TRANSLATE/TRADUTOR

domingo, dezembro 21, 2014

A ASCENSÃO DA DIREITA NO BRASIL É UMA REALIDADE QUE JÁ APAVORA OS COMUNISTAS E EMBARALHA A NARRATIVA VICIADA DO JORNALISMO ESQUERDISTA

Coronel Telhada, vereador e deputado estadual eleito em SP e o deputado Jair Bolsonaro: duas lideranças conservadoras em ascensão que passam a ser atacadas pelo jornalismo de aluguel, os esbirros de Lula que controlam as redações da grande imprensa nacional.
O texto que transcrevo após este comentário parece ser da Folha de S. Paulo, mas não é. Podem ficar espantados, mas é do site da revista Veja. Assina a matéria a repórter Mariana Zylberkan. O mote da reportagem é espinafrar o Coronel Telhada, da Polícia Militar de São Paulo, agora reformado (aposentado) que atualmente é vereador e deputado estadual eleito, um campeão de votos. Telhada é utilizado como exemplo, mas na verdade o alvo de sua desconstrução são todos aqueles que já estão fartos de toda essa esculhambação que começou desde o dia em que o Lula foi transformando em presidente do Brasil.
Na página de abertura do site da revista Veja, rende manchete a matéria sobre Telhada, com o seguinte título: “Redes sociais turbinam eleitorado da direita brucutu”. Clicando-se no link abre a matéria quando o título tem outro viés: “Coronel Telhada e a direita boa de voto”. É difícil imaginar que ambos os títulos sejam do mesmo editor. Mas vá lá. Deve ser mesmo. São os plantões de final de semana.
Nota-se pelo andar da carruagem que os alegres rapazes e raparigas da grande mídia nacional continuam a alimentar a velha ojeriza à “direita”. E não só os jovens jornalistas, mas muitos velhos de guerra das redações. E isso expressa um nível de boçalidade avassalador do pensamento político brasileiro. Haja vista, por exemplo, à recente exumação da ossada de Jango Goulart, em busca de provas de que fora assassinado, aliás uma característica da idiotia latino-americana, useira e vezeira em promover exumações em busca de um suposto passado de glórias que foi destruído pelos maldosos “direitistas”. O finado coronel Hugo Chávez, exumou em meio a uma cerimônia mais macabra do que fúnebre, os restos de Bolívar e erguendo um mausoléu em honra ao herói. Ao mesmo tempo a máquina de propaganda comunista construiu uma narrativa colocando o “pajarito” de Nicolás Maduro em pé de igualdade a Bolívar, lado a lado.
E nessa fantástica ficção o defunto Bolívar seria um ativista comunista e, por isso mesmo, o herói da pátria. Entretanto, o baú do passado latino-americano é vazio não só de mártires e heróis, mas sobretudo de ideias inteligentes. No século XXI repete-se a velha e surrada história de que o atraso do continente se deve à espoliação primeiro do império inglês e, depois, dos norte-americanos.
E a narrativa esquerdista é a mesma, permanece constante, sendo o paradigma dominante da historiografia oficial que orienta os livros didáticos de história. O “império” ou os “impérios”, constituem a “direita” que impede o continente de romper a puberdade política e econômica. Impõem-se assim, por meio dos veículos de comunicação, uma superioridade moral da esquerda que induz os incautos a imaginar que  um mundo de paz, harmonia, abundância e prosperidade ainda não aconteceu porque a verdadeira revolução socialista não foi aplicada.
Não é à toa que até mesmo a revista Veja, o que resta de jornalismo razoável, sucumba à patrulha permamente da revolução cultural e qualifique o Coronel Telhada de representante da “direita brucutu”. A mídia, meus caros, tem um poder excepcional e já iniciou uma campanha sem trégua contra os poucos políticos que ousam insurgir-se contra a vagabundagem reinante, à insegurança, ao deboche, à imoralidade, às imposturas de toda ordem e à devassidão que corrói o tecido social e destrói da família. Nesse ambiente dito “progressista” tudo é permitido, menos a ação política de viés conservador que tem como lideranças expressivas o Coronel Telhada e o deputado Jair Bolsonaro, cujas reputações que já vinham sendo destruídas pela peste do PT, agora ganharam o reforço de alguns jornalistas que integram o último bastião do jornalismo honesto. 
Não será surpresa se o Coronel Telhada e o deputado Jair Bolsonaro acabem fuzilados num “paredón”, quando o Foro de São Paulo tiver concluído a última etapa da conversão do Brasil numa República Bolivariana do tipo cubano-venezuelano.
Entretanto, nada disso causa surpresa para este modesto escriba. Exerço o jornalismo há mais de 40 anos. Modéstia à parte conheço o metier. Redações de jornais, revistas e televisões sempre foram valhacoutos, com as exceções de sempre, de vagabundos, pervertidos, imorais, maconheiros, vadios, diletantes e, sobretudo oportunistas e mentirosos. As exceções existem, é claro e os leitores sabem quais são. Afinal, a sociedade humana persiste pela insistência dos altruístas. Aparentemente, parece que o mundo é dominado pela lógica da sacanagem. Entretanto é o altruísmo que faz o mundo existir. Tanto é que o planeta já possui uma população estimada em mais de 7 bilhões. Logo, logo este número pulará para a casa de mais de 8 bilhões de terráqueos.
