TRANSLATE/TRADUTOR

sexta-feira, junho 29, 2018

REPORTAGEM-BOMBA DA REVISTA 'ISTOÉ' REVELA AS ENTRANHAS DO ESQUEMA DOS MINISTROS DO STF PARA ENTERRAR A OPERAÇÃO LAVA JATO


Sob o comando de Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes, a 2ª Turma do STF acelera a revisão de condenações e escancara as grades para a libertação de políticos presos. A pressa não é à toa: em setembro, com a mudança da correlação de forças no colegiado, o jogo pode virar a favor da Lava Jato.
Nos corredores do Supremo Tribunal Federal, um sentimento une desde alguns ministros até os auxiliares mais modestos. Aumenta o número de pessoas que começam a acalentar o sonho da chegada do mês de setembro. Não exatamente porque a entrada da primavera ameniza o clima seco que já começa a sufocar Brasília. No STF, a esperança de mudança de clima é outra. Setembro marcará o momento em que a atual presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, passará o cargo para o ministro Antônio Dias Toffoli. E ocupará o lugar dele na 2ª Turma de julgamento, aquela que os advogados apelidaram de “Jardim do Éden” pela forma camarada, para dizer o mínimo, com que costuma tratar os réus. Nas últimas semanas, a 2ª Turma tornou-se o foco principal de uma franca guerra interna no Supremo, que vem comprometendo a credibilidade da Corte. Na terça-feira 26, o “Jardim do Éden” atuou para rever diversas ações importantes da Operação Lava Jato. A já bem conhecida tríade formada por Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski atuou para confrontar a Lava Jato com uma verdadeira “Operação Libera a Jato”. Na prática, consolidou-se uma política de grades abertas – e sem mesuras. Colocou em liberdade o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Soltou também o ex-tesoureiro do PP João Claudio Genu. Tornou nula uma operação de busca e apreensão no apartamento da senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente do PT – uma semana depois de absolvê-la.
Suspendeu a ação penal movida contra o deputado Fernando Capez (PSDB-SP), acusado de corrupção e lavagem de dinheiro em um esquema conhecido como “máfia da merenda”. Toffoli ignorou mesmo o fato de Capez ter trabalhado em seu próprio gabinete no STF. Desconsiderou que a óbvia e estreita ligação entre os dois deveria impedí-lo de julgar. Com a ausência na terça 26 do ministro Celso de Mello, a porteira foi escancarada, literalmente: a tríade isolou o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, impondo-lhe uma escalada de derrotas.
Clique sobre a imagem para vê-la ampliada
No Supremo, consolida-se a impressão de que os três ministros da 2ª Turma combinaram “limpar a pauta”. Ou seja, montaram uma articulação destinada a rever o máximo de condenações e decisões possíveis enquanto dominam o quórum. Ciente do quadro favorável, o ex-presidente Lula ingressou na quinta-feira 28 com um pedido para lá de esdrúxulo. Por meio do advogado Cristiano Zanin apresentou um novo requerimento a fim de que a segundona do STF atropele o relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin, e retome o julgamento de seu pedido de liberdade. Fachin havia decidido enviar ao plenário o julgamento sobre a validade ou não a soltura de Lula. Para dar celeridade, e evitar um novo golpe, descartou até a opinião do Ministério Público. Cabe agora à ministra Cármen Lúcia, presidente da corte, definir a data. Lá, com o time completo, os 11 em campo, a história em geral é outra: Lula já foi derrotado pelo placar apertado de 6 a 5. Na 2ª Turma, as chances do triunfo na peleja são imensamente maiores, por óbvio. Para Zanin “o pedido de liminar deverá ser analisado por um dos ministros da 2ª Turma do STF, conforme prevê a lei (CPC, art. 988, par. 1o)”. Resta saber se Lewandowski e companhia terão a audácia de passar a patrola sobre o colega.
Mais um 7×1 contra o brasil
Se o fizerem, há consideráveis chances de êxito, como se viu na terça-feira 26, quando Fachin viveu seu dia de 7 a 1, só que pelo lado dos derrotados. Primeiro, os três ministros decidiram anular provas colhidas na Operação Custo Brasil, um desdobramento da Lava Jato em São Paulo, que apura desvios de pelo menos R$ 40 milhões no Ministério do Planejamento com a participação da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo. Por 3 a 1, a Turma acolheu um pedido da defesa de Gleisi, que questionava a realização de buscas e apreensões no apartamento funcional da senadora em Brasília. Os ministros argumentaram que um juiz de primeira instância não poderia determinar a busca em um imóvel funcional sem aval do Supremo. Lewandowski teceu duras críticas à operação: “É um absurdo um juiz de primeiro grau determinar busca em apartamento de uma senadora. Isso é inaceitável”. A decisão, porém, beira o surrealismo ao instaurar uma espécie de “foro privilegiado em imóveis funcionais”, ou seja, apartamentos que só podem ser alvos de buscas com autorização do Supremo. “Novidade jurídica: foro privilegiado de imóveis”, ironizou a procuradora da Lava Jato no Paraná, Jerusa Viecili. A Operação Lava Jato está concretamente ameaçada. STF deve ser o guardião da Constituição e não da injustiça e impunidade. “Enquanto todos secavam a Argentina, a maioria da 2ª Turma faz 7 a 1 contra a Lava Jato. Ops, não marcamos nem mesmo um”, lamentou o decano da Lava Jato, Carlos Fernando Lima.
O convescote de Dirceu
Na mesma sessão, Gilmar, Toffoli e Lewandowski confirmaram a soltura do lobista Milton Lyra, apontado como operador do MDB. Em seguida, decidiram ir contra o entendimento do plenário da Corte, que autoriza a prisão após condenação em segunda instância, e soltaram o ex-tesoureiro do PP, João Claudio Genu, e o ex-ministro José Dirceu. Ambos já foram condenados pelo TRF4, mas restou entendido que as penas ainda poderiam ser revistas por recursos pendentes. Entre a decretação de sua prisão pelo juiz Sergio Moro e a soltura pelo STF, Dirceu passou menos de 40 dias preso na Penitenciária da Papuda, em Brasília. Na quarta-feira 27, o petista promoveu um animado convescote em sua residência, no Sudoeste, região nobre de Brasília, durante o jogo do Brasil, regado a cerveja e petiscos variados.
Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

