pela ex-URSS.
Numa análise ligeira é isto que representa a ascensão de Donald Trump que em pouco mais de 100 dias de governo se transformou no maior líder global, embora tenha contra si toda a grande mídia internacional.
Quem tiver memória razoável pode comparar os ambientes político, econômico e cultural do planeta antes e depois de Donald Trump. Esse mesmo impacto é medido no âmbito doméstico dos Estados Unidos por recente pesquisa conferindo a Trump o apoio de 50% do povo norte-americano.
Por tudo isso é que faço o registro do Independence Day, quando a novamente pujante nação norte-americana volta a comemorar em alto estilo esta data. Afinal, é o próprio Presidente Donald Trump, nas redes sociais, que exalta a efeméride. Na sua página do Facebook, onde tem milhares de seguidores, o Independence Day tem destaque especial.
Fosse Donald Trump presidente dos Estados Unidos em 1959 será que Cuba e os cubanos teriam caído nas garras do comunismo assassino de Fidel Castro? 

13 comentários:

Anônimo disse...

tem mais noticia boa!!!!!!!

Documentário pernambucano sobre filósofo Olavo de Carvalho vence o 21º Cine PE

http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/documentario-pernambucano-sobre-filosofo-olavo-de-carvalho-vence-o-21-cine-pe.ghtml

merece um post, Aluizio!

é difícil romper o cerco da corja nessa area...

precisa ser muito bom pra conseguir vencer o regime segregacionista montado pela esquerdalha da area de cinema...

e eles, professor e diretor, venceram!!!

Anônimo disse...

"Emblema disso é ter livrado a Europa da tirania nazi-fascista..."

pois é, a Europa, essa senhora de muitos anos de existência, parece que não aprendeu nada com o episodio da II Guerra e esta, de novo, dando mole para regimes totalitários, dessa vez disfarçado de religião...

ai la irao os "cowboys broncos americanos" resgatar novamente os iluminados da esquerda europeia de terem de rezer cinco vezes por dia...

Anônimo disse...

Os vermelhos devem estar estrebuchando depois do boicote que fizeram e da palhaçada que armaram
O Jardim das Aflições, foi vencedor nas categorias de Melhor Filme (júri oficial e júri popular) e Melhor Montagem no CINE-PE 2017!

Parabéns a toda a equipe!

Anônimo disse...

As esquerdas já não sabem o que fazerem com Trump para o desmerecer, parecendo que os termos desqualificantes estão cessando!
Porém, ele conhece esses babacas e estúpidos com bastante profundidade, suficiente para lhes dar o troco de acordo com o merecimento e suas investidas contra eles, esses desmiolados classificam de louco, demente etc., sentindo que dessa vez acharam um superior a eles e partem para a apelação!
Os comunistas a todo momento incidem no: "CHAME OS OUTROS DO QUE V É E ACUSE OS OUTROS DO QUE V FAZ" - Lênin.
Desde a entrada de Donald Trump na presidencia dos EUA que os esquerdistarados estão apanhando igual vaca no feijão!

Anônimo disse...

Off topic
AJUDE A ESPALHAR. É GRAVE!
O projeto de lei do PT de preço fixo do LIVRO é o golpe mais sério que o Brasil irá sofrer! Ninguém não está nem aí para esse projeto. Ele está tramitândo rápida e tranquilamente. Uma vez aprovado, acabará a liberdade de livre circulação das ideias em livro no Brasil. Esta lei dará um poder absurdo ao governo de fiscalizar cada uma das editoras, distribuidores, revendedores e importadores de livros. Uma vez interrompidos os canais de livre circulação dos livros, acabou completamente a chance de recuperação da alta cultura do país. Minha audiência no facebook é zero, então por favor, se vc tem apreço pelo país, espalhe essa mensagem e ajude a impedir que esta lei seja aprovada. A dona da lei é a querida senadora Fátima "é gópi" Bezerra, do PT.
https://pt-br.facebook.com/carvalho.olavo/

Anônimo disse...

Avançou no Senado Federal um Projeto de Lei que promete ser extremamente desfavorável ao comprador de livros no Brasil. O PL 49/2015 apresentado pela senadora Fátima Bezerra (PT-RN) cria o "preço-fixo" para os livros publicados ou importados para o país. Com relatório favorável do senador Lindebergh Farias (PT-RJ) ele já está pronto para ser votado na Comissão de Constituição de Justiça da Casa.

Se aprovada, a lei obrigará que as editoras determinem um preço a ser respeitado por todos os livreiros durante um ano. Dar descontos ou criar promoções serão práticas proibidas. Quem desrespeitar a legislação poderá pagar uma multa de até 250x o preço-fixo do livro.