Quem segura a onda, gostem ou não gostem, são pessoas como o Coronel Telhada e o deputado Jair Bolsonaro. Portanto, não desistam, não se amedrontem, não se submetam ao patrulhamento da grande mídia. Mais um pouquinho os veículos da grande imprensa não terão mais leitores nem telespectadores. Nem que ofereçam de graça os seus serviços. A internet está aí e veio para ficar. Não dependemos mais de meia dúzia de delirantes que pretendem ditar o que é certo e o que é errado valendo-se da deletéria visão do pensamento politicamente correto e as suas engenharias sociais. E tem mais: as redes sociais podem ser o locus anárquico para um monte de besteiras, mas foram as redes os veículos de comunicação que mudaram drasticamente o perfil do eleitorado brasileiro e já colocaram nas ruas milhares de pessoas afinadas com os postulados conservadores. É a primeira vez, em mais de meio século, que isso acontece no Brasil e deixa desconcertados políticos e, sobretudo, jornalistas que continuam com um pé, ou os dois, fincados nos albores do século XX. 
Para análise de vocês transcrevo a reportagem do site de Veja:
Coronel Telhada em ação em São Paulo, prende suspeito de assalto: uma cena que os alegres rapazes e raparigas da grande imprensa não gostam de ver. Mas o povo adora!
No último dia 26 de outubro, tão logo soube que presidente Dilma Rousseff (PT) estava reeleita, o vereador paulistano Paulo Adriano Lopes Telhada, coronel aposentado da Rota, sigla para Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar, a tropa de elite da Polícia Militar, correu para despejar sua frustração no Facebook: “Sul e o Sudeste deveriam iniciar o processo de independência de um país que prefere esmola do que o trabalho, preferem a desordem em vez da ordem, preferem o voto de cabresto do que a liberdade”. Em 24 horas, seu perfil na rede social ganhou mais de 25 000 novos adeptos – hoje, ele tem 221 000 seguidores. Filiado ao PSDB, Telhada é um dos expoentes de um grupo de políticos campeões de votos nas eleições deste ano erguendo bandeiras conservadoras.
No último pleito, Telhada foi o segundo deputado estadual mais bem votado para Assembleia Legislativa de São Paulo, com 254 000 votos. O coronel é um legítimo exemplo do neoconservadorismo brucutu – formado por políticos que às vezes perdem a razão, mas não deixam de dar seu recado. No plano nacional, o fenômeno de votos se repetiu com a eleição de políticos alinhados à direita, muitos ligados à bancada evangélica, como o pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que recebeu 398.087 votos, e o capitão da reserva Jair Bolsonaro (PP-RJ), o terceiro deputado federal mais votado do país, com 464.572 votos. E se é verdade que a linha dura agrada a uma significativa parcela da sociedade que andava órfã, também é fato que a verve incendiária tem um custo. A fala pós-urnas de Telhada foi duramente criticada, inclusive por integrantes do seu partido, que o consideram à direita das diretrizes programáticas do tucanato. “Aquilo foi um balão de ensaio e acabei tomando um tiro pela culatra. Eu queria apenas fazer um debate sobre a emancipação política de São Paulo. Na vida política, é preciso se policiar porque qualquer coisa que se faz inocentemente paga-se um sapo terrível”, diz.
Feliciano é dos principais alvos da patrulha de partidos e ativistas de esquerda, especialistas em guerrilha nas redes sociais. Suas declarações controversas pregaram-lhe a pecha de homofóbico e racista. O último a monopolizar os holofotes foi Bolsonaro, que acabou notabilizado por defender a causa certa da forma errada: ao criticar a parcialidade do relatório final da Comissão da Verdade, fez um ataque grotesco à deputada Maria do Rosário (PT-RS), que integra a tropa de choque governista.
Telhada vestiu a camisa do Brasil e discursou durante manifestação anti-PT em SP
Coronel Telhada não esconde as dificuldades que ainda sente no papel de político. Os últimos dois anos como vereador, seu primeiro cargo eletivo, têm lhe exigido bastante. Falante, ele percebeu que, uma vez eleito, suas palavras se espalham na internet como rastilho de pólvora – nenhuma outra declaração é tão ilustrativa quando a de que "bandido bom é bandido morto". “Eu não sou moralista, sou o maior porra louca que você pode pensar. Eu gosto das coisas certas, eu adoro rock n’ roll, adoro brincar, conversar, falar besteira, mas eu sou milico, tenho uma formação militar, se me der uma ordem, eu vou cumprir.”
O rótulo de intolerante foi reforçado há cerca de dois anos, quando foi acusado por um repórter do jornal Folha de S. Paulo de tê-lo ameaçado de morte após publicar uma reportagem crítica às postagens do coronel no Facebook. Na rede social, o coronel usa o termo “vagabundo” para se referir a criminosos. Incomodado, Telhada usou sua página na rede social para atacar o repórter, o que causou uma reação agressiva de seus seguidores. Embora rechace a fama de mau, Telhada conta resignado que ela o acompanhou durante a carreira policial. “Sou mal visto na polícia porque eu sou um cara que mata bandido, que faz bico. Não sou bem visto, não sou da elite, mas isso mudou depois que eu virei político. Toda vez que eu quis voltar para a Rota eu ouvi um sonoro 'não' e que eu sou perigoso para a Polícia Militar.”