A sessão continuou com mais resultados que levam os brasileiros a crer que criminosos poderosos recebem tratamento diferenciado no Poder Judiciário. Para o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, “os ministros Gilmar, Toffoli e Lewandowski desrespeitaram a autoridade do plenário do STF, que autorizou prisão após decisão de segunda instância. Tentaram disfarçar, mas a violação é clara. Caso se exigissem requisitos de prisão preventiva (que aliás estão presentes), não seria execução provisória”.
Na tarde de quinta-feira 28 foi a vez do ministro Marco Aurélio Mello mandar soltar outro preso de alto calibre: o ex-deputado e ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Mas como ele coleciona mandados de detenção, em ações às quais responde por corrupção e lavagem de dinheiro, Cunha permanece na cadeia, onde se encontra desde outubro de 2016 por decisão do juiz Sergio Moro.
Como se nota, Fachin ao lado de Cármen Lúcia tornaram-se ilhas de resistência, em meio ao libera geral que equipara certas togas ao que há de pior no Legislativo e Executivo, onde imperam fichas-sujas. No Judiciário, descobre-se agora, coabitam os togas sujas – aqueles que preferem sujar as próprias mãos e a indumentária de ministro a aplicar a lei.
O Brasil não é a terra da pizza, seus traçados não formam uma bota, mas está cada vez mais parecido com a Itália. Lá, como aqui, tudo começou quase por acaso puxando o novelo de um escândalo menos estrepitoso de corrupção político-empresarial que envolveu o líder dos socialistas de Milão, Mario Chiesa. Ele aspirava à prefeitura da cidade e exigia dinheiro sujo das empresas em troca de concessões de obras públicas. Foi então que um grupo de juízes, liderado por Antonio Di Pietro, uma espécie de Sergio Moro italiano, descobriu que a corrupção era como cupim a carcomer o sistema político como um todo. Como na Odebrecht, foram encontradas planilhas com as cifras oferecidas a partidos e políticos. Praticamente todos os partidos políticos teciam a grande e intrincada teia da corrupção, embora quem operasse os fios da corrupção fosse o Partido Socialista (PSI) que, com Bettino Craxi, havia alçado pela primeira vez ao poder. Entre as centenas de políticos condenados, Craxi e seu partido representaram a alma do esquema. O líder socialista acabou condenado a 17 anos de prisão, mas desertou para um exílio na Tunísia, onde terminou seus dias. Também lá, como aqui, Craxi atacou com virulência os juízes e posou de perseguido político. A trama foi revelada como um câncer comandado por um partido a infestar a classe política, mas degenerou em frustração para os italianos e na aprovação de leis que neutralizaram as punições aplicadas pela Justiça. O risco, aqui, se impõe a partir do comportamento de próceres do Supremo. “Infelizmente, o cenário é muito preocupante porque a similitude com o que ocorreu na Itália com o que está ocorrendo aqui é muito grande. As reações da classe política lá são exatamente as mesmas reações da classe política aqui. As frases são iguais. É impressionante. O ‘Judiciário quer criminalizar a política’ é uma expressão usada lá e depois usada aqui”, lamentou Rodrigo Chemim, procurador de Justiça do Ministério Público do Paraná, para quem a população está meio saturada de ouvir falar em escândalo. “E aí é o momento que os políticos aproveitam para aprovar leis que no final de contas neutralizam os efeitos da investigação”.
Joaquim Falcão e o peso da palavra intermediária: “isso torna o País juridicamente inseguro”, diz ele
Em setembro, quando Toffoli sair de campo e adentrar aos gramados Cármen Lúcia, a tendência hoje ali favorável aos réus tende a se inverter. Cármen, Fachin e Celso de Mello passarão a formar a maioria que hoje está nas mãos de Toffoli, Gilmar e Lewandowski. O que preocupa a todos é a insegurança jurídica que esse clima de guerrilha traz, com decisões sendo modificadas apenas por conta da composição que detém a maioria nas turmas. Como escreveu o professor de Direito Constitucional Joaquim Falcão, o que pesa hoje no STF não é tanto “a palavra final”, do plenário, mas a “palavra intermediária” das turmas e dos ministros. As diversas mudanças de decisões são perigosas. “Isso torna o País inseguro juridicamente”, considera Falcão. Por isso, a dança de cadeiras no foro restrito é considerada mais importante que a chegada de Toffoli à Presidência da corte. Mesmo no comando do STF, ele preside um colegiado. Não pode agir contra a maioria. Seu poder concentra-se mais na definição da pauta. Como hoje as seções intermediárias do Supremo têm sido mais importantes, é na 2ª Turma que a Lava Jato e o processo de saneamento do País nutrem tempos de esperança. Se até setembro a tríade libertadora não colocar tudo a perder. Do site da revista IstoÉ