De acordo com Bezerra, o projeto promove "bibliodiversidade" e protege o consumidor. De alguma forma, proteger o consumidor se transformou em obrigá-lo a pagar mais caro por um produto. A bibliodiversidade, por sua vez, parece ser o novo nome para uma velha prática: a criação de privilégios estatais para grupos de interesse que não procuram melhorar seus serviços.
Com o projeto, o consumidor pobre perderá duas vezes. Pagará mais caro e continuará sem livrarias físicas perto de si. Morando nas periferias, ele está longe dos tradicionais pontos de venda de livros ou em uma cidade que simplesmente não os têm, até então, podia se beneficiar dos preços baixos praticados pelos sites de e-commerce, agora, pagará mais caro para manter vivas livrarias nos bairros nobres. De fato, lê-se pouco em nosso país. Muito disso se deve ao fato que boa parte dos brasileiros não sabe ler. De acordo com o Instituto Paulo Montenegro, apenas 8% dos brasileiros são proficientes em português, sendo capazes de ler e se expressar plenamente independente da forma em que a informação foi apresentada.

Em nosso país, a média de livros lidos por ano só não é mais baixa porque crianças são obrigadas a ler livros didáticos na escola. É inconcebível que, diante deste cenário, aumentar o preço das obras publicadas no Brasil seja pensado como uma solução. Até os próprios proponentes sabem que a ideia não é boa e abriram uma exceção: editoras e livreiros poderão vender por um preço mais baixo se a compra for feita pelo estado. Mais uma vez, todo mundo conseguiu um privilégio, menos o consumidor

---https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/119760

menta:
Institui a Política Nacional do Livro e regulação de preços.

Explicação da Ementa:
Institui a política nacional de fixação do preço do livro, estabelecendo regras para a comercialização e difusão do livro, e definindo infrações, penalidades de multa pecuniária e ação judicial. Todo livro receberá da editora precificação única por prazo de 1 ano, a partir de seu lançamento ou importação. Constituem infrações praticar tratamento não isonômico aos comerciantes intermediários e a oferta de livros a preços inferiores ao estabelecido.


Hmm... onde na historia vimos controles de preços por parte do governo gerando um desastre economico e precos mais altos? Se apenas pudessemos aprender com os erros do passado....

PT trabalhando duro para continuar a destruir o pais e acabar com a educacao ja precaria... brasileiro ja le pouco, assim entao... quanto mais burra a populacao, melhor.

http://www.hardmob.com.br/cotidiano-cultura-politica/665037-maisestadomob-projeto-de-senadora-do-pt-propoe-precos-fixos-de-livros-no-brasil.html

Anônimo disse...

Cidadãos e cidadãs, Aluízio? Baixou a Dilma???? :)

Marcelo Rodrigues Cunha disse...

Viva Trump!
Viva Duterte!
Viva Bilsonaro!

Aluizio Amorim disse...

Salve Anônimo!
Valeu! Já vou corrigir essa contaminação politicamente correta! hehehe...

Anônimo disse...

voces sabem por que a esquerda sempre parece maior do que é?

porque eles sabem fazer o barulho certo na hora certa e nao deixam escapar nada...

o filme do professor Olavo foi o vencedor do festival de cinema e, como esperado, as chamadas nas ditas grandes midias foram menores do que as sobre o rebolado da Gretchen num videoclipe gringo ai qualquer...

nem no Antagonista, onde o Moura Brasil entrevistou o professor, fizeram um post de miseras linhas como é de costume por la...

é isso ai entao, uma conquista verdadeiramente hérculea como essa passa em branco, quando deveriamos fazer o barulho necessario para chamar a atenção dos que ainda nao conhecem o professor...

Anônimo disse...

OLAVO TEM RAZÃO
"TODA a ciência política do mundo ensina o que o Trump deveria fazer. PRIMEIRO desarmar os inimigos e garantir o controle da máquina estatal, DEPOIS fazer as reformas. O homem está seguindo a ordem inversa.

Como o Obama cometeu o crime de "forgery" ANTES de assumir a presidência, um simples processo-crime num tribunal do interior bastaria para quebrar-lhe a espinha. Mas TODO juiz a quem se solicitou a abertura de semelhante processo se cagou de medo e pulou fora da raia. Um novo presidente na Casa Branca poderia dar aos juízes a garantia contra perseguições.

Enquanto não consentirem em estourar esse velho furúnculo que não têm sequer a coragem de ver, não creio que haja salvação para os americanos.

Depois que o país consentiu em ser governado oito anos por um agente islâmico com documentos falsos, querer proteger as fronteiras é uma comédia, uma farsa abjeta.

Mais degradante ainda é deixar que o homem que investigou e provou o crime -- o xerife Joe Arpaio -- seja punido em vez do criminoso.
Um dia as culpas acobertadas voltarão, como numa tragédia grega, para cobrar as velhas dívidas com juros pesadíssimos."https://pt-br.facebook.com/carvalho.olavo/

Anônimo disse...

Respondendo ao último parágrafo do artigo:
Teriam! Se os sionistas globalistas quisessem, sim.

Eduardo

Ferreira Pena disse...

Queria ver o vagabundo do Lula num encontro com Trump. Só de ver a fera se borraria todo, ô sujeito safado.