Telhada passou a ser figura carimbada no noticiário policial no fim dos anos 1990, quando comandava o 7º Batalhão da Polícia Militar de São Paulo. Localizado no Centro da capital paulista, o batalhão era responsável por áreas críticas da cidade, como a Cracolândia. Foi uma das operações que comandou para retirar usuários de drogas do local que o alçou à fama; a ação foi transmitida ao vivo na TV pelo apresentador José Luiz Datena, na TV Record. A exposição o ajudou a conseguir mais bicos nas horas de folga, como os 15 anos que cuidou da segurança particular do apresentador Gugu Liberato. O fã-clube só cresceu ao longo dos anos. Admiradores enviam cartas diariamente para o seu gabinete na Câmara – uma delas, recebida na última semana, o alertava para a possibilidade de ser envenenado por inimigos. “O mal entra pela boca, ou seja, tenha cuidado com o que vai comer. Só coma o que todos estiverem comendo”, escreveu o admirador.
Apesar de ter achado graça no alerta, Telhada leva a sério as ameaças reais e recorrentes feitas pelo crime organizado. Na última sexta-feira, ele recebeu alerta do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de que um membro da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) prometeu matá-lo de dentro da Penitenciária do Tremembé, no interior de São Paulo. Para se proteger, ele anda armado. “Matar um Telhada é prêmio para o crime organizado”, afirma.
A popularidade conquistada ao longo do anos só ficou evidente para ele quando assumiu o comando da Rota, em maio de 2009. Na ocasião, Telhada seguiu o protocolo e fez uma grande festa para se apresentar à tropa. O evento lotou o quartel localizado na Luz, no Centro de São Paulo, de pessoas que queriam conhecer o coronel. “Aí eu tive a noção da minha fama. O meu filho passa pela mesma coisa agora como tenente da Rota. Em toda festa da Rota, eu não consigo sair do lugar, são duas três horas tirando foto, dando autógrafo. O pessoal leva os livros para eu autografar”, diz. Rafael Henrique Telhada, de 28 anos, foi promovido recentemente a tenente da Rota.
Como comandante e coronel, era comum Telhada receber cartas de mulheres apaixonadas que ele sempre fez questão de mostrar à esposa, sua primeira namorada, com quem é casado desde 1985. “Eu tinha um bigodão na época, tipo Pancho Vila, coisa de tenente da Rota.”
Coronel Telhada e seu filho Rafael Telhada, tenente da Rota
Aposentado da polícia desde 2011, Telhada mantém as obrigações como militar em dia. Pratica exercícios físicos regularmente, “porque tem uma tendência enorme de engordar”, e entra em ação quando presencia algum crime. Foi assim que chamou a atenção dos colegas parlamentares há algumas semanas quando voltou para a Câmara Municipal após o almoço com a camisa suja de sangue: minutos antes, ele lutou e prendeu um menor que tentava roubar o celular. “Qualquer cidadão pode dar voz de prisão a alguém, mas um militar tem esse dever. Eu amo ser policial, largaria tudo que estou fazendo para voltar a ser policial. Quase pirei quando me aposentei.”
Segundo Telhada, é justamente a mente treinada a reagir de forma prática que atrapalha sua adaptação como parlamentar. “O trabalho como vereador é mais burocrático, diferente do policial. No quartel, se me falam ‘vamos lá prender aquele cara’, eu vou. Se ele atirar, eu atiro de volta. Se ele morrer, dane-se. Como militar, sou muito simples.”
O jogo de cintura, porém, tem sido requisitado mais vezes nos últimos meses desde que ganhou força o movimento nas redes sociais pelo impeachment da presidente Dilma. Telhada conta que é rotineiramente convocado a liderar uma intervenção militar para retirar a petista do poder – o que ele diz ser totalmente contra. “Isso é um absurdo, se quisermos mudar o presidente, vamos mudar no voto. Se fizermos essa ilegalidade, o primeiro sangue que vão derramar será o nosso, dos militares. Eu vou perder meu filho. É meu neném que vai morrer, você acha que eu quero isso? Cansei de carregar alça de caixão. Eu não quero que ninguém morra pela liberdade do país.”
O coronel bom de voto até chegou a participar de uma manifestação recentemente na Avenida Paulista na qual subiu num carro de som para pedir a prisão dos envolvidos no megaesquema de corrupção que sangrou a Petrobras. “Eu odeio manifestação. Mas me chamaram e eu fui lá, subi no caminhão, foi legal, todo mundo bateu palmas, mas é difícil. Fico incomodado em fechar uma avenida, o cidadão quer ir para casa e eu fico lá travando o trânsito.”
A metralhadora verbal não poupa nem seu partido, o PSDB, o qual acusa de não levá-lo muito a sério. Como deputado estadual, Telhada não será mais um vereador de oposição, mas um integrante da ampla base parlamentar do governador Geraldo Alckmin. “Nesses vinte anos que o PSDB está no governo paulista, a segurança pública só degringolou. A valorização do pessoal é uma porcaria, precisamos rever isso urgentemente. Minha função na Assembleia Legislativa vai ser mudar a visão do PSDB em relação à Polícia Militar”, diz o coronel, que assume estudar propostas para integrar outros partidos, como o ainda embrionário Partido Militar Brasileiro.
Cauteloso ao falar de seu futuro na política, coronel Telhada diz que manterá o foco em seu mandato como deputado estadual, mas assume que almeja voos mais altos – precisamente, uma cadeira no Senado. “Eu queria ter poder de mando, colocar essa cidade em ordem, queria ter uma varinha de condão para fazer isso. Senador eu acho um cargo legal, poder representar São Paulo em Brasília”, diz. Se depender dos admiradores nas redes sociais, votos não faltarão para chegar lá. Do site da revista Veja