20 comentários:

Anônimo disse...

Como interromper o caminho de destruição dos psicopatas?
Pagando o mal com o bem? Não.
Amando os inimigos? Não.
Perdoando setenta vezes sete? Não.
Então, como parar os perversos?
Simples, exterminando-os. Os débeis não aceitam esta verdade e os facínoras agradecem.

Ferreira pena disse...

O que fazer para acabar com essa vagabundagem sem limites?

Alexandre, The Great disse...

Concordo com o comentário do primeiro "anônimo".
Curto e grosso... simples assim!

Anônimo disse...

Só baixamos a cabeça nos curvamos e nos submetemos.

Anônimo disse...

Infelizmente só o extremo. Precisamos EXTERMINAR, cabardar com esse câncer.Alguém precisa fazer essa raça de exemplo, mas quem faria essa bênção?

Ultra 8 disse...

Karl Marx, o satanista anticristão, era judeu.

Os ex-presidentes eleitos pelo "seleto" povo brasileiro, pós diretas já, foram : Fernando Collor de Mello, F.H.C., Lula e Dilma.


95% dos ministros do STF, bem como os ex-presidentes , todos são, sem exceção, judeus...


Eles são os protagonistas da NOVA ORDEM MUNDIAL SIONISTA/COMUNISTA/FASCISTA.


O quê esperar de um país que vota e tolera judeus ladrões???


P.S. Lula, é um "cristão novo".


CURIOSIDADES DO TALMUD :

Judeus devem roubar e matar não-judeus

Sinédrio 57a. Quando um judeu assassinar um gentio (“Cuthean”), não haverá pena de morte. O que um judeu rouba de um gentio, ele pode guardar.

Baba Kamma 37b. Os gentios estão fora da proteção da lei, e Deus, “expôs seu dinheiro a Israel.”


Judeus podem mentir e enganar a não-judeus

Baba Kamma 113a. Judeus podem usar mentiras (“subterfúgios”) para contornar um gentio.

Anônimo disse...

NADA DISSO, GENTE, O QUARTETO DOS RATOS PRÓ PT DO STF COMEÇAM A SE DISPERSAR, E COMO!
NInGUÉM AGUENTA A PRESSÃO DAS REDES E RUAS, SE ESSAS FOREM NECESSARIAS DE VOLTAR A ELAS e a peste lula continuará preso!
*Urgente: Gilmar arquiva ação que tentava suspender prisão em 2ª instância
Gilmar Mendes mandou arquivar a ação do PT e do PC do B que pedia liminar para que os tribunais de todo o país suspendessem as decisões que determinaram prisão após condenação em segunda instância, informa o site Jota.
Os partidos entraram ontem no Supremo com uma ADPF (arguição de descumprimento de preceito fundamental), em face de “ato omissivo” de Cármen Lúcia.
Eles queriam que a presidente do STF levasse a julgamento a ADC 54 — que, trocando em miúdos, poderia resultar em tirar Lula da cadeia.
*OANTAGONISTA

Anônimo disse...

Se a Lava Jato fosse coisa séria, com objetivos reais de auxiliar, teriam exigido no Congresso Nacional a mudança de Leis, teriam recuperado o dinheiro que os "perversos" desviaram, roubaram, nas negociatas. Os "criminosos" estariam todos presos, com provas sem refutação e com bases legais. E o que acontece:

1_ Os mídias aplaudem.
2_ Quem não é visto não é lembrado.
3_ A boiada segue a lava jato como seguiu caminhoneiros.
4_ Alguém terá que pagar essa conta.
5_ Lançarão candidatos na política, que "não presta".
6_ Conhecem todos os caminhos da corrupção.
7_ Todos os delatores estão soltos e curtindo a vida.
8_ Quem não abriu o bico, está preso.
9_ Conseguiram manter os privilégios financeiros em seus holerites pressionando e ameaçando o Congresso Nacional de investigações.
10_ A ficha ou o download da "direita infante" está começando a cair com Bolsonaro começando a amenizar, a mudar seu discurso.
11_ Lula foi retirado do palco político apenas para não vencer as eleições, jogo sujo feito por incompetentes em política e competentes em autoritarismo.
12_ Investidores ganharam e ganham bilhões com especulação, advogados de delatores ganharam milhões com esses acordos, a economia do pais reduziu seu crescimento, a Democracia Liberal perde, quem cumpre a Lei é execrado, justiceiros à serviço do lobby das armas de fogo, milhares de empregos e empresas fecharam as portas e quem segurou a Onda, Michel temer e equipe, não tem aprovação popular, depois de 3 golpes tentados.

Sempre Mais do MESMO disse...

A coisa é estranha e é ABSURDO QUE NINGUÉM ESCLAREÇA o ÓBVIO:

O STF é a corte para julgar questões constitucionais e não uma instância de apelação.

Pelo menos ASSIM DEVERIA SER. Afinal é ridículo, absurdo e aberrante, além de BIZARRO, que pústulas escolhidos por políticos se façam a ultima instância de apelação acima dos julgamentos dos demais juizes.

Ou seja, todos os juizes e desembargadores que recebem salários milionários que o PAGADOR de IMPOSTO é OBRIGADO a custear, NÃO SERVEM PARA NADA.

Os julgamentos dos juizes de primeira e segundas instâncias, pelo que vigora, SÃO ABSOLUTAMENTE INÉPTOS, verdadeiros IMBECIS cujos JULGAMENTOS NÃO PODEM SER LEVADOS A SÉRIO.

Por isso há os "SUPREMOS" que tudo sabem e tudo conhecem sobre a filosofia dodireito e sobre as leis, MAS DISCORDAM ENTRESI, inclusive na INTERPRETAÇÃO de TEXTOS, pois que "interpretam a lei" de variadas formas, apesar de serem os mais exímios conhecedores das leis.

NÃO DEVERIA HAVER Juizes de primeira, segunda e terceira classe e muito menos juizes desclassificados.

As apelações deveriam ser feitas juntas de juizes sorteados: TODOS JUIZES IGUAIS em respeitabilidade. Sem essa de desembargadores escolhidos por POLÍTICOS CORRUPTOS.

SE o stf tem por oficio JULGAR questões constitucionais... ENTÃO SE A LEI DA FICHA LIMPA É CONSTITUCIONAL, NÃO TEM QUE HAVER QUALQUER QUESTIONAMENTO do stf NESSE SENTIDO. PONTO!!!