48 comentários:

Anônimo disse...

Que a Direita venha com tudo!

Coronel Telhada. disse...

Obrigado pelo apoio e consideração. Tenha certeza de que não desistirei e pode apostar que continuarei a dar trabalho para esse bando de corruptos e covardes que procuram nos denigrir... Grande abraço.

Anônimo disse...

Nota 10 para esse herói da democracia.

Anônimo disse...

A reportagem cita o cel Telhada, o pastor Feliciano e o deputado Bolsonaro. Fiz a soma dos votos dos três, e o número dá 1.117.000 votos, praticamente. Pergunto: em quem esses eleitores votaram para presidente, em Dilma, ou no Aécio?
A resposta me parece óbvia.
Então, o Aécio que tenha como referência, o número de votos, e esqueça os punhos de renda do PSDB.
E, para encerrar, tenho certeza que em outros estados, candidatos com perfil semelhante tiveram milhões de votos. Como sei? Quem o povo de Goiás elegeu para senador? Ronaldo Caiado!

Anônimo disse...

Aí Telhada votei em voce por causa do Bolsonaro, que admiro. Candidata a governador do Estado vai ganhar estourado!Viva os milicos!

Anônimo disse...

Aluizio,

Leia o excelente livro do conservador inglês Theodore Dalrymple "A vida na Sarjeta". Aliás, você deveria colocar ele à venda no seu blog. Na Inglaterra a coisa anda tão ruim quanto cá na cultura, e a polícia também é alvo de críticas da esquerdalha. Excelente livro!
Bom Natal e GrRande Ano Novo.

Anônimo disse...