A lei da ficha limpa estabelece uma regra e quebra-la É VIOLAR A LEI e portanto a CONSTITUIÇÃO. PONTO!!!

Anônimo disse...

Como pode uma nação dar certo quando está sob o comando de ladrões sionistas?O presidente do Banco Central é judeu sionista,o presidente da reública é libanes e o presidente da camara é chileno.O Brasil começou como colonia.Depois foi império.Depois virou republica e finalmente voltou a ser colonia,e enquanto isso,o povo dorme em berço explêndido,embalados pela midia corruPTa.Enquanto o mundo inteiro tira o maior sarro da nossa cara,ninguém desgruda os olhos da bola rolando no gramado sovietico.O Brasil é o maior celeiro do mundo,e também o maior curral do mundo onde a população está cercada.O brasil só voltará a ser dos brasileiros quando não houver mais nada a ser roubado.
Se este povinho tivesse o minimo de entendimento,o começo de uma mudança radical partiria da ocupação de todas as emissoras de televisão.Informação é poder e por enquanto isso é delles,dos sionistas.
Votar nesse ou naquele candidato é apenas a continuação do que já está estabelecido.É possivel que nem uma intervenção resolva,se até agora não o fizeram,é porque estejam alinhados com a prescrição constitucional.Não com o primeiro artigo que diz que o poder emana do povo e por ele será exercido,mas alinhado com o artigo quarto no seu parágrafo unico onde está escrito que o brasil promoverá a integração dos paises latinos no sentido de formar a tão prolatada "pátria grande".
" A preguiça é a mãe de todos os crimes,a embriagues é o pai".Neste caso o alcool vem servido pela midia na forma de carnaval,marcha da maconha,campeonato mundial,novelas,parada gay e outro tanto de pornografia explicita e ditas como arte.Água e sabão não limpam essa sujeira.O que limpa essa sujeira é muito sangue,e na hora de derramar uma gota que seja,os valentões escamoteiam sua covardia argumentando que o povo é pacífico.
CANALHAS E COVARDES.

Anônimo disse...


O problema é só um: são 200 milhões de técnicos e todo mundo quer mandar.

Sempre Mais do MESMO disse...

Viver do PODER e não do trabalho é uma ambição e realidade muito antigas.

É possível que quando um humano viu outro humano trabalhando (caçando, pescando ou construindo seu abrigo) imediatamente imaginou o quanto seria bom se pudesse ESCRAVIZAR esse outro e melhor se escravizasse outros. Colocando manadas humanas a seu absoluto dispor. Para, assim, usufruir de uma vida sem esforço e apenas de prazeres.

Evidente que sendo um indivíduo, certamente com menores habilidades e qualidades, percebeu que suas mínimas ambições se realizariam APENAS ATRAVÉS da ESCRAVIZAÇÃO de outros e certamente que daí surgiu o PRIMEIRO ARDIL.

ARDIL é a forma que se tem de fazer com que OUTROS nos OBEDEÇAM mesmo sendo mais fortes, mais habiliddosos e independentes do pretenso senhor.

- O ARDIL é a MANIPULAÇÃO MENTAL

O ARDIL é um meio de induzir:

- ao vislumbre de COBIÇA atendida num futuro sem data e/ou incerto. (através do ardiloso)

- ao vislumbre GLÓRIA enaltecedora. (através do ardiloso)

- à INVEJA e assim ao desejo de destruir aquele que se mostra superior em felicidade e respeitabilidade, material e/ou intelectual. (através do ardiloso)

- ao MÊDO do infortúnio que se poderá impedir. (através do ardiloso)

Enfim, os ardis induzem SENTIMENTOS: ANBIÇÕES materiais ou psicológicas bem como ao MÊDO, também material ou psicológico.

Assim, ATRAVÉS dos ARDIS, indivíduos conseguem colocar a seu dispor os corpos alheios, "desindividualizando" outros para que seus corpos não mais sirvam a suas mentes, mas ao INDIVÍDUO que os manipula ARDILOSAMENTE ao fomentar-lhes EMOÇÕES em pleno detimento da razão.

IDEOLOGIAS são ARDIS poderosíssimos que capturam as mentes alheias para deixarem que seus corpos sirvam a outros e até mesmo estas também sirvam a estes senhores que as dominam ao OBSCURECÊ-LAS fomentando-lhes EMOÇÕES.