Coronel, foi bom o senhor tocar no assunto e o PMB- Partido Militar Brasileiro a quantas anda?
Quem sabe se o exemplo e dedicação do Cel Telhada inspira outros militares a se engajar em um movimento sério e forte o suficiente para salvar o Brasil.

Anônimo disse...

Agora só falta o Reinaldo Azevedo pedir desculpa para o Bolsonaro e para os seus leitores. Se não pedir desculpas, será considerado como partidário da Maria do Rosário. Chega de insultar a inteligência dos seus leitores.

jânio disse...

"Telespectador".

Anônimo disse...

Finalmente. Estamos cansados de falsas direitas e pseudo-oposição do tipo Serra, FHC, Chico Graziano, Aécio Neves, Reinaldo Azevedo, etc. São todos petistas que fingem ser oposição, mas trabalham em favor do PT, solapando as bases da oposição usando a estratégia do Cavalo de Tróia. Júlio Cesar diria: "Até tu, Reinaldus Azevedus Brutus?" E Reinaldus responderia: "Sim. Agora defendo Maria do Rosário, a sua vasta obra pró bandidus e desprezo a inteligência e as manifestações dos meus leitores."

Pilincho disse...

Cel Telhada e Cap Bolsonaro, dignos Deputados Federais, vocês são a nossa esperança em desarticular a Organização Criminosa do PT, os ladrões no Poder da Nação, que roubaram tudo do nosso país, mas não roubaram a nossa honra, a nossa dignidade, a nossa moral e, o mais significativo, o nosso sentimento pátrio.
A revista Veja começa a abrir espaços, com alguma regularidade, para manchetes padrão Folha de São Paulo.
Alguns colunistas renomados da revista e jornalistas começam a injetar opiniões "politicamente corretas" em seus artigos ou reportagens.
A revista detonou Bolsonaro
e não detonou a raivosa Maria do Ossário, causadora do tumulto e da ofensa injuriosa e caluniosa (reincidente). Uma conduta jornalísitica "marrom". Um viés perigoso para a democracia.
Aluízio, torno-me repetitivo, mas é primordial que o faça: você está dando um exemplo de jornalismo e preenche as lacunas que os jornalões e emissoras de TV alugadas nos privam do conhecimento informativo. Parabéns a você e aos democratas Cel Telhada e Cap Bolsonaro.
Gaudêncio Sette Luas.

Anônimo disse...

É isso aí. Está na hora de reagirmos contras essa canalha que tomou contado Brasil.

Anônimo disse...

Aluízio, isto aqui vale um bom artigo para o seu blog:

Um recado para o Reinaldo Hipócrita Azevedo

Denise Abreu e Dalmo Accorsini: SMARTMATIC e Foro de São Paulo

https://www.youtube.com/watch?v=ytMv1zyTuR0

Streamed live on Dec 11, 2014

Denise Abreu e Dalmo Accorsini: SMARTMATIC e Foro de São Paulo

Anônimo disse...

Uma análise mesmo superficial, já qualifica a Revista Veja não com direitista, porque não é, mas sim liberal com verniz centro esquerdista. Um mero exemplo? Apoio ao tal ridículo "casamento" gay e mais essa de albergar um artigo contra o ilibado e probo coronel.
E olha que é a única que combate o governo.
Quão pobre está o país. Dá nojo.

Anônimo disse...

mas a VEJA só ficou com fama de "conservadora" agora, depois do sucesso do ate então conservador Reinaldo Azevedo...

e ele sempre fazia questão de separar uma coisa da outra, a sua opinião da linha editorial da revista, pois sabia que as edições da revista vinham sempre recheadas do tradicional viés esquerdista, tanto na educação, segurança publica como na área de comportamento...

a VEJA é anti-petista, mas a ser considerada uma revista de direita, putz, vai um oceano de diferença...

Anônimo disse...

Cel Telhada, desiste desse negocio de Senado...

não da pra fazer nada por la!

em SP o sr. pode certamente fazer muito mais pelos paulistas...

por la o sr. vai acabar se tornando um burocrata comum, desses que o governo passa o rolo compressor por cima por que tem maioria...

o único ponto positivo seria o sr ter uma exposição em âmbito nacional para divulgar melhor seu ponto de vista...

mas para isso acontecer, precisaria que a imprensa não fosse essa que temos hoje em dia...

eles não vão dar corda para o sr.

Anônimo disse...

Aqui em casa somos super fãs do Coronel Telhada. Toda vez que ele se candidatar nossos votos serão dele. Ele é um herói. Obrigada por tudo Coronel. Continue batalhando pela democracia e por nosso futuro.

Anônimo disse...

Essa direita que o senhor defende é apenas espelho da esquerda bolivariana que ataca. Gente obtusa, tacanha, dogmática e autoritária. Ninguém precisa dessa merda pra se contrapor à esquerda. O Brasil precisa é de democracia, liberdade econômica, política e individual.

Solange silva disse...

Perdeu tempo deveria ter sido candidato ao Senado, pois o Serra só levou por total falta de opção. Eu tive que tomar um Engov e votar no Serra.

Anônimo disse...

Somente os cristãos conservadores é que poderão reverter a tragédia que virou "estepaís!. Se depender de liberais (cristãos ou não), ateus, gnósticos ou coisas que o valha, não haverá nenhuma mudança.

Anônimo disse...

Cel
Se eu soubesse teria votado no Telhada. Agora sei e a ele darei meu voto. Vai firme Telhada e bote ordem no coreto. Precisamos de pessoas como vc. Topo ajudá-lo a ir para o Senado.
Esther

Diegon disse...

Poderia ter se candidatado ao legislativo federal.. entraria facilmente... Telhada e Familia Bolsonaro no Legislativo Federal, ja imaginarão?

Anônimo disse...

Eu votei no Dep Telhada e no filho do Bolsonaro para Dep Federal por SP. Vocês representam o pensamento da maioria das pessoas de bem, que querem um país livre da corrupção e da violência imposta pelo partido mais corrupto da história do Brasil. Estamos com vocês nessa luta que é de todos nós.

Antonio disse...

Muito bom texto Aluízio, desgraçadamente, o PT chegou onde chegou, primeiro com a ajuda da mídia, do judiciário, dos políticos da direita que se venderam ao PT, porém, o mais grave mesmo foi o silêncio de setores das FORÇAS ARMADAS, tudo bem que os militares da ativa constitucionalmente são proibidos de se manifestarem, mas os da reserva, suas associações e clubes poderiam muito bem ter feito um serviço de conscientização junto a população, do mesmo jeito que as gangs esquerdistas tem feito esse tempo todo.

Cheguei ao Rio ainda adolescente e comecei a trabalhar na rua do Catete numa mercearia, (CASAS DO CHARQUE) aquilo ali era um verdadeiro inferno, os estudantes e os comunistas faziam o que bem entendiam, duvido que em Cuba alguém faça o que eles faziam naqueles tempos sem levar chumbo, eu mesmo só faltava me urinar quando eles entravam na mercearia pegavam o que queriam e saiam na maior cara de pau, ai daquele que chamasse a polícia.

Dois episódios me causa tremendo nojo, o mais grave é o caso da indenização aos proprietários do "PASQUIM".

1 - O semanário "PASQUIM" foi criado em 1969, exatamente no quinquênio do general Medici (1969/1974), considerado o período mais duro da ditadura. Pois bem, foi justamente no governo Medici que o PASQUIM mais faturou grana, pelo que consta em todos os registros da famigerada "COMISSÃO DA VERDADE", Jaguar e Ziraldo foram detido por uns 4 dias sem sofrer um só arranhão, mesmo assim seu semanário não deixou de circular, só veio à falir em 1991 porque não havia mais a ditadura para lhes renderem muita grana e também por não aguentarem a concorrência. Leiam a matéria abaixo e tirem sua próprias conclusões:

2 - Indenização vergonhosa a Nancy Mangabeira Unger:

24/03/71 – MATEUS LEVINO DOS SANTOS
(Tenente da FAB – Pernambuco)

O PCBR necessitava roubar um carro para participar do seqüestro do cônsul norte-americano, em Recife.
No dia 26/06/70 resolveram roubar um volks, estacionado em Jaboatão, na Grande Recife, nas proximidades do Hospital da Aeronáutica.
Quatro militantes do PCBR desceram do carro dirigido por Nancy Mangabeira Unger: Carlos Alberto Soares Rodrigues de Sousa, José Gersino Saraiva Maia e Luiz "Jacaré", (até hoje não identificado).
Ao tentarem render o motorista, este ao identificar-se como Tenente da Aeronáutica, foi ferido gravemente por Carlos Alberto, com dois tiros, um na cabeça e outro no pescoço.
O Tenente Mateus Levino dos Santos, após nove meses de impressionante sofrimento, veio a falecer em 24/03/71, deixando viúva e duas filhas menores...

http://www.doutrina.linear.nom.br/historia/Hist%F3ria_V%EDtimas%20do%20terrorismo%20no%20Brasil.htm

Aluizio Amorim disse...

Salve, Janio.
Fico grato. Nem sei como pude grafar daquela forma...hehe...