Sob as profecias, promessas e ameaças que espertalhões inventam, bem como sob GALANTEIOS envaidecedores que fazem com que os FRACOS e INSEGUROS se entreguem cegamente a seus desejos de castigos e destruição aos felizes e potentes, rebanhos humanos são conduzidos por perversos ardilosos e aproveitadores de todos os fedores, levando a humanidade a desprezar a Liberdade para seguir SENHORES que lhes prometem conforto a suas frustrações e atendimento a suas ambições através da imposição pela força e pela propaganda.

A idéia de Democracia em sua propaganda deliberadamente se faz confundir com Liberdade para exatamente destruir a noção de Liberdade. Levando a idéia de que Liberdade é OBEDECER aos ELEITOS e poder se manifestar SEGUNDO as REGRAS dos ELEITOS.

É visivel que a palavra Liberdade vem sendo esquecida e substituida pela palavra Democracia. Questionar ou criticar a Democracia que IMPÕE a SERVIDÃO aos ELEITOS atualmente é BLASFÊMIA, é motivo para ataque e desprestigio perante o REBANHO HUMANO pastoreado por líderes ardilosos.

O desejo de honra (opinião alheia favorável) é decorrente da VAIDADE do indivíduo que não vê a sua própria opinião tão favorável a si quanto deseja. A intima opinião favorável é exatamente o ORGULHO sincero. Este faz o indivíduo SEGUIR SEUS PRÓPRIOS JULGAMENTOS, sua própria mente, e não as mentes alheias.

O indivíduo ORGULHOSO de SI não se permite SEGUIR bovinamente os líderes ardilosos que apenas lhe fornece o FOMENTO EMOCIONAL e NÃO o FOMENTO RACIONAL.

Exatamente por isso, NADA É POR ACASO, que o ORGULHO INDIVIDUAL é condenado em TODAS as ideologias que, paradoxalmente, incentivam o "ORGULHO COLETIVO" onde o indivíduo NÃO ORGULHA-SE de SI MESMO, MAS APENAS das COMUNIDADES onde SE INSERE ou esta naturalmente inserido.

É daí o NACIONALISMO, FEMINISMO, RACISMO (branco/negro, ocidental/oriental e etc.) e mais todos os "ISMOS" IDEOLÓGICOS que fomentam comunidades.

Anônimo disse...

Realmente o esquema de corrupção das ditaduras comunistas e a mesma, e instalada ê difícil de tirarla democraticamente,eleições corretas seriam uma opção, mas esso ja está sendo dificil,as proximas legislaturas serão mas corruptas.A reestruturacao de uma autentica democracia que tire o poder da cleptocracia vai ter que ter derramamento de sangue.As forças militares autênticas guardadoras da ética y a moral estão atrapadas nesse contexto "criminoso legal".

Unknown disse...

Se eu emitir o meu pensamento e o que tenho vontade de fazer vou preso. O que me revolta são os homens responsáveis em defender a nação vendo tudo isso acontecer e não tomar nenhuma atitude. MINHA NAÇÃO É COVARDE.

Anônimo disse...


O indivíduo que não aceita as regras ou estamentos da civilização, embora discutíveis, tem que se despir de toda civilização e ir viver em algum lugar, uma caverna ou floresta, totalmente despido de qualquer lembrança civilizatória.

Anônimo disse...

Necessito que o pessoal que até agora foram as ruas e ficam na mídia digitando venha se manifestar em público e porque não comesse em organizar uma entidade de plena rebeldia em desaparecer com estes que nos roubam a dignidade de ser transparente e honesto sugiro pena de morte aos nossos representantes podres e fúteis desta nação.

Anônimo disse...

E o fantástico da Globo continua com a mentira das coitadas crianças separadas dos pais. A Globo é a maior mida "fake" do Brasil. Como diz o vídeo postado neste blog, os democratas (e a Globo) não estão minimamente interessados nas crianças ilegais, só querem manter o Trump na fogueira! Gente nojenta!

Anônimo disse...

O stf, principalmente através da tríade maligna, levando, tofolico e gil marginal, protagonizam uma assustadora e absurda operação MÃOS SUJAS.

Celso Camilo disse...

Concordo em gênero,número e grau com vc irmão.

Celso Camilo disse...

Exterminar,séria uma ótima solução.