Anônimo disse...

acho que o cara que escreveu essa matéria da VEJA entrou aqui no blog para comentar...

os termos utilizados para descrever a direita são os mesmos da matéria...

"obtusa", "tacanha"...

deve ser um daqueles tipos que foram às passeatas e peitaram quem pedia intervenção militar, mal sabendo que estavam numa passeata contra a esquerda e sendo pautados pela...ESQUERDA!

sempre digo e vou repetir, era se agachar mais um pouco e as passeatas contra Lula, Dilma e o PT iriam começar a proibir cartazes contra Lula, Dilma e o PT...

só pra ver a quantas anda a situação nesse hospício bananeiro...

Anônimo disse...

Prezados,

Parece que estamos chegando no momento de começar a avaliar o que realmente as pessoas combatem para sabermos em qual lado elas estão (vide o link: https://padrepauloricardo.org/aulas/visao-historica ).

A revista Veja tem um limite. Sem desmerecer o relevante serviço prestado a sociedade brasileira com as denúncias de suas reportagens, quer me parecer que existe limitações impostas pelo politicamente correto que não podem ser transpostas. A revolução cultural marxista, de forma subliminar, deve ter atingido algumas cabeças dentro da redação.
Talvez, da mesma forma que o PSDB, que ocupa o espaço de uma verdadeira oposição ao partido do desgoverno que aí esta, a revista veja, ao se limitar a não ocupar alguns espaços que considera de "brucutus" está mostrando até onde pretende combater, esvaziando, desta forma, sua capacidade de arregementar adeptos as suas idéias. Finda as eleições e evoluindo as denúncias e processos de corrupção começa parecer desinteressante a leitura da mesma que certamente entrará em lugar comum.
Restam as redes sociais e blogs independentes, até que o marco civil da internet comece a fazer suas vítimas.

Abraços aos cidadãos esclarecidos.

Anônimo disse...

Toda essa acidez de VEJA com o Bolsonaro está relacionada com a sua potencial candidatura à presidência. Como o PSDB precisa dos votos da direita "brucutu", mas sente náuseas só de pensar nisto, repassa a tarefa de ridicularizar qualquer candidatura da direita, com potencial de arrastar alguns milhões de votos, para os seus colunistas.

Duque Gonçalves disse...

Para mim esse lance de Partido Militar não dá elegância ao projeto. Não que os militares não o sejam. Penso que precisamos é de um Partido ou Movimento Conservador Brasileiro, capaz de abrigar todas as correntes de uma feroz oposição aos apátridas corruptos do maldito Foro de São Paulo. É bom lembrar que o Duque de Caxias chegou a ser membro justamente dos conservadores no Império. Esse partido militar não agrega, pois militares devem ser servidores do Estado.

Anônimo disse...

Acreditem, são poucos no momento, mas não estão sós...

Anônimo disse...

O PT faz questão de desmoralizar o contingente das FFAA, policia militar civil e federal.
Celso Amorim, Nelson Jobim faz rima com coisa ruim, no ministério da justiça o falecido e lamentável Thomas Bastos, tarso genro(em parte está também bastante falecido), jose eduardo cardoso(um morto vivo, embora + vivo do que muitos).
Há um processo de difamação e desprezo dos petistas pelas patentes militares e pelos que horam com muito trabalho, sacrifício e dedicação a árdua carreira.
Graças a Deus os brasileiros sem ufanismo de comunistas pelas armas assassinas, respeitam o bom policial. E temos muitos que merecem nosso respeito e aplausos, diferente de uma leva de canalhas, ladrões que estão sangrando o país de dentro do Palácio do Planalto.

RC

Cristiano disse...

Eu li o nojo da Óia.

Marcos Marques disse...

São dois os caminhos: A luta, como fizeram os comunas e nada conseguiram e o voto, como os mesmos comunas fizeram, se articulando fazendo lavagens cerebrais, usando a mídia, galgando pouco a pouco até colocarem suas "idéias" (falsas né) e com o apoio dos miseráveis se colocaram no poder. Acredito que é assim que se precisa fazer, mostrar toda a verdade e honestidade que se espera dos conservadores e preservadores da família e fazer um grande projeto de retomada do poder pelo voto. Se assim for, contem comigo.

Anônimo disse...

Aluizio, dê uma lida, urgente, no comentário deste Blog:

http://libertoprometheo.blogspot.com.br/2014/12/o-petrolao-veja-e-george-soros-o-brasil.html

José Carlos Lobo Barbosa disse...

Sou um direitista totalmente a favor de policiais e leis que não dão trégua e nem sossego a bandidagem! Tolerância zero com todos os criminosos! Direitos humanos para humanos direitos!

Anônimo disse...

A veja trabalha para o PSDB que quer ser a única oposição aos petralhas e que na verdade é um partido de esquerda que tem muito mais pontos em comum com o PT do que contrários, e a desmoralização de militares e de lideranças que começam a surgir, é algo que ambos defendem, foi no governo do FHC que as Forças Armadas começaram a serem desmanteladas, e o tucano seguia as tratativas e ordenamentos do Diálogo Interamericano, que em 1990 publicou o chamado “Manual Bush”, uma obra anti-militar para enfraquecimento dos militares em toda a América Latrina, coincidentemente o mesmo ano que foi fundada a organização criminosa 'Foro de São Paulo'. Leiam mais em:
http://www.alertatotal.net/2014/06/o-dialogo-interamericano-e-as-forcas.html

Antonio Neto disse...

Telhada e Bolsonaro são lideranças fortes e bons de briga. Dentro da política ambos têm boa idade e tempo pela frente para um bom trabalho.

Anônimo disse...

Tânia SP
Meu voto p/ Dep.Estadual foi p/ o Cel.Telhada sem dúvia nenhuma. Parabéns, coronel continue assim mesmo e danem-se as opiniões dos jornais/revistas comunas, o importante são os seus eleitores!!!.
Quero um partido de direita conservador, quando???? não sei.....estamos mais p/ um comunismo, infelizmente.

Anônimo disse...

Concordo, acho até que o Bolsonaro pegou bem leve e foi de certa forma educado! Um cidadão comum provavelmente não seria
tão gentil na resposta. Ser acusado e caluniado mentirosamente de estuprador e não perder as estribeiras é impossível para
qualquer ser humano normal !

Anônimo disse...

Parabéns pela reportagem, de grande utilidade.

Marco Antonio Campion disse...

Então sou direita brucutu com muito orgulho

TERMINATOR disse...

¨Sou direita brucutu com muito orgulho¨. EU também!!!!

Anônimo disse...

PARABENS AO TELHADA E AO BOLSONARO.,, QUE NÃO SE ENVENENAM COM OS VENENOS LANÇADOS POR VC....PELO MENOS TEM ALGUEM QUE QUER FAZER UM BRASIL LIMPO, PORQUE O QUE SE VE TODOS SOS DIAS E SUJEIRA E MAIS SUJEIRA.....ESTAMOS COM ELES., ALGUEM TEM QUE TRABALHAR P.O POVO...NÃO CONTRA O POVO HONESTO....

Ney Molinaro disse...

Parabéns por essas noticias que nos trazem equilíbrio.
Precisamos urgentemente de figuras dignas que realmente lutem pela segurança pública com a justa Justiça.
Parabéns aos militares que estão na política, em especial ao Coronel Telhada que é um símbolo de firmeza na segurança pública.

Paulo Ney Molinaro.
Sevidor Publico do Judiciário Paulusta.

Anônimo disse...

Anônimo disse...

"Essa direita que o senhor defende é apenas espelho da esquerda bolivariana que ataca. Gente obtusa, tacanha, dogmática e autoritária. Ninguém precisa dessa merda pra se contrapor à esquerda. O Brasil precisa é de democracia, liberdade econômica, política e individual."

21 dezembro, 2014

Nossa, cara! Suas definições de direita e esquerda são um espanto - melhor voltar para o banco escolar...

Em tempo: os comunistas adoram gente como você, que pensa que pode combater a ideologia comunista com democracia. Não precisa pensar muito, não, use a lógica: se eles, depois que chegaram ao poder (2003) e fazendo o que bem entendem: implodindo a economia, comprando parlamentares, meios de comunicação, instituições e tudo, fraudando eleições para se perpetuar no poder, o que te faz pensar que eles sairão de lá apenas com democracia?!!

Elcio disse...

Pela quantidade de comentários da matéria, fica óbvio que estamos órfãos de representação partidária. Tem o partido novo que está no forno e provavelmente seja aprovado em 2015, porém é um partido de viés mais liberal, seria bom um verdadeiro partido conservador, porém o Novo com certeza tem idéias bem melhores para o Brasil do que qualquer social democrata que se diz oposição.

Anônimo disse...

O primeiro passo para acabar com esta corja de canalhas que estão aí, é nos unirmos e colocarmos abaixo aquele prédio do Foro de São Paulo.

Brody Delestre disse...

Todo o meu apoio Coronel Telhada!